A Imperatriz Leopoldinense escolheu na madrugada desta terça-feira o samba-enredo para o Carnaval 2023. A parceria vencedora que vai assinar a obra para o desfile do ano que vem é formada pelos compositores Me Leva, Gabriel Coelho, Miguel da Imperatriz, Luiz Brinquinho, Antonio Crescente e Renne Barbosa. O enredo “O arrepeio do cabra que o excomungado tratou com má-querença e o santíssimo não deu guarida” está sendo desenvolvido pelo carnavalesco Leandro Vieira que está de volta a Ramos. A ideia é passear por diversas facetas do personagem Lampião através da literatura de cordel. * OUÇA AQUI O SAMBA-ENREDO CAMPEÃO

Parceria campeã na Imperatriz para o Carnaval 2023. Fotos: Nelson Malfacini/Site CARNAVALESCO

“Eu estava confiante. Desde o começo a gente fez um samba com muito carinho. Então sempre estive confiante na vitória. Acho que o diferencial do nosso samba é aquela cabeça diferente, ao invés de entrar no enredo direto, a gente fez uma coisa diferente. Dizendo que a Imperatriz vai mostrar para vocês, uma história de assombrar. Depois a gente entra no enredo. Uma coisa diferente. Cada ano que a gente concorre é um sentimento diferente. Então ganhar mais uma vez é um sentimento diferente”, disse o compositor Me Leva.

“É maravilhoso, eu só tenho que agradecer a Deus, a nossa parceria maravilhosa. Foi um trabalho muito árduo, mas com muito esforço a gente conseguiu fazer um samba gostoso, um samba leve, que é para tentar colocar a Imperatriz Leopoldinense lá no alto, que é o lugar dela. É minha primeira vitória, a gente perdeu ano passado para o samba do Gabriel que era um excelente samba, mas agora chegou a nossa vez, a gente não desistiu e o reconhecimento veio. A gente sabia do potencial do nosso samba, o quão importante era fazer um samba pra cima sendo a quarta a escola a desfilar, vindo antes de uma Beija-Flor de Nilópolis. Colocamos um samba leve para fazer a Imperatriz triunfar”, afirmou o compositor Renne Barbosa.

Compositor Me Leva vence samba na Imperatriz

“É o segundo ano que eu participo, ano passado eu bati na trave. É uma coisa que eu nem sei explicar, só sei agradecer, estamos todos muito felizes com essa vitória, foi fruto de muita entrega. A união da parceria fez a diferença, nós perdemos ano passado, mas estudamos, viemos pra quadra, não desistimos e agora vencemos. Somos Imperatriz Leopoldinense, agora é só comemorar”, celebrou o compositor Luiz Brinquinho.

Em entrevista ao CARNAVALESCO, a presidente Cátia Drumond, antes da escolha do samba campeão, fez questão de elogiar a safra da Verde e Branca de Ramos.

“Eu estou muito satisfeita com a safra. Acho que se não foi a melhor, foi uma das melhores safras para o carnaval de 2023. Acho que chegou na final três candidatos que podem levar a Imperatriz a um desfile de 2023, para a gente fazer um grande desfile. O que eu espero é que possamos cantar o melhor para gente”.

Sobre o trabalho que vem sendo desenvolvido, a presidente mostrou confiança nas escolhas que a Imperatriz vem fazendo.

“A gente começou a trabalhar o ano passado e trouxemos a contratação do Leandro, a escola vem leve, vem bonita, e a escola vem ‘porreta para ganhar esse carnaval. A gente tentou lançar o Thiago, e depois a gente quis realmente trazer um profissional que tivesse uma coisa experiência grande de Avenida. E o Marcelo Misailidis encaixou no quebra-cabeça perfeitamente. E o samba campeão tem muita energia, pois nós vamos precisar mesmo”.

Diretor executivo da Imperatriz, João Drumond falou do trabalho da Imperatriz no planejamento para o desfile do ano que vem e do retorno do carnavalesco Leandro Vieira.

“As 12 escolas do Grupo Especial entram e trabalham no pré-carnaval, única e exclusivamente pra ganhar o Carnaval, não pode ser diferente. Claro que a Imperatriz e todas as outras entram pra ganhar, querem o título. As escolas buscam se reforçar na medida do possível pra que isso se torne cada vez mais viável, cada vez mais o sonho real. Acho que a vinda do Leandro (Vieira) nada mais é que uma tentativa de reencontrar um carnaval feliz, alegre, divertido, que nos deu nosso último título, em 2020. É isso, eu acho que é um reencontro de um possível casamento perfeito que talvez nos leve para frente, se tudo der certo, ao título. A gente mudou algumas coisas, principalmente, na relação ao quadro de segmentos da escola. É claro que a gente sempre tem que levar em consideração o julgamento e a justificativas principalmente dos jurados pra encontrar os erros, trabalhar em cima disso pra que não se repita no próximo carnaval e que fique mais difícil, cada vez mais difícil de cometer erros. As mudanças já são perceptíveis, o carnavalesco novo, comissão de frente nova, o casal com novo integrante, nosso carro de som tem um novo cantor a frente, a gente remodelou a equipe e agora vai trabalhar em cima da justificativa”.

O dirigente explicou o que foi feito no novo barracão que a verde e branco ocupa agora na Cidade do Samba.

“Essa pergunta do barracão ela está muito de encontro com as anteriores, porque não é só a vinda do Leandro Viera, ou outras mudanças que vão levar a Imperatriz ao título, ou ao resultado que quer seja. É um conjunto de ações como, por exemplo, a mudança do barracão, que veio por razões estruturais e vai nos levar a um resultado melhor. Nosso barracão hoje ele tem o andar térreo, da garagem, bem mais ampla do que o anterior, ele permite a confecção de alegorias maiores do que o anterior devido a facilidade de manobra que não tinha no último barracão e a gente é claro montou uma estrutura de trabalho no quarto andar toda voltada pra produção de carnaval. Hoje a gente tem uma sala de ensaios para a comissão de frente. Hoje a gente tem a segmentação do nosso quarto andar, que é o andar que produz de fato o carnaval por setores de uma maneira muito organizada, facilita o trabalho, o empenho das pessoas que ali estão desempenhando essas funções. A Imperatriz hoje proporciona as pessoas que trabalham no barracão todas as condições necessárias para fazer o carnaval campeão. Agora, se vai ser campeão ou não, aí, só quarta-feira de cinzas”.

Após o título da Série Ouro com a Imperatriz em 2020, Leandro Vieira volta para escola e agora no Grupo Especial. A missão é buscar outro título, mas na elite do carnaval carioca.

“Essa volta é motivo de alegria, estar aqui na escola agora no Grupo Especial é muito legal, poder desfrutar dessa noite de festa. A Imperatriz está trabalhando, demonstrando que quer algo a mais, que quer muito ganhar e quer muito construir um carnaval de alto nível. Sobre esse enredo são tantas coisas que eu quero fazer, eu continuo sendo um apaixonado pela cultura brasileira, um cara que enxerga na cultura brasileira a cura e o antídoto de todos os males do Brasil”.

Estreando na Imperatriz, na função de diretor de carnaval, Mauro Amorim, falou da responsabilidade e contou novidades da escola, que ocupa um novo barracão na Cidade do Samba.

“É uma oportunidade única na minha vida. A Imperatriz é imensa e eu estou muito feliz em poder contribuir com essa equipe maravilhosa. O que posso prometer é um trabalho muito bonito. Leandro (Vieira) é um cara sensacional, um profissional renomado. Também é um carnaval grandioso e vamos trabalhar demais para fazer esse povo feliz. O outro barracão tinha uma limitação de espaço para saída das alegorias. Tem um outro barracão que é da Unidos do Viradouro que impede a alegoria ser muito grade. Agora, nesse a gente ganhou um portão a mais e uma saída melhor para os carros. Sem spoilers, porém o calendário de ensaio está pronto, todo o cronograma montado e vamos trabalhar. Já temos uma ideia de quando será nosso ensaio técnico e estamos trabalhando para chegar muito forte nesse dia. Poder voltar a Sapucaí é maravilhoso”, disse.

Em 2023, Phelipe Lemos e Rafaela Theodoro voltam a dançar juntos como primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Imperatriz Leopoldinense. Os dois falaram da parceria, da expectativa pela fantasia criada pelo carnavalesco Leandro Vieira e dos ensaios.

“Eu fico muito feliz, porque é uma parceria de irmandade. Foi onde tudo começou e ter esse retorno novamente na quadra da Imperatriz, em que demos os primeiros passos. É uma emoção muito grande, e felicidade em estar de volta com essa união e agora bem mais maduros. As expectativas são as melhores. A Imperatriz vem realizando um grande trabalho, a diretoria, a presidência está a todo vapor. Executando um trabalho lindo, dando suporte para os profissionais. Tenho certeza que vocês podem esperar uma escola muito alegre, vibrando e lutando pelo campeonato. Ainda não posso contar o que a fantasia representa, senão, o carnavalesco me mata. A fantasia está maravilhosa, o Leandro arrasou e nos emocionou quando vimos pela primeira vez. Podem esperar que ela é bem linda e tradicional. Com o samba escolhido, vamos começar a estudar. Mas a gente quer trazer um pouco de inovação, mas não esquecendo da dança tradicional”, afirmou a porta-bandeira.

“É poder voltar as minhas origens. Reviver o tempo feliz que eu vivi na Imperatriz e ao lado da Rafaela. Hoje estamos mais maduros, é uma sensação de alívio, principalmente, poder estar de volta com quem eu gostaria de estar dançando. A gente sempre tem que estar buscando melhorar e inovar. Depois que escolhermos o samba, vamos ver certinho. Já faz tempo que o carnaval vem sendo visto com profissionalismo e estamos buscando nas atividades e nos ensaios. Após a escolha de samba, nós vamos poder amadurecer algumas coisas, mas principalmente levar o carnaval mais profissional possível para poder conquistar o título para Imperatriz. O Leandro é um gênio. Ele tem um jeito único de surpreender o carnaval e inovar com coisas simples. Eu estou bem contente com a minha fantasia. Tenho certeza que o Leozinho (responsável por fazer a fantasia) vai tirar de letra a ideia do Leandro. Espero que a gente possa representar muito bem a Imperatriz com essa fantasia”, completou o mestre-sala.

O intérprete Pitty de Menezes, que fará sua estreia no Grupo Especial em 2023 falou um pouco do que na sua opinião, a Imperatriz deve buscar em seu carnaval, além de contar um pouco sobre como está se sentindo em relação à preparação para o carnaval, em especial os últimos dias que antecederam a escolha de samba.

“Eu acho que tem que ter técnica e emoção, um pouquinho dos dois. É uma escola que sempre foi muito técnica, mas se a gente unir a emoção junto com técnica, acho que vai dar um caldo, vai dar uma receita, uma solução, porque a Imperattiz precisa. A Imperatriz precisa muito buscar esse campeonato. Eu estou muito nervoso, estou ansioso, não dormi direito, confesso. Acho que o samba é 50 por cento do desfile, quando o samba é bom, o desfile acontece. Eu creio que a Imperatriz, a gente tem três sambas bons, eu acho que a gente sai um pouco na frente com a qualidade dos sambas. A gente teve uma safra maravilhosa, estou muito feliz de verdade, pois tenho total consciência de que qualquer samba que ganhasse ajudaria a gente a fazer um grande desfile. Alegria, emoção, melodias muito bonitas , passagens melodicas que passam emoção e melodias que também trazem alegria. A gente precisa disso, pois vamos vir antes de uma Beija-Flor, depois de uma Vila Isabel. Com todo respeito as co-irmãs, mas a gente tem que botar para quebrar, para não deixar nenhuma dúvida no meio delas”.

Show Imperatriz

Preto Jóia, eterno intérprete da escola, foi homenageado pela Presidente Kátia Drummond com a faixa de “joia da coroa” por tudo que fez pela escola durante tantos anos, ele agradeceu e fez questão de cantar o samba de 1989. Depois, a bateria “Swing da Leopoldina” começou o seu esquenta enquanto no palco, os passistas se apresentaram.

O show denominado “Estação Leopoldinense” passeou por vários momentos importantes da história da verde e branca de Ramos, os carnavais campeões e emblemáticos foram cantados com maestria por Pitty de Menezes e seu carro de som.

Antes das apresentações dos sambas finalistas, houve uma apresentação de algumas agremiações que já definiram seus sambas para o próximo carnaval, Portela, Salgueiro, Tuiuti e Império Serrano cantaram suas obras na quadra.

Análise das apresentações das parcerias na final

Parceria Jefferson: o primeiro samba a se apresentar teve Nêgo e Nino do Milênio no comando do carro de som, a torcida estava em grande número, com bandeiras nas cores da escola e balões em formato de coroa. A parceria levou uma sanfona e a bateria fez algumas bossas lembrando ritmos nordestinos. O canto foi satisfatório, com destaque para os refrões.

Parceria Dudu Nobre: o segundo samba a se apresentar teve o intérprete Tinga no comando do carro de som, assim como o primeiro, a parceria com um bom número de torcedores e todos eles tinham balões e bandeiras, o canto se mostrou constante durante toda a apresentação, com destaque para o refrão principal, “se a Imperatriz contou eu não posso duvidar” caiu no gosto dos presentes na quadra.

Parceria Me leva: o último samba da noite teve Igor Vianna e Igor Sorriso no comando do carro de som, antes do início a torcida já estava cantando o samba a capela, mostrando a força do mesmo. Foi possível notar um canto muito forte do início ao fim da apresentação, sem dúvidas o mais aguerrido da noite. Por toda a quadra os componentes cantavam com muita empolgação e sacudiram as bandeiras e bexigas. Vários segmentos da escola também se renderam ao samba e cantaram durante toda a apresentação. Uma verdadeira catarse do início ao fim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui