Na noite da última quinta-feira, quando o intérprete Tinga, da Vila Isabel, pegou o microfone e falou: ‘Como é bom voltar aos ensaios na 28 de setembro e encontrar o povo do samba’, sem dúvida, passou na memória dos componentes tudo o que viveram nos dois anos sem desfiles. O cantor pediu que a comunidade abraçasse o companheiro que estivesse ao lado e a emoção tomou conta do tradicional Boulevard. O canto afiado da comunidade, aliado com a potente bateria, a performance do casal de mestre-sala e porta-bandeira e o envolvimento coreógrafico da comissão de frente marcaram o treino.

“Ensaio muito bom, com melhoras significativas nos quesitos harmonia e evolução. Modéstia parte, temos um dos melhores sambas do carnaval, samba em que eu particularmente sempre acreditei. Se eu pudesse parar o som da avenida e deixar somente a comunidade cantar, eu pararia. Acredito muito no nosso samba, que com certeza vai contagiar a Sapucaí do começo ao fim, assim como já contagiou no ensaio. O entrosamento ainda está quase perfeito do carro de som com a bateria, mas estamos com tempo para corrigir esse detalhe para o Sambódromo. Vocês vão ver o rolo compressor que será a Vila Isabel. O que nós fizemos aqui, lá será com o triplo de empolgação, canto e emoção”, garantiu Marcelinho Emoção, diretor de harmonia, que comemorou a volta dos ensaios de rua.

“Representa uma nova vida, um novo amanhecer pro povo de Noel. Estávamos ansiosos por esse momento, esperando para vivermos tudo isso de novo e resgatar a essência do povo de Noel, conhecidos por sua garra e vontade de cantar, principalmente com enredo se tratando de Martinho da Vila”.

Comandante da “Swingueira de Noel”, mestre Macaco Branco citou que a volta dos ensaios de rua funciona como uma “terapia geral”. “O desfile das escolas de samba é um refúgio para todos os trabalhadores que pertencem à sua comunidade, que tem o seu stress diário. O povo estava doido para cantar o samba, que estava amarrado no peito”.

Ao site CARNAVALESCO, ele avaliou o desempenho da bateria no ensaio de rua. ““O andamento foi muito bom, a puxada da escola está de parabéns. Nosso diretor de carnaval Moisés Carvalho, nosso diretor de harmonia Marcelinho Emoção. A escola cantou pra caramba. Fiquei arrepiado quando a escola começou, todos respondendo e a bateria tocando com vontade, sangue nos olhos e muito vigor para colocar aquele swing e tempero da Vila Isabel. Graças a Deus deu tudo certo”.

Macaco Branco explicou qual é o segredo para o encaixe perfeito da bateria com o intérprete Tinga. “Amizade, carinho e respeito. A gente se conhece desde muito novo. Por mais que o Tinga seja um pouco mais velho do que eu, a gente vem do Herdeiros da Vila. Ele começou a desfilar em 89 e eu em 94. Somos crias da Vila Isabel, nós bebemos na fonte. Somos apaixonados e amamos o que fazemos. Então, não tem nada melhor do que um grupo de pessoas fazendo a mesma coisa por um único objetivo. Tanto a bateria, quanto o carro de som, somos uma grande família. Às vezes a gente discute, mas sempre em prol do melhor. A gente sabe que a perfeição não existe, mas cada vez mais estamos em busca dela”.

Com uma dança extremamente elegante e movimentos cravados, o casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marcinho e Cris Caldas, mostrou muito segurança. Ao site CARNAVALESCO, ele falaram do treino.

“A volta do ensaio de rua representa o carnaval estar perto de novo. A gente achou que estava perto, aí teve o adiamento. Agora voltando a gente consegue sentir esse gostinho do pré desfile que é super importante, apesar de estarmos ensaiando há muito tempo, ter esse gostinho de ensaio nesse esquema. Pois a gente ganha mais fôlego, mais condicionamento físico, é ótimo”, disse o mestre-sala.

“Eu estou super emocionada. A gente tava tendo ensaio aqui na quadra, mas gostamos de sentir o calor da galera. Acho que a gente vem numa energia melhor e sentir essa energia da 28 não tem igual”, completou a porta-bandeira, que ainda avaliou o treino. “A gente já está se organizando, se preparando. Não vemos a hora de sentir a energia de lá da avenida, porque é irreal e são dois anos sem sentir isso. A gente já tem ensaiado na Sapucaí, mas com tudo aceso e com o povo todo é diferente. E estamos sentindo muita falta disso”.

Craque da Vila Isabel o intérprete Tinga festejou a volta do ensaio de rua. O artista estava extasiado com o rendimento da azul e branco. “Ah, maravilhoso, aqui é o nosso chão, a nossa casa, 28 de setembro tem essa energia do povo do samba, do povo de Noel. A comunidade está muito feliz com a volta dos ensaios na rua, fizemos um grande ensaio, a comunidade feliz, cantando forte, se Deus quiser vamos partir com esse enredo aí do nosso grande mestre Martinho da Vila, a gente pretende dar esse presente pra eles (comunidade)”.

O cantor respondeu sobre o entrosamento com a bateria e o rendimento do samba-enredo de 2022. “Foi maravilhoso. O samba é lindo, alegre, forte, basta olhar pra comunidade, a escola está cantando forte, cantando bonito, é isso que importa. Um samba que conta a história do Martinho, da simplicidade dele, o importante é a escola estar feliz. A gente trabalha com humildade, sempre buscando se ajudar, conversamos muito (ele e Macaco Branco), toda hora estamos juntos conversando, almoçando, para estar sempre melhorando cada vez mais. A nossa vaidade é pela Vila Isabel, então, a gente trabalha forte em prol da escola”.

Por Alberto João, Ingrid Marins, Isabelly Luz, José Luiz Moreira e Luan Costa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui