InícioGrupo EspecialReedição de 'Gbalá' conduz Vila Isabel a desfile impecável, com canto explosivo...

Reedição de ‘Gbalá’ conduz Vila Isabel a desfile impecável, com canto explosivo e comissão de frente emocionante que credenciam escola ao título

Escola de Noel passou pela avenida com talento de Paulo Barros e técnica de desfile exemplar

Por Luan Costa e fotos de Nelson Malfacini

A Unidos de Vila Isabel foi a terceira escola a passar pela avenida na noite de desfiles do Grupo Especial. Conduzida pela força e emoção da reedição de Gbala, a escola entrou na avenida com uma sucessão de quesitos bem defendidos e entrou na briga pelo campeonato. A força do enredo se provou a medida que a escola avançou na Sapucaí, assim como samba atemporal de Martinho da Vila que foi defendido com valentia pela comunidade, o início do desfile foi avassalador, emocionante e impactou o público presente. A comissão de frente trouxe a figura de Oxalá, o criador da humanidade, e as crianças, que representam a esperança deste mundo. Porém, o grande destaque da noite foi a técnica de desfile aliado a um canto explosivo. O único senão ficou por conta de falhas no efeito de luzes durante apresentação do casal de mestre-sala e porta-bandeira.

Apresentando o enredo “Gbala – Viagem ao Templo da Criação”, desenvolvido pelo carnavalesco Paulo Barros, a azul e branca recontou a história ancestral sobre a esperança de Oxalá pelas crianças. A agremiação terminou sua apresentação com 68 minutos.

Comissão de Frente

A comissão de frente coreografada pela dupla Alex Neoral e Márcio Jahú foi intitulada “Pra salvar a geração, só esperança e muito amor!”. A apresentação foi repleta de emoção, bom gosto visual, surpresas e utilização excepcional da luz cênica da Sapucaí. O enredo foi sintetizado de maneira exemplar, a apresentação expôs as mazelas do mundo, trouxe a representação de Oxalá e as crianças que são a esperança.

O início foi marcado pela presença de Oxalá doente e perturbado por aqueles que insistem em destruir, uma criança, que representou todas as crianças do mundo, encontrou Oxalá sendo perturbado por esses seres destrutivos e, através da sua inocência e do seu amor, livra o criador de seus algozes. Os emissários da destruição abandonam seu caminho, dando espaço ao florescer da criança. Todas as apresentações mexeram com o público, que foi ao êxtase com a presença das crianças.

Mestre-sala e Porta-bandeira

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Marcinho Siqueira e Cristiane Caldas inovaram mais uma vez na Sapucaí, se no ano passado houve uma troca de roupa em frente aos jurados, no desfile desta noite, eles utilizaram uma fantasia com leds, eles iniciaram a apresentação com efeitos de iluminação que mostraram como a desordem está se sobrepondo à humanidade e à criação de Oxalá.

Porém, durante a apresentação, essa desordem foi substituída por uma iluminação dotada de poder e energia, passando, assim, a reproduzir uma espécie de centelha da esperança. A mudança de cor foi o ponto alto da apresentação, porém, um problema técnico fez com que a calça de Marcinho passasse apagada pelos setores seis e 10. A dança dosou a intensidade de Marcinho, com a delicadeza de Cris, a dupla, em plena sintonia, passou pela avenida com muito vigor e movimentos arriscados, mas que foram bem executados, como a pegada de bandeira invertida realizada pelo mestre-sala.

Enredo

A Vila Isabel levou para avenida a reedição do enredo “Gbala – Viagem ao Templo da Criação”, originalmente concebido em 1993 por Oswaldo Jardim, dessa vez teve a assinatura de Paulo Barros. O enredo contou uma história ancestral na Sapucaí, de fácil entendimento e com leitura clara, ele foi pautado sob a ótica das religiões de matriz africana: no início do tempo, o deus supremo Olorum delegou para o seu assistente Oxalá que ele criasse os homens. O mundo precisava de alguém que pudesse zelar por essa criação pelo mundo, como a gente conhece: as folhas, as plantas, os animais e as águas do mar. Mas, depois de algum tempo, o homem passou a tratar mal aquilo que ele deveria cuidar. Os orixás reuniram crianças de todo mundo para que elas pudessem ir ao templo da criação.

LEIA MAIS

* Com problemas sociais atuais, abre-alas da Vila Isabel retratou o adoecimento do criador
* Comunidade da Vila Isabel exalta trabalho de Paulo Barros
* Quarto carro da Vila Isabel tem homem gigante com estrutura muscular
* Inspirado no filme Moana, terceira alegoria da Vila Isabel representa a mãe natureza

Alegorias e Adereços

O carnavalesco Paulo Barros derramou novamente toda sua criatividade e talento na concepção do conjunto alegórico da azul e branca, ao todo, foram para a avenida seis alegorias e dois tripés, todas as características que fizeram do carnavalesco uma referência no quesito estiveram presentes nos carros da Vila, criatividade, surpresas, efeitos cênicos, elementos humanos, tudo contribuiu para a excelência visual.

O primeiro tripé apresentou o título do enredo e o símbolo da Unidos de Vila Isabel, a alegoria que abriu os caminhos foi intitulada “Quando acaba a criação, desaparece o criador”, ela retratou o caos e a ganância, dividido em dois chassis, o carro impactou ao simular um incêndio em plena avenida. A segunda alegoria, “E a inocência entrou no templo da criação…”, a alegoria apresentou alguns seres fantásticos habitantes do Templo. Na sequência, o tripé “O mundo fantástico das águas” transportou o público para o fundo mar, ao maior estilo Paulo Barros, uma grande baleia se movimentada no centro tripé e peixes adornavam, causando um ótimo efeito.

A terceira alegoria, “A natureza e seus encantos”, teve referência ao filme Moana. A alegoria que retratou a criação do homem foi aguardada por todos e entregou um ótimo conceito na avenida, sem componentes, o carro foi todo preenchido por manequins. O penúltimo carro, “Omolu – O valor da cura do corpo e do espírito” trouxe componentes coreografados encenando um ritual de cura e saúde com passos característicos do orixá. Para finalizar, a escola apresentou o carro “O sagrado batismo”, representou o sagrado batismo das crianças nas águas do Templo da Criação.

Fantasias

A Vila Isabel levou para a avenida 28 alas, característica de Paulo Barros, a fácil leitura dos figurinos foi mais uma vez observada, assim como efeitos especiais, como o visto na ala de abertura, “Fogo que Devasta as Florestas”, em que os componentes carregavam leques que simulavam a chama. Em detrimento do luxo, as fantasias da escola priorizam materiais alternativos, mas que em nada tirou o brilho do conjunto. A fantasia “Terra, Planeta Lixo”, “Cavalos Marinhos” e “Estrutura Muscular” são exemplos do uso de materiais que fizeram com que a leitura fosse clara.

Harmonia

Se existia alguma dúvida de que o samba reeditado de 1993 seria capaz de levar a comunidade a ter um canto explosivo neste carnaval, a resposta veio logo nos primeiros versos entoados pelo intérprete Tinga. O ritmo inicial foi avassalador, a escola entrou na avenida demonstrando um vigor impressionante, ao longo do cortejo o que se viu foi uma escola extremamente feliz, com o samba na ponta da língua e cantando com intensidade. A bateria “Swingueira de Noel” teve a missão de fazer com que o samba atendesse as características atuais de desfile e fez com maestria, a tão elogiada parceria com o carro de som comandado por Tinga mostrou mais uma vez que segue intacta.

Samba-Enredo

A obra original de Martinho da Vila tinha um grande desafio neste carnaval, apesar de ser um clássico do carnaval carioca, a reedição do mesmo poderia ser um risco, visto que o quesito samba-enredo mudou ao longo dos anos, porém, a avenida teve o prazer de presenciar novamente o hino imortalizado desta vez na voz de Tinga. Por ser um samba mais curto, havia o temor de que ele pudesse cansar, visto que a repetição seria maior, na verdade, a obra passou de forma avassaladora e mostrou que é atemporal.

Evolução

A Vila Isabel passou pela avenida tecnicamente perfeita, do início ao fim foi um desfile sem erros, a escola passou pela avenida com muita desenvoltura e organização, as alas, em sua totalidade estavam muito compactas e os componentes evoluíram com extrema organização, mas sem perder a espontaneidade. O único senão ficou por conta de um espaço maior que o normal em frente a bateria durante a apresentação da mesma no setor três.

Outros Destaques

A rainha de bateria Sabrina Sato veio representando a corrente sanguínea, a apresentadora que possui enorme identificação com a comunidade da Vila passou pela avenida aclamada pelo público.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...