O Salgueiro não conquista o título do Grupo Especial do Rio de Janeiro desde 2009. Naquele ano, o famoso samba do “Tambor” era questionado na disputa e no desfile passou muito bem e a Academia do Samba foi campeã. A coincidência com 2022, além da polêmica disputa, está no compositor vencedor. Moisés Santiago é autor da obra de 2009 e também de 2022. * OUÇA AQUI O SAMBA DO SALGUEIRO NA VERSÃO OFICIAL

Em entrevista ao site CARNAVALESCO, Moisés Santiago não escondeu a emoção de, mais uma vez, ser vencedor na disputa de samba-enredo salgueirense.

“Essa vitória é muito significante, vencer no Salgueiro é o sonho de ser campeão. Assim como o Salgueiro foi campeão em 2009 e o samba era de minha autoria, agora voltamos a vencer e eu estou muito emocionado, fica até difícil falar. Essa é a quarta vitória aqui, mas o gostinho é muito especial, é como se fosse a primeira, eu precisava disso”, disse o compositor Moisés Santiago.

Foto: Magaiver Fernandes/Site CARNAVALESCO

Na parceria vencedora de 2022 estão também os compositores Líbero, Serginho do Porto, Celino Dias, Aldir Senna, Orlando Ambrósio, Gilmar L Silva e Marquinho Bombeiro. Em 2023, o Salgueiro vai levar para a Sapucaí o enredo “Delírios de um paraíso vermelho”, desenvolvido pelo estreante na Academia, o carnavalesco Edson Pereira, que busca realizar uma valorização da liberdade de expressão mostrando que o paraíso cada um é que constrói o seu.

“Nossa parceria é todo mundo de samba há muitos e muitos anos, o Salgueiro está entre as quatro escolas que são a matriz do carnaval. Você ganhar numa escola que é a matriz é diferente, eu já venci em outras, mas aqui é outra energia. No Salgueiro é a primeira vez que escrevo e ganho, sou muito amigo do Serginho do Porto, do Moisés, já venci em outros lugares”, afirmou o compositor Aldir Senna.

“É uma alegria muito grande, foram muitos dias de concurso, de apreensão, chegar nesse momento é muito bom, é hora de externar toda essa emoção, é muita felicidade. Essa é minha primeira vitória no Salgueiro, eu sou oriundo da Unidos da Tijuca, já participei de quatro finais aqui e essa é a primeira vez que ganho, na Tijuca eu sou pentacampeão, mas essa vitória aqui é muito especial. Dizem que paixão é uma vez só, mas eu posso dizer que me apaixonei primeiro pela Tijuca e depois pelo Salgueiro, completou o compositor Gilmar L Silva.

“A vitória representa tudo. Depois de tantos anos, estou voltando a ganhar um samba no Salgueiro. A parte fundamental da letra para termos vencido foi o refrão: ‘Vermelha paixão salgueirense, que invade a alma, tá no sangue da gente’. Essa vitória é tudo pra mim”, garantiu o compositor e intéprete Serginho do Porto.