A Vila Isabel foi a terceira escola a desfilar, nesta segunda-feira (12), no segundo dia de apresentação do Grupo Especial do Rio. A escola, com o enredo “Gbala – Viagem ao Templo da Criação”, no seu quarto carro apresentou a alegoria “A criação do homem”, representando o “corpo humano como uma criação de Oxalá”

“Eu optei em fazer um carro que tivesse o conceito do barro, porém eu mostro ali aquele grande gigante com estrutura muscular, onde as crianças aprendem como é o nosso corpo internamente”, explicou Paulo Barros, o carnavalesco da escola.

A alegoria tem como principal objetivo contar o mito da criação do homem através do barro. No carro marrom, é possível ver um humano sem pele, apenas marcando seus músculos. Na parte debaixo, tem diversas esculturas de corpos.

O carnavalesco explicou que já produziu carros com a mesma estética de barro antes, mas quis inovar de alguma forma e fazer diferente na frente da Vila. “Eu tinha que fazer um carro que fosse diferente da versão anterior e principalmente diferente de dois carros que eu já fiz, um da Tijuca e o outro na Portela. Era um homem de lama, que lembrava um pouco dessa coisa do barro também”, disse.

Para o Carnaval de 2024, a azul e branco planejou trazer de volta seu tema de 1993, enfatizando o papel das crianças na criação de um mundo melhor. O tema revisita um mito antigo, visto sob a perspectiva das religiões afro-brasileiras, no qual Olorum, a divindade suprema, designa Oxalá para formar a humanidade no início dos tempos. Este novo mundo precisava de guardiões para suas maravilhas naturais, incluindo plantas, animais e mares.

No entanto, ao longo do tempo, as pessoas falharam em sua tarefa de proteger esses presentes preciosos. Em resposta a essa negligência, os orixás chamaram crianças de todo o mundo para uma jornada ao templo da criação.

Na passarela, a Vila Isabel espalhou a visão otimista de Oxalá sobre as crianças, abordando a conscientização sobre a preservação ambiental e a importância de cuidarmos do lar que todos compartilhamos.