A Portela fez na noite desta sexta-feira e que acabou por volta das 5h30 deste sábado a final de samba-enredo mais importante da história quase centenária. A parceria de Wanderley Monteiro, Vinicius Ferreira, Rafael Gigante, Edmar Jr, Bira e Marcelāo foi a grande campeã. A azul e branca de Oswaldo Cruz e Madureira falará do seu centenário, através do enredo “O azul que vem do infinito”, do casal de carnavalescos Márcia e Renato Lage. Ao CARNAVALESCO, Tia Surica falou do resultado. “O samba campeão foi o melhor para a escola. Tenho certeza que será um desfile emocionante”. * OUÇA AQUI O SAMBA-ENREDO CAMPEÃO

Parceria campeã na Portela para 2023. Fotos: Allan Duffes/site CARNAVALESCO

Com o resultado, Wanderley Monteiro chega ao topo dos compositores mais vencedores da Portela. Ele igualou Noca e David Corrêa, que também venceram sete vezes na escola de Oswaldo Cruz e Madureira. “Primeiro, igualar a Noca e a David é uma alegria muito grande, mas a gente tem que saber que eu igualei apenas o número de vitórias. O legado que o Noca está deixando e que o David deixou é muito maior. Fico muito feliz, ainda ter igualado em alguma coisa com eles. Alegria é muito grande, é como se fosse ganhar a primeira vez, isso é mais importante. Talvez, pelo centenário, pela disputa disputadíssima que nós tivemos aqui, foi uma disputa bonita, a Portela ganhou muito com isso. Os sambas muito qualificados, ganhamos contra compositores maravilhosos, isso me deixa mais feliz, porque foi disputa uma muito apertada, como eu já falei, a gente chegou a final e conseguiu levar junto com meus companheiros, a parceria tá de parabéns mesmo. Foi fundamental a comunidade abraçar o samba. Cantamos os carnavais emblemáticos que a Portela fez durante esses cem anos, falamos dos personagens da Portela, isso mexe com o coração portelense”, disse Wanderley Monteiro.

“A gente tem que agradecer mais uma vez pela Portela ter acreditado na nossa parceria, por ter chegado até aqui e disputar com grandes nomes: Noca, Diogo Nogueira, Mariene de Castro, Mauro Diniz. São muitos gigantes aqui dentro e aqui a gente tem que respeitar a casa. Estou muito feliz de mais uma ter colocado o hino da escola junto com a minha parceria pra desfilar na avenida, a gente vai tentar emocionar cada um componente, como a gente já se emocionou para chegar aqui. Esse é meu terceiro título. A Portela é uma grande família”, afirmou o compositor Edmar Jr.

Apresentação da parceria campeã na Portela

“É um sonho que se realizou, afinal, um título assim é o máximo na vida de um compositor. Quando comecei a compor, recebi o convite aqui na Portela e a gente não sonhava em ter um samba no centenário. Fazíamos porque gostávamos e tudo aconteceu. É uma escola que ensina não só a música, mas também, valores. Fizemos o melhor que a gente podia. Revisamos a letra e quando chegamos com o samba pela primeira vez, sentimos a energia do público. Essa é a minha terceira vitória e sem dúvida é uma das maiores emoções da minha vida. Já chorei, sorri e estou sem voz”, comemorou Rafael Gigante.

Bianca Monteiro, rainha de bateria da Portela

“Acredito que fecha um arco narrativo da minha história de vida muito bonito. Vir a ser campeão de um samba desse no ano do centenário é uma coisa que eu nunca imaginei, era um sonho muito longe de acontecer. Estou ainda esperando cair a ficha, porque sou só felicidade, choro, riso. Eu sou compositor da Portela com muito orgulho. A escola me recebeu de braços abertos, viu meus acertos, viu meus erros e estou sendo coroado. Sigo em êxtase com minha terceira vitória: 2015, 2022 e 2023”, explicou o compositor Vinicius Ferreira.

O presidente Fábio Pavão atendeu o CARNAVALESCO e contou que o samba-enredo e o técnico portelense vão estar baseados na técnica e na emoção, sem conflito entre ambos.

“Temos a emoção como a marca desse enredo. O samba emociona todos os componentes, torcedores e segmentos e que permita um grande carnaval em 2023. Foi uma escolha 100% na mão dos segmentos. Esperamos um desfile com samba, alegorias e fantasias que despertem uma memória afetiva do portelense e a saudade daqueles que passaram, aliados com uma boa evolução, harmonia. Podemos ter técnica e emoção, não há conflito”.

Presidente Fábio Pavão

Perguntado sobre pressão para vencer no ano do centenário, Pavão diz que existe. Ele também falou do planejamento da escola até o dia do desfile.

“Não tenha dúvida (ter pressão pelo título) que sim, mais do que nunca. O portelense quer ser campeão e tudo o que estamos fazendo no centenário tem essa responsabilidade a mais. Estamos lidando com isso e seguindo cada etapa de uma vez, degrau por degrau. Queremos nos superar esse ano e entregar um altíssimo nível de alegorias, fantasias, evolução e todos os outros quesitos para proporcionar um carnaval histórico para a Portela. Desfilaremos com cerca de 2800 componentes. Gostaria que fosse como no passado em que era possível sair com mais de 6 mil, porém, temos um tempo regulamentar de 70 minutos e é preciso usar a razão. Essa é uma das formas de se colocar em prática a técnica no controle da emoção. A expectativa é iniciar no começo de dezembro os ensaios de rua, parar no final do ano e seguir direto de janeiro até o carnaval”.

Responsável ao lado de Márcia Lage pela produção do desfile do centenário da Portela em 2023, Renato Lage falou ao CARNAVALESCO da responsabilidade e agradeceu a confiação da direção portelense.

Carnavalesco Renato Lage

“Eu tenho que agradecer a confiança da escola por acreditar que eu poderia fazer o carnaval que representa o centenário da Portela. Para mim, é um imenso prazer e uma honra enorme. A escola é a mãe de todas as outras e eu só tenho gratidão pela diretoria e segmentos por acreditaram no nosso trabalho. Tenho certeza que será um fechamento do meu currículo de forma gloriosa. A responsabilidade obviamente é a mesma todos os anos, mas não tem como negar que nesse próximo carnaval será especial e diferente. A Portela está acima de qualquer coisa, de Renato Lage. Ela é a matriarca e merece essa homenagem. Hoje temos que unir a emoção com a técnica, não tem outra forma. Eu não preciso fazer tanto porque a Portela já fala por si. É sobre a águia, o que eu posso dizer é que vai surpreender. É uma visão minha e que foi aceita pela escola”.

Vice-presidente, Junior Escafura comentou sobre o resultado da escolha do samba-enredo da Portela para 2023. “O que não podia faltar no samba, além do enredo é a emoção que o Portelense gosta. Os compositores vencedores foram felizes, o refrão principalmente que chama a escola pra cantar. Ganhou o samba do Wanderley Monteiro, porque foi o samba que a quadra escolheu, pois ele explodiu sendo cantado. Tinha. muitos sambas bons, mas ganhou aquele que os segmentos da escola escolheram”.

Junior Escafura, vice-presidente da Portela

O dirigente portelense citou a responsabilidade de estar na diretoria no ano do centenário. “Uma missão muito honrosa e difícil, mas ao mesmo tempo quando a gente faz por amor as coisas se tornam mais simples. Prometemos muito trabalho, empenho e um carnaval a altura da Portela”.

Premiados com o Estrela do Carnaval 2022, como melhor casal de mestre-sala e porta-bandeira do Grupo Especial, Marlon e Lucinha, comentaram sobre o ano e o que vem por aí até o dia do desfile.

Casal Marlon e Lucinha

“Tem sido um ano muito intenso de trabalho porque depois que eu machuquei o pé, venho de uma sequência de fisioterapia e já estou me preparando para voltar com tudo. Estou muito feliz com a fantasia que foi pensada, é do jeito que eu sonhei. Em relação à escolha do samba eu estou bem confiante, são obras lindas e que inspiram. Com base no samba escolhido é que nos inspiramos para entregar o melhor trabalho possível”, afirmou a porta-bandeira.

Marlon e Lucinha dançam na final de samba

“É engraçado pois já montamos uma base da coreografia que cabem nos três sambas finalistas. Queremos retornar para o próximo carnaval com a mesma essência e grandiosidade que foi o carnaval de 2022. Será com base numa coreografia clássica, uma fantasia clássica para encantar o júri novamente. Nosso objetivo é remeter aos carnavais antigos e queremos trazer isso para nossa roupa. Agora, com a definição do samba, vamos encaixar na coreografia, junto com os movimentos obrigatórios. Vamos lutar por um excelente resultado”, garantiu o mestre-sala.

Voz da Portela e com a missão de cantar o samba-enredo do centenário, o intérprete Gilsinho ressaltar a honra de estar no comando do microfone principal neste momento tão especial.

Intérprete Gilsinho

“É uma festa grande. São cem anos de escola, de muita história e vai ser uma honra muito grande estar podendo representar minha escola. Eu sou portelense, e poder cantar o samba da minha agremiação nesses cem anos de vitória que temos é muito gratificante. Alegria de ver todos os baluartes da azul e branco, os que estão vivos graças a Deus e os que não estão, vão abençoar a gente lá de cima. A técnica é surpresa, só vão saber na hora”.

Comandante da Tabajara do Samba, mestre Nilo Sério explicou a missão que terá no desfile centenário da Portela. “Responsabilidade é muito grande. Portela cem anos. Estou pensando já nas bossas que vou fazer. Irei fazer uma para a gravação e depois que voltar da França vou encaixar uma para o ensaio de quadra. São os cem anos da escola, eu não posso fazer muitas paradinhas. Porque tenho uma velha guarda que é assídua na agremiação e todos vem em cima de mim. A diretoria veio conversar comigo, o menos é mais. Vou respeitar a melodia e a cabeça do samba”.

Mestre Nilo Sérgio

Questionado sobre a segurança que o trabalho da bateria passa para escola, Nilo Sérgio falou: “São os ensaios, nós ensaiamos muito. A bateria da Portela tem seis anos que a gente se conhece. Trocamos algumas peças, mas sempre é o mesmo, no geral todos se conhecem. No olhar, vamos vendo o ritmo de cada um. Acredito que a união é chave principal para a excelência. Eu não esperava que isso fosse acontecer. Há dois anos estava pensando no centenário e hoje vou ser o mestre de bateria dos cem anos. É complicado, muita responsabilidade e uma emoção de estar no comando da bateria da escola. Fico emocionado, porque vou estar no centenário e espero estar também nos 150 anos da Portela, mesmo velhinho. Quero ajudar a majestade a conquistar a 23ª estrela”.

Portela faz show espetacular

Comandado pela diretora artística, Nilce Fran, a Portela fez um show de abertura da final repleto de beleza, e, sobretudo, de muita emoção. Até o momento, o melhor das finais realizadas. O espetáculo começou com apresentação Chacal do Sax tocando “Foi um Rio que passou em minha vida” e “Portela na Avenida”, a quadra inteira acompanhou em coro. Após, no telão, um trecho do vídeo de apresentação do enredo foi exibido e os grandes baluartes da escola surgiram no palco. Tia Surica subiu ao palco ao “lado” de Candeia e cantou uma música dele. Vilma Nascimento, o eterno cisne da passarela, entrou com um personagem representando Natal e depois dançou ao lado de Marlon Lamar e Jerônimo.

Ao logo do show vários sambas históricos da agremiação foram cantados por Gilsinho, vale destacar ainda o show da Tabajara do Samba, comandada pelo mestre Nilo Sérgio. Outro ponto de destaque da noite foi a rainha de bateria, Bianca Monteiro, em um primeiro momento ela se apresentou com uma pintura corporal que simulava uma águia, depois, ela se juntou aos ritmistas e esbanjou muito samba no pé.

Análise das apresentações das parcerias na final

Parceria de Noca: A parceria começou apresentação com muita força e manteve o ritmo durante todo o tempo, a torcida preencheu toda a quadra e todas as partes do sambas foram cantadas a plenos pulmões, porém, os refrões conseguiam superar esse canto. Além da torcida, foi possível observar que vários llsegmentos da agremiação cantavam o samba, o mesmo foi visto nos camarotes. A parceria contou com bandeiras e bexigas caíram do teto em determinado ponto da apresentação.

Parceria de Mariene de Castro: A segunda parceria da noite começou sua apresentação com uma força absurda, antes mesmo do início do carro de som começar a cantar, os torcedores já estavam cantando a capela. As primeiras passadas, sem bateria, mostraram a força do samba, a parte que diz “meu toque do tambor é trovoada, acima de manto não existe nada” levava a torcida ao êxtase. A torcida levou balões azuis em formato de corações e também outros coloridos, além de bandeiras nas cores da escola.

Parceria de Wanderley Monteiro: Assim como as duas parcerias anteriores, essa também começou com muita força, conduzido pela força do canto de Wander Pires, a parte “deixa a Portela passar” era cantada com muita garra pela torcida e também segmentos da escola, foi o momento em que a quadra mais vibrou, durante a apresentação apenas da torcida, sem a bateria e cantores, o volume não baixou, foi uma passagem muito forte. Os os torcedores levaram bandeiras nas cores da escola.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui