InícioSérie OuroIlhaSem medo da concorrência, União da Ilha informa que está pronta desde...

Sem medo da concorrência, União da Ilha informa que está pronta desde fevereiro

Para Dudu Azevedo, mesmo que pudesse haver desconfiança a respeito de como a União da Ilha estaria para o carnaval, internamente a equipe estava confiante sobre o projeto

A União da Ilha realizou uma coletiva de imprensa no seu barracão na Cidade do Samba. Na coletiva estiveram presentes o carnavalesco Cahê Rodrigues e o diretor de carnaval Dudu Azevedo. Após longo período de portas fechadas, a escola convidou a imprensa para um bate-papo a respeito de como foi a preparação para o desfile de 2022, passando pela escolha do enredo, adaptação do barracão sem a presença do carnavalesco Severo Luzardo e expectativas para o carnaval de 2022. Também foram levantados temas como a evolução da escola nesta reta final para o desfile. Para Dudu Azevedo, mesmo que pudesse haver desconfiança a respeito de como a União da Ilha estaria para o carnaval, internamente a equipe estava confiante sobre o projeto.

“A escola vinha recebendo críticas, mas internamente nós não tínhamos dúvidas sobre o trabalho. Depois do que foi apresentado no ensaio técnico o que mudou é que mudaram a forma de ver a escola, mas nós nos planejamos e ensaiamos muito o samba. Até porque tivemos momentos de dúvida, teve momento do auge da covid que existiam alas com menos da metade de componentes e isso assustava a gente. De uma semana para outras mais de 150 pessoas vieram informar que estavam desistindo de desfilar, mas ainda acreditávamos no planejamento, só faltavam as pessoas para realizar o desfile, até que depois de um tempo elas foram surgindo. Já no ensaio de rua antes de irmos para a Sapucaí, nós percebemos que a escola estava cantando forte, evoluindo bem e com boas nuances”, disse Dudu Azevedo.

Dudu também afirmou que a escola não sofreu grandes impactos com o adiamento do carnaval, porque na verdade a Ilha já estava pronta para desfilar em fevereiro. Sendo assim, a diferença ocasionada foi o amadurecimento do chão da escola e discussões saudáveis com o carnavalesco Cahê Rodrigues que teve dificuldades em fazer novas ideias pararem de surgir ao longo dos dois meses de adiamento. O diretor de carnaval também comentou sobre como a escola encara o favoritismo do Império Serrano.

“É lógico que todo ano vão cotar o Império, assim como vão cotar a Estácio, mas quanto ao Império, se formos fazer uma comparação será que deixamos a desejar? Deixamos a desejar em equipe? Eu acredito que não. Deixamos a desejar em escola? Também não, nós somos grandes como o Império. Agora é avenida, tem que entrar para saber quem vai ganhar”.

Outro tema que merece destaque na coletiva foi a adaptação do cotidiano no barracão da Ilha após o falecimento do carnavalesco Severo Luzardo que fazia dupla com Cahê Rodrigues. “Todo processo criativo foi feito por nós dois. Hoje, com a ausência dele, toda a minha luta dentro do barracão é para a gente preservar a memória dele e suas ideias iniciais. É claro que aconteceram modificações, porque a partir do momento que se tem duas pessoas e uma delas não está mais, nós passamos a ter que tomar algumas decisões, mas nada que mudasse a ideia, roteiro e rumo do desfile. Não era muito uma questão de criar, era questão de enfeite e finalização de projeto”, disse Cahê.

- ads-

Festa de premiação do Estrela do Carnaval e Destaques do Ano em São Paulo revela espetáculo das escolas de samba

Por Gustavo Lima e Will Ferreira. Fotos de Fábio Martins/CARNAVALESCO Muitos pensam que toda segunda-feira é um dia frio, triste e melancólico. O último 22...

Mangueira terá Centro Cultural em homenagem a seus poetas

Perto de completar seus 96 anos de vida, a Estação Primeira de Mangueira, berço de grandes poetas que encantam o mundo com suas obras...