A Beija-Flor de Nilópolis recebeu em sua quadra, na noite dessa quinta-feira, representantes das direções de Carnaval e de harmonia das doze agremiações que compõem o Grupo Especial do Rio. Os profissionais foram homenageados e participaram de uma confraternização durante o evento de eliminatória do concurso de sambas-enredo da azul e branca de Nilópolis. A iniciativa partiu do presidente da agremiação, Almir Reis, e teve como principal intuito promover a integração entre os nomes que atuam nesses segmentos.

Fotos: Diogo Sampaio/CARNAVALESCO

“A ideia do encontro foi do presidente Almir Reis e surgiu em um bate-papo com a direção de harmonia e de Carnaval da escola. Ele fala muito de valorizar as pessoas que trabalham no barracão, quem realmente faz o Carnaval acontecer, afinal é uma arte que leva o ano inteiro para ficar pronta. São muitas horas diariamente, sem qualquer descanso, dedicadas a isso e o presidente Almir admira para caramba esse trabalho. Então, ele propôs essa confraternização, essa integração, e achei sensacional. Não tem festa de diretor de Carnaval, por exemplo. Antigamente, até tinha festa de harmonia, mas hoje em dia pouco se vê. Já festa de baiana, passista, bateria, velha guarda, tem bem mais. Enfim, a partir dessa ideia, a gente bolou a data, entregamos os convites, fiz questão de ligar para casa de vários diretores de Carnaval e a grande maioria abraçou essa iniciativa”, contou o diretor de Carnaval da Beija-Flor, Dudu Azevedo, em entrevista concedida a reportagem do site CARNAVALESCO.

Dudu Azevedo também destacou a importância da união entre os diretores e elencou alguns exemplos de ações já existentes neste sentido. “É um laço que começa muito pelo Elmo, que faz a gestão de Carnaval da Liesa reunindo todo mundo, confraternizando, trazendo para uma disputa que só é na Avenida. Até lá, todos se ajudam e estamos sempre conversando. Um exemplo disso é que o Júnior Escafura e eu costumamos fazer uma festa de final de ano com essa galera. Além disso, no meio do ano, a gente faz sempre uma resenha do sambista. Agora, a Beija-Flor também está fazendo esse encontro, dentro da quadra, proporcionando um momento onde todo mundo pode ficar livre, batendo papo, curtindo um samba”, pontuou.

Os diretores de harmonia da Beija-Flor, Simone Sant’Ana e Válber Frutuoso, também falaram com a reportagem do site CARNAVALESCO sobre a iniciativa. Ambos elogiaram o encontro promovido na quadra da escola e ressaltaram que a competitividade fica restrita ao desfile oficial.

“É um momento muito importante de integração com o mundo do samba. A nossa disputa, a competição entre as escolas, é só na Marquês de Sapucaí, durante os desfile. Nós somos uma família, somos realmente uma comunidade. Então, esse tipo de reunião, de confraternização, faz passar para as pessoas que existe uma união. Além disso, a gente acaba nesses encontros até mesmo pegando uma opinião de cada diretor de harmonia, de cada diretor de Carnaval, para dentro das nossas escolas. Trocamos informações, conhecimentos, aprendemos uns com os outros. Por isso, acho que é algo extremamente importante para todos nós que amamos o espetáculo”, afirmou Simone Sant’Ana.

“A gente tem procurado fazer esse tipo de integração. Inclusive, temos usado essa metodologia nos nossos ensaios de rua, em que convidamos outras escolas para ensaiarem conosco. Portanto, acho iniciativas assim muito importante, porque a gente vive um novo contexto do Carnaval. A disputa é na Avenida. Na verdade, hoje, o grupo de diretores de Carnaval, de diretores de harmonia, é muito unido, são todos amigos. Isso é muito bacana, porque fortalece o segmento. Não é choramingando ou coisa do tipo, mas a direção de Carnaval e a direção de harmonia, muita das vezes, só é reconhecida lá na Avenida, enquanto você tem um ano todo de trabalho. São vários estresses, várias alegrias, vários momentos difíceis, você faz todo um trabalho e, às vezes, em um detalhe perde o Carnaval. Para piorar, boa parte dos casos, a responsabilidade dessa perda é jogada na direção de Carnaval e na direção de harmonia. Então, entendo que é um grupo que precisa estar muito irmanado, estar muito junto e essa é a ideia da nossa iniciativa. São irmãos, parceiros, amigos. Nós queremos o sucesso deles, a disputa é a disputa. No Carnaval, quanto melhor for o desfile de cada escola, o todo da festa ficará ainda mais fortalecido. Uma vai ganhar e a amizade vai ser sempre o tom da coisa”, declarou Válber Frutuoso.

O diretor de Carnaval da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), Elmo José dos Santos, foi uma das figuras ilustres presentes no encontro. No bate-papo com a reportagem do site CARNAVALESCO, o dirigente exaltou a iniciativa da Beija-Flor e se disse contente com ela.

“Estou emocionado, porque na verdade esses diretores aqui são os que defendem o quilombo do samba, que hoje está em festa. É dia de celebração. Que bom é a gente estar aqui para fazer uma resenha e confraternizar. Estamos juntos o ano inteiro, mas poder viver um momento com esse, na quadra da Beija-Flor, é uma felicidade. Eu vim de bateria, sou nascido e criado no morro de Mangueira, tempo de parteira, e sempre valorizei o sambista. Então, qualquer iniciativa do tipo, vou sempre apoiar e abraçar”, assegurou Elmo dos Santos.

O diretor de Carnaval Dudu Falcão, que desempenha a função na Unidos do Viradouro no Grupo Especial e na União da Ilha do Governador na Série Ouro, foi um dos vários profissionais presentes na quadra da Beija-Flor. Ele afirmou ter ficado honrado com o convite e celebrou a oportunidade de ter essa troca com outros colegas.

“É sempre importante a gente viver, não só na palavra, a expressão coirmã. Esse tipo de convite agrega na amizade, na troca de experiência e, principalmente, no prazer de visitar uma quadra sem ter que trabalhar, só se divertir, conversar e rever os amigos. É nessa hora que a gente bate papo, descobre o que o outro está fazendo e sempre tem alguma coisa pra acrescentar, para absorver. Então, essa é a ideia: se divertir, mas fazendo um networking, ampliando nosso conhecimento”, ponderou Dudu Falcão.