InícioGrupo EspecialMoacyr Luz e Lequinho fazem ótimas apresentações e terão grande embate na...

Moacyr Luz e Lequinho fazem ótimas apresentações e terão grande embate na final da Mangueira

Parceria de Thiago Meiners cresce de rendimento e sonha com a vitória

A Estação Primeira da Mangueira definiu neste sábado as três obras classificadas para a grande final de samba-enredo que acontece no próximo dia 07 de outubro. De forma equilibrada, os sambas de Lequinho e Moacyr Luz se destacaram nesta apresentação e terão a companhia da parceria de Thiago Meiners e Cia. A composição de Bete da Mangueira foi eliminada. Nesta semifinal, acompanhada pelo site CARNAVALESCO na série “Eliminatórias”, cada parceria teve 25 minutos para se apresentar e durante este tempo, duas das passadas foram voltadas para o público e torcida, com o carro de som apenas incentivando o canto. A análise de cada performance, você acompanha ao longo do texto.

Foto: J.M.Arruda/Divulgação Mangueira

Em 2024, a Verde e Rosa levará para a Sapucaí o enredo “A negra voz do amanhã”, um tributo à cantora Alcione. A homenagem está sendo desenvolvida pela dupla de carnavalescos formada por Guilherme Estevão e Annik Salmon. A Estação Primeira será a quarta escola a desfilar na segunda noite do Grupo Especial.

Parceria de Thiago Meiners: A segunda obra a se apresentar na noite desta semifinal mangueirense foi a de autoria de Thiago Meiners, Beto Savanna, Indio da Mangueira, Michel Pedroza, Wilson Mineiro e Julio Alves. A composição foi conduzida pelo intérprete Pitty de Menezes, da Imperatriz Leopoldinense, e por Wic Tavares. Ela iniciou a apresentação cantando de forma mais melodiosa acompanhada só do violão de sete cordas o trecho anterior ao refrão de baixo. As vozes femininas, aliás, foram um destaque, hoje sem a cantora Keilla Regina, a parceria, além de Wic, teve o reforço de Thati Carvalho, do carro de som da Imperatriz. Pitty, mais uma vez, mostrou bastante energia e fez uma grande apresentação também pela correção no canto e por valorizar bastante as nuances melódicas que são o ponto forte da obra.Essas nuances podem ser percebidas na cabeça do samba, nos seis primeiros versos a partir de “Botei meu laguidibá no pescoço” até “Oh! Entidade da Primeira Estação”. A segunda do samba também possui pontos de destaque como “Um canto maroto, estranha loucura/Meu ébano, a cura pro vício do amor/A força da mulher na voz dos brasis se eternizou”. O andamento foi um pouco mais para frente o que trouxe mais energia para a obra, sem perder a riqueza melódica que é uma grande característica da composição. Alguns trechos da obra fazem referência na melodia e na letra a sucessos da Marrom. Como exemplo tem-se “Mas tente entender”, na segunda do samba, além do refrão principal com o “Não deixo o samba morrer”. A torcida trouxe bandeiras e armações com diversas bexigas nas cores da escola, completadas por um coração em dourado na ponta. Os componentes começaram com muita energia, pulando e com muitas pessoas cantando, mas depois de algumas passadas o frisson diminuiu um pouco, com algumas pessoas apenas balançando as bolas, e aparecendo mais no refrão principal “Não deixe o samba morrer”. A energia voltou forte nas passadas sem o carro de som e ficou até o final. Em relação a quadra, entre os segmentos houve um bom envolvimento com as baianas, várias dançando. Já no público, o envolvimento e o canto foi mais tímido. Em geral, uma apresentação irregular, muita energia e canto no início e no final, mas com queda no meio da exibição. Porém, a música tem crescido e pode chegar madura para enfrentar as outras composições que surgem mais favoritas.

Parceria de Moacyr Luz: A composição assinada por Moacyr Luz, Pedro Terra, Gustavo Louzada, Karinah, Compadre Xico e Valtinho Botafogo foi a terceira da noite. O intérprete Gilsinho, da Portela, conduziu mais uma vez a obra na eliminatória. Como em outras parcerias, uma voz feminina teve a responsabilidade de iniciar a apresentação. A cantora Karinah foi esta voz e dividiu bem o protagonismo no palco com Gilsinho, apoiado, além de outras vozes, por Diego Nicolau. Em relação ao desempenho dos cantores, muita força e bom trabalho de terças e vocalizações. A melodia da composição de Moacyr Luz e Cia é bastante peculiar, original, e até foge um pouco do que a Mangueira em geral procura levar para a Sapucaí, inclusive, é distinta de 2022, quando esta mesma parceria ganhou. Mas também tem muita força e pontua algumas partes da letra que sobressaem em energia, traduzindo a altivez da homenageada, como os trechos da cabeça do samba. Sobre o andamento, foi característico de Mangueira, permitiu algumas inserções bastante dentro da temática, principalmente quando falamos da região originária de Alcione. O trecho “A voz, negra voz, tem o sangue verde e rosa, é singular, não há ninguém tão poderosa” e “sopro divino do amanhã” na cabeça são destaques pelos caminhos melódicos escolhidos. O refrão de baixo “Erê, Erê, Erê, não deixa o samba morrer”, permite à “Tem Que Respeitar Meu Tamborim” a presença de bossas, se diferenciando do andamento que vinha anteriormente. O refrão é de fácil aprendizado, pega rápido. A torcida trouxe bandeiras grandes da própria escola e outras nas cores com o rosto da Marrom. O contingente foi bem grande, um dos maiores da noite. Muita gente também se juntou ao grupo. O que, claro, retrata o bom envolvimento que a música teve com a quadra. Muita gente dançando, inclusive várias baianas. O canto da torcida foi muito bom, bem retratado nas duas passadas sem os cantores, mas perceptível durante o restante da exibição. Canto regular e expressivo. No restante da quadra, o canto também foi bom. Um dos trechos mais cantados foi o “Eu sou a Estação Primeira de Mangueira do Amanhã”. Um momento bonito foi uma chuva de bolas nas cores da escola que desceu sobre a torcida na volta das passadas sem cantores. Mostrou força nesta apresentação e chegará muito bem na final para disputar de igual para igual.

Parceria de Lequinho: A última apresentação da noite foi do samba composto por Lequinho, Júnior Fionda, Gabriel Machado, Fadico, Guilherme Sá e Paulinho Bandolim. Vencedora no carnaval passado, a parceria trouxe mais uma vez o intérprete Tinga, da Vila Isabel, para comandar as vozes. Encerrando a noite e confirmando que todas as parcerias iriam iniciar o samba com uma voz feminina, Cacá Nascimento carregou essa honra e responsabilidade no alusivo. Logo em seguida, com a ajuda de uma conga, Tinga deu o recado “isso aqui vai virar um terreiro”. E parecia mesmo. Excelente começo, com ritmo, ancestralidade, início que foi combustível para uma apresentação explosiva no palco. A melhor da noite neste quesito. Destaques para apoio na voz de Bico Doce, Júnior Fionda, Lequinho e a própria Cacá Nascimento. Os compositores, em cima do palco, que não estavam cantando também ajudaram, não parando de incendiar o público em nenhum minuto. A melodia é uma das que conserva mais traços daquilo que se está acostumado a ver na Verde e Rosa, até por ser produzida por compositores que já estão na escola há muitos anos. A música pode receber comparações em relação ao samba do ano passado, já que Mangueira 2023 foi um grande sacode. Mas, tem qualidade, sua própria alma e peculiaridades. A parte final da segunda do samba aproveita para fazer uma homenagem à própria Mangueira através do versos “Mangueira! De Neuma e de Zica/Dos versos de Hélio que honraram meu nome”, o que sempre “pega” muito no mangueirense, na comunidade. A escolha por um andamento mais para frente não fez a obra ser corrida, encaixou bem, foi suficiente para que os refrãos e o pré-refrão de baixo fossem explosivos,mantendo a qualidade melódica nas estrofes e não deixando o samba cair em nenhum momento. A torcida trouxe bandeiras nas cores da escola, veio em grande contingente, mostrando muita energia e respondendo muito bem aos estímulos do palco. Canto muito bom, principalmente nos refrãos. O “Toca tambor de crioula..”, por exemplo, se destacou mais nesta eliminatória do que vinha rendendo nas últimas. No restante da quadra, houve um envolvimento interessante, viu-se baianas e “harmonias” se divertindo, sambando e cantando. No público também houve boa aceitação, ainda que o canto tenha sido um pouco mais tímido. Participação para não deixar nenhuma dúvida que merece a final e que vai brigar forte.

- ads-

Compositores do Tucuruvi festejam Estrela do Carnaval de ‘Melhor Samba do Especial de SP em 2024’

Muitos pensam que o encerramento dos desfiles de escolas de samba de São Paulo em 2024 não teria arquibancadas cheias nem emoção já na...

Flávio Campello celebra prêmio Estrela do Carnaval de 2024 da Tom Maior: ‘Nossa escola tem uma alma guerreira’

No carnaval de 2024 a Tom Maior realizou no Sambódromo do Anhembi um desfile que se destacou pela exuberância plástica. A criatividade no uso...

Rock in Rio e Diogo Nogueira levam projeto do Clube do Samba para o Global Village

Novidade na Cidade do Rock, o Global Village vai emocionar todo o público presente nesta edição que celebra os 40 anos de história do...