A Beija-Flor de Nilópolis realizou, na noite dessa quinta-feira e madrugada de sexta, mais uma etapa da disputa para escolher o hino oficial da agremiação no Carnaval do ano que vem. Como parte da série “Eliminatórias”, a reportagem do site CARNAVALESCO esteve presente e acompanhou mais uma fase da competição. Ao todo, sete obras se apresentaram e cada uma teve direito a sete passadas, sendo uma sem bateria e seis acompanhadas dos ritmistas da “Soberana”. Por fim, os sambas das parcerias de Serginho Sumaré e Nurynho Almawi foram cotados. Os demais seguem para a semifinal do concurso promovido pela Deusa da Passarela que ocorrerá na próxima quinta-feira, dia 28 de setembro.

Foto: Eduardo Hollanda/Divulgação Beija-Flor

Em 2024, a Beija-Flor terá como enredo “Um delírio de Carnaval na Maceió de Rás Gonguila”, assinado pelo carnavalesco João Vitor Araújo. Na ocasião, a Deusa da Passarela será a segunda agremiação a passar pelo Sambódromo da Marquês de Sapucaí no domingo, dia 11 de fevereiro, pelo Grupo Especial. Esta será a primeira vez que a azul e branca desfilará nesta posição.

Parceria de Sidney de Pilares: A primeira obra a se apresentar na eliminatória da azul e branca de Nilópolis foi a de Sidney de Pilares, Jorginho Moreira, Orlando Ambrosio, Lico Monteiro, Cláudio Gladiador e Ailson Picanço, com as participações especiais de Myngauzinho, Gigi da Estiva e Richard Valença. O intérprete Zé Paulo Sierra, voz oficial da Mocidade Independente de Padre Miguel, teve a missão de defender o samba na quadra e deu um verdadeiro show. O cantor soube conduzir a obra melodiosa de uma forma “pra frente”, sem que ela perdesse as suas características. O refrão principal, com os versos “Ô ô ô ô ô quero ouvir tambor/Canta Beija-Flor!/ Alma de guerreira/ Vem ‘beijando’ o mar/ Firma o batuque pra ela passar…”, foi um dos grandes destaques, sendo berrado pelos torcedores. Outro trecho que sobressaiu foi o “Ê pajuçara! Ê pajuçara!/ Traz a cachaça para o Zé no catimbó/ Ê pajuçara! Ê pajuçara!/ É Carnaval nas ruas de Maceió”, presente na segunda estrofe, entoado com bastante força. Falando na torcida, o grupo fez bonito na quadra. Com bandeiras e bandeirões nas cores da escola, eles cantaram, pularam e fizeram coreografias ao longo da apresentação. No meio da galera, havia representações de Rás Gonguila e de Xangô. Já no palco, um efeito com fogos de artifício foi utilizado pela parceria.

Parceria de Junior PQD: O samba de autoria de Junior PQD, Rodrigo Tinta, Márcio França, Nando Souza, Robinho Donozo e JC Saraiva, com as participações especiais de Thiago Sodório, André Araújo e Cleissinho Teixeira, foi o terceiro a se apresentar nessa eliminatória nilopolitana. Membro do carro de som da Deusa da Passarela, o cantor Ronaldo Junior é quem defendeu a obra na quadra e se mostrou seguro na missão. No geral, o samba teve um bom rendimento, especialmente nos refrões. Entre os dois, o de maior destaque foi o refrão principal, com os versos “Nilópolis em festa, hoje é Carnaval/ Bate no peito é Beija Flor na Avenida/ Você vai viajar, então vai delirar/ Na Maceió de Rás Gonguila”. Ornamentados com bandeiras, bandeirões e bexigas, os torcedores vibraram e sambaram o tempo inteiro. Eles também comprovaram estar com o samba na ponta da língua, cantando com mais força justamente nos refrões. A parceria trouxe ainda uma performance na qual era encenado o encontro de Pinah com o príncipe Charles, com direito a soldados da guarda real britânica os acompanhando. Também foram utilizados alguns efeitos especiais no palco, como fogos de artifício e fumaça. Apesar do espetáculo promovido na quadra, a recepção do restante das pessoas presentes no local foi apenas tímida. Mesmo assim, ainda foi possível ver figuras importantes da escola, como a ex-rainha de bateria, Sônia Capeta, entoando a obra ao decorrer da apresentação.

Parceria de Léo do Piso: Na sequência, a quarta obra a se apresentar na eliminatória da azul e branca foi a assinada por Léo do Piso, Diego Oliveira, Diogo Rosa, Julio Assis, Manolo e Wilson Tatá. O intérprete Tinga, voz oficial da Unidos de Vila Isabel, liderou um time estrelado de cantores, que contou com nomes como Pitty de Menezes e Tem Tem Jr.. Juntos, eles comandaram com extrema excelência o samba, promovendo um sacode na quadra. A obra, como um todo, teve um grande rendimento. No entanto, mesmo sendo difícil destacar um trecho em específico, é válido mencionar o refrão principal, com os versos “Meu Beija-Flor é casa de ogunhê oô/ É onirê ôô, ogunhê ô/ Vem coroar entre jangadas e canoas/ O rei de Maceió nas Alagoas”, e a subida para ele, “Quem nasceu pra vencer não escolhe a missão/Tem na veia a coragem e axé no coração”, como dois momentos de brilho. Assim como nas semanas anteriores, a parceria realizou um grande show na quadra. Diversos efeitos foram utilizados ao longo da apresentação, como fogos de artifício, disparos de fumaça até máquinas que soltavam bolinhas de sabão. Além disso, a torcida veio com todo o tipo de ornamentação, de fitas coloridas e balões a placas e estandartes. Empolgados, eles sambaram, pularam e principalmente cantaram durante todo o tempo. Foi possível observar também membros de segmentos, como baianas, entoado a obra.

Parceria de Kirraizinho: O samba composto por Kirraizinho, Lucas Gringo, Wilsinho Paz, Venir Vieira, Marquinhos Beija-Flor e Dr. Rogério, com as participações especiais de Chacal do Sax, Ramon Quintanilha e Naldinho, foi o sexto a se apresentar nessa eliminatória da Beija-Flor de Nilópolis. Contando com nomes como Igor Vianna, Charles Silva e Igor Pitta, o time de cantores foi liderado por Emerson Dias, voz oficial do Acadêmicos do Salgueiro, que fez uma baita performance no palco. Confortável, ele brincou, dançou e animou a torcida ao longo de toda a apresentação, sendo peça fundamental no ótimo funcionamento da obra. O ponto alto ocorreu no refrão principal, com os versos “Aqui é Beija-flor doa a quem doer/ Do gênio sonhador a gana de vencer/ Tá no meu peito, tá no meu grito/ Escola de respeito que coroa Benedito”, berrando pelos torcedores. O refrão do meio, “Tem mironga, festa da ralé/ Malandragem, frevo arrasta-pé/ A magia que avoa, o rosário no andor/ A cantiga que ecoa no axé do meu tambor”, também se sobressaiu, sendo entoado com bastante força. Quanto à torcida, ela foi uma atração à parte. O grupo veio com bandeirões da escola e bandeiras com o número da parceria, assim como bexigas, bastões de fitas e sombrinhas de frevo. Havia uma banda no meio da galera, assim com um bumba meu boi decorado com luz neon, além de efeitos de fogo de artifício no palco. Em relação ao restante da quadra, o samba teve uma recepção positiva, tendo sido cantado por segmentos como a harmonia e as baianas.

Parceria de Junior Trindade: O sétimo e último samba a se apresentar na eliminatória nilopolitana foi o de autoria de Junior Trindade, Rômulo Presidente, Gilberto Oliveira , Samir Trindade, Robinho e Thiago Portela, com as participações especiais de Andrezinho Ceciliano e Ribeirinho. Os intérpretes Wander Pires e Marquinhos Art’Samba dividiram o comando do microfone principal, tendo ainda o reforço do também intérprete Tiganá no time de apoio. A dupla soube conduzir com mestria o samba melodioso, sem deixar que ele ficasse arrastado ou que fosse acelerado demais. O refrão principal, com os versos “’Já nasceu um novo rei’/A Beija-Flor vem coroar, obá obá/E me fiz velho João/Pra lembrar que a maior, é Ela”, e o trecho “Não é delírio algum/A minha escola campeã de novo”, foram os grandes destaques da obra na apresentação, ambos entoados a plenos pulmões. Em relação a torcida, o grupo compareceu em peso e mostrou sua força. Foi notório o canto aguerrido e empolgado. Quanto às ornamentações, eles vieram paramentados com bexigas coloridas e bandeirões nas cores da escola. A obra também teve boa receptividade no restante da quadra, sendo cantada por integrantes de segmentos importantes como as baianas.