InícioSão PauloTerceiro Milênio consolida quesitos em segundo ensaio técnico

Terceiro Milênio consolida quesitos em segundo ensaio técnico

Escola do Grajaú mostra força dos quesitos em segundo ensaio

A Terceiro Milênio entrou na pista do Anhembi pela segunda vez no ciclo de ensaios técnicos neste domingo, dia 28 de janeiro, e com o enredo “Vovó Cici conta e o Grajaú canta: O Mito da Criação”. Será a sétima escola a desfilar no domingo, dia 11 de fevereiro, no Grupo de Acesso II. Em seu segundo ensaio, mostrou a força dos quesitos, e assim, o conjunto sobressaindo-se, consolidando o que já tinha feito no primeiro ensaio, mesmo perante a um sol desgastante.

Mestre-sala e Porta-bandeira

O casal Waleska e Arthur passaram com muita elegância. A piscada de olho da Waleska logo após passagem pelo primeiro módulo, já no monumental, reforça o desempenho nesta primeira apresentação, corretos, com o bailado envolvendo sentido horário e anti-horário, os toques de mão conectados, idem nos olhares. Com seus passos de bailarina, muita intensidade, essa é Waleska Gomes. O jovem Arthur, que faz sua estreia como primeiro mestre-sala, vestiu um macacão que continha uma coruja, símbolo da escola, ele e Waleska representavam crianças no look. A apresentação também foi correta no segundo módulo. O casal evoluiu do primeiro ensaio, mostrou mais sincronia e intensidade, mesmo com um calor absurdo que estava nesta tarde em São Paulo.

Harmonia

A harmonia da Milênio segue como ponto alto, é uma escola que canta bastante, tem como característica. Bem verdade que devido ao forte calor, não teve o mesmo canto do primeiro ensaio. O que vale frisar, não foi um problema, afinal ainda sim, todas as alas cantavam o samba e mostraram saber o samba. Portanto a comunidade do Grajaú mostrou sua força e consolidou o que foi feito no primeiro ensaio, com o samba na ponta da língua, ajuda a fluir todo o restante. Os harmonias vieram cantando bastante ao lado, mas pouco vi exigir canto, afinal, o trabalho já estava sendo positivo pelos componentes, destaco a ala que veio logo após o segundo casal, com um casal bem forte e animados. Como diz o samba, “Canta forte Grajaú, faz tremer o seu ilê”, e assim cantou!

Samba-enredo

A ala musical da Milênio é muito forte, Grazzi Brasil ganhou Darlan como parceiro e bem entrosados, respeitando o espaço de cada um. A voz da Grazzi é incrível, ganhou mais destaque ainda na parceria e também de acordo com o samba. E méritos do Darlan que encaixou junto com sua parceira nesta chegada a agremiação. Também destacar que agora a ala musical conta ponto, e a Milênio tem uma equipe muito forte, bem competente que passou com excelência pelos dois ensaios técnicos. Em relação a comunidade com o samba-enredo, fluiu muito bem, os componentes tem o samba na ponta da língua, cantaram bem, dava para ver nas alas todos sabiam o samba. É de fato, um samba agradável, e está na boca dos componentes da Coruja.

Evolução

A evolução da escola fluiu com muita leveza, tranquilidade, tem passos marcados, mas você sente a comunidade envolvida com o samba. Entrou na pista com três minutos cravados e completou a apresentação com 58m07s, ou seja, passou bem no sambódromo. Vale ressaltar a leveza, ainda que tenham realmente passos marcados, você vê a comunidade sentindo o chão, gostando do samba, de estar no Anhembi, não foi uma passagem robótica. O Grajaú mostrou a força desfilando com gosto, força de vontade, e sem ter problemas mesmo com a alta temperatura que apontava no fim da tarde. Foi um dos pontos chaves do ensaio técnico, a evolução bem realizada.

Comissão de frente

A comissão de frente comandada por Regis trouxe referências de Vovó Cici. Bem teatral com parte do elemento alegórico interagindo com a coreografia. Uma mulher era coroada, depois de vestida com uma roupa preta, onde o vestido inicialmente era esticado em algumas partes, e ocorria a coroa. Depois um ato bem parecido, mas toda de branco e aí sim toda a energia era decorrida. Após a segunda coroação, com vestido branco, três crianças abraçam a coroada. E a coreografia segue com alegria, leveza, como pede o enredo. Realmente é uma comissão que promete fortes emoções junto ao tripé. Tem um momento que a personagem principal, quando era coroada, fica em destaque a frente do elemento alegórico, e a parte dela é destacada, subindo um pouco, onde ela é reverenciada. Uma parte legal é que membros da comissão vestiam-se de uma parte do tripé, uma lona preta, grande, e ela saia com eles como se fossem asas gigantes.

 

Outros destaques

Falar da Pegada da Coruja comandada por Vitor Veloso é chover no molhado, a fase tem sido de muita ousadia, nos dois ensaios técnicos foi assim. Durante a passagem, foram inúmeras bossas e paradonas. Anotei algumas delas, a primeira logo no começo da bateria na pista, com 15 minutos durante o trecho “que seja ao menos respeito”, até “poesia a derramar o firmamento”. Na entrada da monumental uma bossa com 17 minutos, e assim foi uma sequência de bossas durante a monumental, destaque para o uso dos atabaques durante elas. Com 28 minutos no recuo tiraram onda nas bossas por mais de 30 segundos. Aos 36 minutos quando a bateria esteve à frente da sua torcida, fizeram nova bossa, levantando a galera. Aos 42 minutos até 45 foram várias bossas, nova paradinha, no trecho “Sete dias pro ayê nascer”… Ah, e não parou por aí, aos 47 minutos mais uma paradinha. Faltou alguma? Pois bem, a bateria tirou onda, foi o ponto positivo.

Arrancada com samba da mulher na voz da Grazzi Brasil, é simplesmente de arrepiar. Foi o samba-enredo que subiu à escola, e um dos enredos mais marcantes dos últimos anos no Anhembi, portanto é sempre um ato a mais. Principalmente na voz de uma mulher, uma intérprete marcante, e você vê componentes cantando muito, principalmente as mulheres, é um ato no carnaval paulistano. Também as palavras do Presidente Silvão levantando o astral da comunidade, e dizendo sobre o desfile ser focado em nível de Grupo Especial.

A corte de bateria da Milênio conta com a jovem Geovanna Pyetra, Mah Caval e Mirela, o trio que esbanja sorriso no rosto, samba no pé e simpatia. As estrelas do Milênio estão afiadas e em grande a frente da Pegada da Coruja. Vale destacar a primeira ala que entrou com palavras chaves do samba “firmamento, respeito, amor, mundo”, entre outras, cada uma em uma plaquinha. Por fim, a Torcida Garra da Coruja mais uma vez agregou e sendo uma ala a mais, entretanto fora da pista, faz o show à parte nas arquibancadas, principalmente quando a bateria passa.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...