Após o Carnaval de 2023, a Mocidade Independente de Padre Miguel protagonizou momentos conturbados nos bastidores. Uma disputa na política interna da agremiação resultou em uma decisão judicial que não permitia a realização de eleição da nova diretoria e nem o anúncio do enredo. Por conta disso, a escola foi a última entre as doze que compõem o Grupo Especial do Rio a divulgar o tema que levará para o Sambódromo da Marquês de Sapucaí no ano que vem. Com isso, a verde e branca só tornou público a sua proposta para 2024 em 28 de junho, após a reversão de parte do impedimento pela Justiça. Em entrevista concedida com a reportagem do site CARNAVALESCO, o vice-presidente da Mocidade, Luiz Claudio Ribeiro, comentou o cenário delicado enfrentado pela estrela-guia e como estão sendo os trabalhos visando o próximo desfile.

Foto: Allan Duffes/CARNAVALESCO

“A gente se preocupa muito em fazer carnaval e dar a volta por cima. Nós, da direção, assumimos a responsabilidade pelo que aconteceu no último Carnaval e desde então a gente só tem feito trabalhar. Te confesso que da parte jurídica quem pode falar melhor é o nosso departamento jurídico. A gente da administração, eu e o presidente Flávio, só pensamos em produzir um belo espetáculo, porque o independente está cobrando isso e com razão. É o nosso papel como dirigente da escola. Hoje, aqui na quadra, fizemos uma festa linda, com excelentes sambas. O enredo para o ano que vem é irreverente e estou confiante que vai mudar a tendência do Carnaval. Costumo brincar que a primeira de segunda-feira é a sétima a desfilar e tenho certeza que a escola vai com garra total. O nosso intérprete Zé Paulo tem mostrado de fato muita qualidade, muito empenho no seu trabalho, a comunidade e a escola abraçaram ele. Não tenho dúvida que o trabalho de barracão, a comissão de Carnaval e o entrosamento da comunidade vai levar a Mocidade para as cabeças em 2024”, afirmou o vice-presidente da estrela-guia.