O Acadêmicos do Salgueiro realizou em sua quadra, na noite de sábado e madrugada deste domingo, mais uma fase do concurso que elegerá o hino oficial da agremiação para o Carnaval de 2024. A reportagem do site CARNAVALESCO esteve presente e, como parte da série “Eliminatórias”, acompanhou essa nova etapa da disputa promovida pela vermelha e branca da Tijuca. Ao todo, sete parcerias se apresentaram. O anúncio de quais obras irão seguir na competição será feito nas redes sociais da agremiação. Quem se classificar, volta ao palco no sábado que vem, dia 07 de outubro.

Foto: Reprodução

Em 2024, o Salgueiro será a terceira escola a cruzar o Sambódromo da Marquês de Sapucaí no domingo de Carnaval, dia 11 de fevereiro, pelo Grupo Especial. A agremiação levará para Avenida o enredo “Hutukara”, que pretende fazer um alerta em defesa da Amazônia e em particular dos Yanomami, que sofrem efeitos da ação de garimpeiros na sua região. O desfile terá a assinatura do carnavalesco Edson Pereira, que fará seu segundo trabalho consecutivo na Academia do Samba.

Parceria de Fred Camacho: A primeira parceria da noite foi composta pelos compositores Fred Camacho, Paulo César Feital, Guinga do Salgueiro, Diego Nicolau, Fabrício Fontes, Daniel Rozadas, Claudeci Taberna e Francisco Aquino. A torcida que trouxe bastante bandeiras e pulseiras luminosas, cantou muito durante toda a apresentação. Thiago Brito e Diego Nicolau mandaram muito bem na condução na obra e ganharam as boas companhias de Rodrigo Tinoco e Juan Briggs no apoio. A apresentação da parceria foi muito boa, mostrando que o samba tem qualidade para avançar. O refrão de cabeça foi muito cantado pela torcida em todas as passadas. Outro destaque foi na preparação para a chamada do refrão principal “Mani Brasil/Se espelha na coragem do meu povo/Contigo ele recria um mundo novo/De pele vermelha e branco coçar”. O refrão curto no meio do samba também foi muito cantado pela torcida “Ó mãe natureza que me viu nascer/dou a minha vida pra te defender”. Após a cabeça do samba, na parte em que fala “Um canto da floresta ecoou”, foi outro destaque na apresentação, pois ecoa de verdade, abrindo caminho para o “Ôôôôôô” a seguir. A parceria de Fred Camacho e Cia vai brigar para chegar na final.

Parceria de Pedrinho da Flor: A segunda parceria da noite foi composta pelos compositores Pedrinho da Flor, Marcelo Motta, Arlindinho Cruz, Renato Galante, Dudu Nobre, Leonardo Gallo, Ramon Via 13 e Ralfe Ribeiro. A torcida também compareceu com bastante bandeiras e cantou forte durante todo o tempo. Ainda sobre a torcida, também trouxeram bastão de Led. Charles Silva foi o responsável por conduzir o samba e ele simplesmente colocou a obra no colo e deu um show. O samba foi berrado pela torcida e por outras pessoas que estavam acompanhando a disputa. O refrão de cabeça foi uma explosão na quadra “Ya temi xoa! AÊ ÊA!/Meu Salgueiro é a flecha/Pelo povo da floresta/Pois a chance que nos resta/É um Brasil Cocar”. A cabeça do samba se mostrou muito forte também em todas as passadas. Outro destaque é a chamada para o refrão de cabeça “Napê, nossa luta é sobreviver/Napê, não vamos nos render”. Outras partes de grande destaque no samba: “Falar de amor enquanto a mata chora/é luta sem flecha da boca pra fora!” e “Não queremos sua ordem, nem o seu progresso”. Difícil ter uma parte do samba que não tenha se saído tão bem, pois a obra passou forte e vibrante em sua totalidade. Parceria de Pedrinho da Flor vem confirmando o favoritismo nas apresentações.

Parceria de Ian Ruas: Terceiro samba da noite foi composto pelos compositores Ian Ruas, José Carlos, Caio Miranda, Sonia Ruas Raxlen, David Carvalho e Gabriel Rangel. A torcida também compareceu com as suas bandeiras e fez muito bem a sua parte cantando durante todo o tempo. O novo intérprete da São Clemente, Vitor Cunha foi o responsável por liderar o time no palco, e obteve êxito. A apresentação foi muito boa da parceria, mostrando que estão empenhados em ir para a final. O refrão principal também foi muito cantado pela torcida “Ya nomaimi! Ya temi Xoa!/Em hutukara arco é ligeiro/Um povo a sorrir, um povo a sonhar/Renascer no chão do meu Salgueiro. É notório a qualidade que a obra tem tanto na letra quando na melodia com suas variações melódicas. Na parte “Alvoreceu, tribo guerreira sob a luz do dia” há uma variação melódica que soa bem demais e funciona, dando aquela fluidez gostosa ao samba. Outra parte que a melodia se destaca muito é “O céu é o destino de uma chuva acinzentada”. O refrão do meio também passou muito bem na apresentação. A parceria do Ian Ruas pode sim sonhar com uma final pelas apresentação que estão fazendo.

Parceria de Xande de Pilares: Quarto samba da noite foi composta pelos compositores Xande de Pilares, Cláudio Russo, Betinho de Pilares, Jassa, Jefferson Oliveira, Miguel Dibo, Marcelo Werneck e W Corrêa. A torcida compareceu trazendo bolas e bandeiras, e cantou principalmente os refrãos. O ótimo Igor Vianna, conduziu muito bem a obra. O refrão de cabeça foi uma das partes que mais se destacou na apresentação “Sou eu Yanomami Waitheri// Salgueiro, vermelha força pra existir// A lança em defesa da mãe terra// O canto forte da nação em pé de guerra”. Outra parte que se destacou foi a chamada para o refrão de cabeça “Êê curumim auê/livre pra viver por minha alma e meu nome/Êê curumim auê/Meu povo originário não pode morrer de fome”. A parceria do Xande de Pilares possui uma qualidade inquestionável em sua obra, mas precisa fazer mais na próxima apresentação para poder chegar na final.

Parceria de Manu da Cuíca: Quinta parceria da noite foi composta pelos compositores Manu da Cuíca, Luiz Carlos Máximo, Buchecha Bil- Hait, Belle Lopes, Fabiano Paiva e Rodrigo Alves. A torcida compareceu sem bandeiras, mas com algo muito precioso que é a obra na ponta da língua, pois eles soltaram a voz e foi uma das torcidas mais animadas. Bico Doce em mais atuação muito boa foi o responsável por conduzir a obra. O refrão do meio foi berrado pela torcida e foi um dos destaques: “Ya nomaimi, dá aroari/Aqui é povo de Omama/Yãkoana Waitheri”. O refrão de cabeça passou muito bem também ficando evidente a beleza e inteligência da letra quanto na melodia. O samba que possui uma das melhores letras da disputa, passou com a melodia diferenciada que mostrou ser eficiente. A obra não caiu em nenhum momento e foi a que mais cresceu se pegarmos as primeiras apresentações a algumas semanas atrás. Apresentação muito boa da parceria de Manu da Cuíca.

Parceria de Moisés Santiago: Penúltimo samba da noite foi composto pelos compositores Moisés Santiago, Serginho do Porto, Gilmar L. Silva, Aldir Senna, Orlando Ambrosio, Marqiinho Bombeiro, Wilson Mineiro e Gigi da Estiva. A torcida deu um show fazendo teatralização, com um grande performance. Marquinho Art Samba, Wantuir e Tuninho Junior levaram o samba muito bem e não deixaram cair em nenhum momento. A parceria de Moisés manteve o desempenho das últimas semanas e se destacou mais uma vez. O refrão “Êêô! Ahêa! Ahêa! NHARU ÊÁ!/Tronco forte é minha aldeia, Salgueiro! Êô êá!” foi sem dúvida um dos maiores destaques, sendo bem cantado pela torcida. A variação melódica em “Vem o sol e cai a lua” foi outro destaque. O segundo refrão também foi ponto alto da apresentação, destacando a inteligência da parceria em trabalhar com “Xawara ê”, pois, eles realmente souberam usar três vezes nesse segundo refrão e deu certo. Outra jogada da parceria foi na segunda parte do samba ao usar por duas vezes”Ya temi xoa! Yanomami eu sou!” e deu certo. A parceria tem tudo para chegar na final.

Parceria de Leandro Thomaz: Último samba da noite foi composto pelos compositores Leandro Thomaz, Grazzi Brasil, Filipe Zizou, Myngauzinho, Marcelo Lepiane, Claudio Gladiador, Telmo Augusto e Micha. A torcida compareceu em um número bem reduzido e não conseguiram manter o canto das outras parcerias. Já Thiago Acácio e Digão deram conta do recado e foram bem no palco. A obra é muito qualificada mas corre risco de deixar a disputa. A falta do canto na passada que é apenas para a torcida cantar, prejudicou a apresentação. O refrão de cabeça é muito bom “Ya temi xoa, ya temi xoa/É o grito que ecoa aos que tentam nos calar/Yanomami é o legado brasileiro/Que se mantém de pé nas raízes do Salgueiro”. Há uma preparação boa para o segundo refrão “Aê aê aê/o espírito ancestral sobrevoa a floresta/Aê aê aê/É a fúria animal que o corpo manifesta”. Caso a parceria fique na disputa para a próxima semana, espero que o samba aconteça, pois qualificado sabemos que ele é.