InícioIntendenteLeão de Nova Iguaçu desfila com canto forte, mas buraco no fim...

Leão de Nova Iguaçu desfila com canto forte, mas buraco no fim compromete apresentação

Com o enredo “A Festa de Preto”, dos carnavalescos Amauri Santos e Miro Teixeira, a agremiação da Baixada trouxe a musicalidade negra, através de tambores, maracatu, capoeira e viola, usando-a como forma de resistência à escravidão. A escola teve conjunto plástico que ajudou a contar a história. O canto forte dos componentes, da primeira à última ala, foi o destaque maior. Na frente do último carro, o leão, símbolo da agremiação, abriu-se um pequeno buraco na frente do último módulo de jurados.

Fotos: Divulgação/Superliga

Comissão de Frente

Os componentes representavam o mosaico cultural brasileiro, com fantasias que expressavam a diversidade cultural. Vieram acompanhados de um tripé, que mostrou os diversos gêneros musicais. Apresentaram várias danças e foram muito aplaudidos pelo público e jurados.

Mestre-sala e Porta-bandeira

O casal, formado por Jorge Vinícius e Amanda Rodrigues, representou a riqueza ancestral. Apresentou-se com bastante entrosamento e sincronia, em um bailado leve e suave, que arrancou aplausos do público e dos jurados.

Enredo

O enredo foi contado de forma bastante clara, nas fantasias e alegorias, com toda a diversidade da festa do preto, desde que eles foram trazidos como escravizados até os dias atuais. Qualquer um que não soubesse o enredo, veria a história que estava sendo apresentada.

Fantasias

Embora não fossem luxuosas, as fantasias eram bonitas e de bom acabamento, com fácil leitura. Cumpriram o papel de contar o enredo. Destaque para as fantasias dos componentes dos carros alegóricos, que iam do luxo à simplicidade e dentro da proposta do enredo.

Harmonia

Os componentes, em todas alas cantaram forte o samba, levantando o público nas arquibancadas, que cantou junto. O que ajudou muito na evolução e no desenvolvimento do samba-enredo.

Samba-enredo

O samba teve como compositores Roxinho, Menilson, André Freitas, Adilson Dr. Nilton e Gesualdi. Os refrões “Axé meu Leão, Axé herdeiro de Ciata, Voz que vem do gueto, traz a emoção nesse tambor, é festa de preto” e “Na fé do Rosário, o amor infinito, Viva São Benedito”, foram bastante cantados no desfile. O timbre forte do intérprete Tiganá ajudou a levar o samba para cima.

Evolução

A evolução foi um dos pontos mais fortes do desfile. Os componentes evoluíram com facilidade e garra, empolgando o público nas arquibancadas. Não houve uma única ala parada.

Outros destaques

A bateria, comandada pela diretora de bateria Laísa Lima, foi bem cadenciada, apresentando diversas bossas no desfile, todas dentro do enredo afro. As alegorias, bem bonitas e com bom acabamento também foram outro destaque.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...