InícioGrupo EspecialMangueira faz desfile com grandes atuações da harmonia e casal, mas pequenos...

Mangueira faz desfile com grandes atuações da harmonia e casal, mas pequenos erros em evolução devem afastar briga pelo título

Bateria e casal também se destacam na Verde e Rosa; alegorias tiveram pequenos erros de acabamento

Por Rafael Soares e fotos de Nelson Malfacini

A Mangueira foi a quarta a se apresentar na Marquês de Sapucaí nesta segunda-feira de carnaval do Grupo Especial. A escola começou seu desfile com força total, em uma arrancada contagiante. Na comissão de frente veio o primeiro impacto, com uma apresentação cheia de energia, simbolismo e beleza. O casal de mestre-sala e porta-bandeira exibiu um lindo bailado, com bastante entrosamento, força e limpeza de movimentos. A harmonia foi de excelência, pois todos os componentes entoaram o samba-enredo com vigor. A atuação dos intérpretes e da bateria foi um grande espetáculo, elevando o rendimento da obra musical. A evolução também era de bom nível na animação dos desfilantes, mas dois pequenos buracos em frente a primeira cabine de jurados prejudicaram o quesito. O conjunto de fantasias também exibiu uma qualidade plástica acima da média, com beleza no uso das cores e materiais. Já as alegorias não acompanharam o mesmo nível estético, principalmente em função de pequenos erros de acabamento. O enredo foi contado com perfeição, através da leitura muito clara da plástica da agremiação. O somatório desses pequenos erros deve afastar a Mangueira da briga pelo título. A verde e rosa levou o enredo “A Negra Voz do Amanhã” para a Avenida, sobre a vida e carreira da cantora Alcione, encerrando o desfile em 1h08.

Foto: Sad Coxa/Divulgação Rio Carnaval

Comissão de Frente

Com o nome de “Feita pra Vencer!”, a comissão de frente assinada pelos coreógrafos Lucas Maciel e Karina Dias trouxe um grupo de componentes homens e mulheres, buscando apresentar, em quadros, as tradições dos festejos maranhenses e resumos da carreira vitoriosa de Alcione. Em um primeiro momento, os integrantes lindamente vestidos com roupas típicas dessas festas se apresentavam com muita energia e sincronia. Logo depois, o tripé vinha ao centro do número, e em cima do elemento apareciam várias versões jovens de Alcione.

Em outro momento, os dançarinos homens trompetistas deitavam no mecanismo que girava e inclinava, onde eles faziam poses e continuavam se apresentando com uma nova Alcione, mais adulta, ao centro. Por fim, novos bailarinos eram revelados e dançavam com a Alcione, depois que ela revelava a roupa com as cores da escola. Integrantes crianças, também vestidas em verde e rosa, representavam a comunidade mangueirense e a escola mirim, fundada pela cantora. Uma apresentação maravilhosa, alternando momentos de mais energia, com outros de singeleza e emoção. A comissão foi a síntese perfeita do enredo, levantando o público na Sapucaí.

LEIA AQUI

* Mangueira é uma mãe, e a criança é o seu amanhã, Alcione vem coroada em um palácio verde e rosa e cercada de crianças
* Saudando o Divino Espírito Santo, baianas da Mangueira representaram elo entre Alcione a mãe
* Mangueirenses relatam emoção em homenagem para Alcione
* Mangueira celebrou grandes sucessos da história de Alcione

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Matheus Olivério e Cintya Santos, veio com uma fantasia de nome “O Amanhã”, representando o elemento central na construção da narrativa em homenagem a Alcione. Ele que conduziu a história de vida da cantora de forma poética, sendo a imagem figurada de sua trajetória, valores, crenças, sonhos, sucessos, experiências musicais, a leitura da cultura popular e da própria atuação e paixão pela Estação Primeira de Mangueira.

Usando uma indumentária muito bonita, o casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola mostrou um bailado de muita técnica e beleza. Primando por movimentos limpos e bem acabados, a dança mesclou elementos tradicionais com outros mais coreografados de acordo com a letra do samba. Cintya exibiu sua já conhecida força e velocidade, em giros ainda mais potentes durante o refrão de meio. Ela também fez um belo movimento em que usava sua mão livre para segurar a bandeira e rodar na pista. Matheus mostrou ser um dos melhores do carnaval, ao levar sua elegância, leveza e condução perfeita. As interações entre os dois eram muito belas, elevando o nível da apresentação.

Samba-Enredo

O samba composto por Lequinho, Junior Fionda, Gabriel Machado, Guilherme Sá, Paulinho Bandolim e Fadico, teve excelente rendimento na avenida, se mostrando bem funcional para desfile. Os intérpretes Marquinho Art’Samba e Dowglas Diniz mostraram um desempenho muito forte ao cantar o samba, embalado pelo grande show da bateria dos mestres Rodrigo Explosão e Taranta Neto.

Harmonia

A comunidade da Mangueira teve um canto de altíssimo nível em seu desfile. O principal trecho entoado pelos componentes foram os refrãos da obra musical. Mas toda a letra foi entoada com muita força, de forma bem perceptível a todos que acompanhavam o cortejo. O volume do canto era tão alto que até as alas mais volumosas não tiveram problema em defender o quesito. Não se viu qualquer tipo de queda durante a passagens das alas no desfile, gerando grande uniformidade.

Nos ‘apagões’ da bateria, a harmonia de excelência ficou ainda mais nítida. Certamente, um dos cantos mais fortes dentre todas as apresentações das escolas do Especial. É até difícil destacar algumas alas, pois todo o conjunto teve forte apresentação. Além disso, é preciso exaltar a condução do samba-enredo pelo carro de som da Mangueira, em especial aos intérpretes Marquinho e Dowglas. A dupla mostrou muita segurança, firmeza e qualidade vocal, além de sempre impulsionar o desfilante a cantar mais.

Evolução

A evolução da escola foi boa durante a passagem pela Sapucaí na maior parte do tempo. A animação e espontaneidade dos componentes eram muito notórios. A comunidade estava em extase para homenagear Alcione. O ritmo de desfile também se mostrou muito adequado, permitindo aos desfilantes tranquilidade para cantar e brincar o carnaval. Entretanto, dois pequenos buracos em frente a primeira cabine de jurados devem prejudicar a avaliação da escola. O primeiro foi gerado após lentidão do abre-alas ao se locomover. A mesma coisa aconteceu com a segunda alegoria, resultando em outro erro na pista. Depois disso, o desfile transcorreu sem maiores problemas. A agremiação encerrou o desfile em 68 minutos.

Enredo

A Estação Primeira de Mangueira apresentou o enredo “A Negra Voz do Amanhã”, mostrando a história de vida e a carreira musical de Alcione, além de exaltar sua representatividade negra e feminina. O primeiro setor da escola trazia a fé como seu principal alicerce de vida e instrumento de condução de seu amanhã, intimamente ligada à sua formação familiar, sendo, portanto, o primeiro aspecto a moldá-la enquanto indivíduo. O segundo setor retratava parte da vivência de Alcione, crescendo em meio às manifestações culturais do Maranhão, estado natal da homenageada e fonte de inspiração das canções que interpreta.

O terceiro setor teve como foco o momento em que a homenageada passa a construir sua carreira e, assim, estabelecer os caminhos para a formação do seu Amanhã enquanto cantora, no início de sua fase jovem adulta. O quarto setor fez referência às diversas canções emplacadas pela homenageada, enfileirando sucessos e construindo a identidade única de sua voz, marcada pela potência e volteios vocais, que eternizaram hinos ao público. No quinto e último setor, foram ressaltados os laços estabelecidos por Alcione com a verde e rosa, com o carnaval e sua atuação direta em prol do samba e de seu legado, fazendo do seu amanhã norte e instrumento de atuação na formação de tantos outros amanhãs a partir da arte e promoção da cultura.

As fantasias e alegorias foram de leitura muito fácil, fazendo com que o enredo fosse transmitido de forma muito clara. Todos os elementos e símbolos foram bem representados. A escolha na forma da passagem da história na pista foi bastante acertada, ao retratar os ‘amanhãs’, fazendo com que o enredo não fosse uma mera linha do tempo. Toda a representatividade feminina e preta da cantora foi passada ao público, além de sua fundamental importância para a comunidade mangueirense.

Fantasias

O conjunto de fantasias da Mangueira foi de alto nível estético. Impressionou a qualidade no uso e combinação das cores. A utilização dos diversos tipos de materiais, entre mais luxuosos ou mais alternativos, se mostrou um grande acerto. Além disso, a leitura do enredo através dos figurinos era imediata. A escola deve receber pontuação alta no quesito pelo segundo ano consecutivo, o que mostra a competência dos carnavalescos em seu trabalho. Na beleza, destaque para as alas “Símbolos e Memórias da Piquena”, “Festas aos Santos Juninos” e “Afreketê”. Além da qualidade plástica, a ala “Sufoco” se destacou por sua originalidade.

Alegorias

O conjunto alegórico da escola teve pequenos erros de acabamento. O carro abre-alas, intitulado “O Altar de Sua Fé”, representou o altar particular de sua fé, inspirado no íntimo de seus elementos de devoção e afetos, que a acompanham ao longo de sua vida, carregando histórias e relações particulares que envolvem pessoas e suas experiências. A alegoria era belíssima, mostrando sua imponência e riqueza de detalhes, além de lindo uso das cores e da forte iluminação.

Na sequência do desfile, a segunda alegoria da Mangueira, de nome “Arraiás Maranhenses: Fundamentos de um Amanhã Popular”, simbolizava uma homenagem ao estado natal de Alcione, o Maranhão, através de alguns dos principais festejos culturais que contribuíram para a construção do Amanhã artístico popular da homenageada: os arraiás, destacando especialmente a prática do bumba meu boi. Outra alegoria que mostrou ótimo nível de beleza e acabamento. Utilização incrível das cores para retratar a cultura maranhense. Muito bom gosto e acabamento irretocável.

O terceiro carro da agremiação, intitulado “A Rainha das Madrugadas”, retratava o desenvolvimento do amanhã da homenageada como cantora, de forma a apresentar os caminhos que ela percorreu para isso, influências musicais fundamentais na construção de seu repertório inicial e de sua atuação como intérprete. A alegoria tinha um acabamento mais irregular, com algumas leves falhas e uso de materiais mais simplórios. Além disso, a escultura principal da cantora apresentou um problema em sua cabeça, que precisou de um diretor no interior do carro para segurá-la.

O tripé intitulado “Alerta Geral” representava o programa apresentado por Alcione, que estreou em 1979 e que levava o mesmo nome do LP lançado em 1978. Este elemento também não primou pelo mesmo acabamento do começo da escola.

A quarta alegoria da escola, de nome “A Voz do Amanhã de Tantas Mulheres”, simbolizava algumas das canções de sucesso através de representações cotidianas e da pluralidade feminina, apresentando o processo de transformação da homenageada em uma poderosa voz, responsável por retratar a diversidade musical brasileira, através das obras que abordaram, nas últimas décadas, a temática dos sentimentos, sobretudo. O acabamento desse carro era satisfatório e também não chamou a atenção pela beleza, mas sim pela funcionalidade na troca de cenários e personagens. Porém, na parte traseira, dois queijos vieram com integrantes com outra fantasia e sem adereço na cabeça.

O quinto e último carro alegórico da agremiação, intitulado “Meu Palácio Tem Rainha”, era inspirado pela canção “Mangueira é uma Mãe”, que contribuiu de forma poética para a construção da trajetória de Alcione na escola, sendo esta uma filha que não nasceu no morro, mas que foi acolhida como parte da comunidade, amparando os seus frutos e buscando desenvolver o amanhã através de sua cultura e tradições do samba. O acabamento nesta alegoria era apenas correto, mas uma parte lateral da saia do carro parece ter batido em algum local, pois estava rasgada, com isopor à mostra.

Outros destaques

A bateria da Mangueira, comandada pelos mestres Rodrigo Explosão e Taranta Neto, teve um desempenho espetacular. Sustentando um ritmo perfeito para a execução do samba-enredo pelo carro de som e também para o canto dos componentes. O grupo mostrou muita musicalidade e originalidade, ao usar instrumentos diferenciados, como os xequerês, os timbaques, e os pandeirões. As bossas se mostraram bastante versáteis e plenamente integradas à obra musical.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...