A Unidos de Vila Isabel realizou seu último ensaio na Boulevard 28 de Setembro durante a noite desta quarta-feira. O clima geral era de celebração pelo trabalho desenvolvido por todos os integrantes da escola até aqui. Já no esquenta, o intérprete Tinga cantou sambas recentes importantes para a agremiação, inclusive os que embalaram os campeonatos de 2006 e 2013. O treino teve início por volta das 22h e, como de costume, já deixou claro a vontade da comunidade pelo tão sonhado quarto título na história. O cortejo foi marcado pela forte harmonia e evolução competente. A bateria de mestre Macaco Branco em conjunto ao time de cantores teve mais uma atuação cheia de energia e qualidade musical. Destaque também para a presença dos bailarinos e coreógrafos da comissão de frente e para a sempre encantadora apresentação do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marcinho e Cris Caldas.

Fotos: Rafael Soares/CARNAVALESCO

Pouco antes do ensaio, o presidente da Vila Isabel pediu a palavra e fez um discurso de agradecimento para sua comunidade: “Quero agradecer a cada um de vocês que se dedicaram incansavelmente, semana após semana, nos nossos ensaios. Que se dedicaram no canto, em vir aqui no dia de hoje, debaixo de chuva, debaixo de adversidades. Esse espírito é fundamental para o que a gente almeja alcançar na quarta-feira de cinzas que é o título. Agradecer a todos os departamentos, que são fundamentais para conseguir nosso objetivo. São preponderantes para a gente alcançar a nossa quarta estrela. Agradeço do fundo do meu coração”.

A Vila Isabel levará para a Marquês de Sapucaí a reedição do enredo “Gbalá – Viagem ao templo da criação”, de autoria do saudoso carnavalesco Oswaldo Jardim em 1993. Neste ano, o carnavalesco Paulo Barros será o responsável pelo trabalho. A branca e azul será a terceira agremiação a desfilar na segunda-feira de carnaval, dia 12 de fevereiro.

Comissão de frente

Os bailarinos comandados por Alex Neoral e Márcio Jahú realizaram passos bem tranquilos e pareceram ter escondido o jogo de sua apresentação. Eram 10 integrantes vestidos com roupas normais, camisas pretas e calças brancas. Foram feitos alguns movimentos de braços e pernas, além de giros, lembrando crianças. O que mais chamou a atenção foram os momentos em que os dançarinos se agrupavam e se moviam em sincronia, como se fossem apenas um elemento. Certamente, algo bem mais elaborado será apresentado no desfile oficial.

Mestre-sala e Porta-bandeira

Marcinho Siqueira e Cristiane Caldas, primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Vila Isabel, seguem brilhando em apresentações de muita beleza e encanto. A dupla mostrou uma dança bem tradicional e clássica, com poucos elementos coreográficos. Chamou muito a atenção a segurança com que a dupla executou seus movimentos. Eles combinaram muito bem leveza e energia para mostrar um número de alto nível. Também foi muito belo notar a expressividade do casal, sempre com bastante sorrisos, olhares, interações e conexões.

Samba-enredo

A Vila Isabel escolheu reeditar um clássico samba de sua grandiosa história. De autoria do gênio Martinho da Vila, “Gbalá – Viagem ao Templo da Criação” ainda é muito atual, possuindo alta qualidade de letra e melodia. O enredo é facilmente entendido através da obra musical. Novamente, o samba teve um ótimo rendimento no ensaio de rua, tanto no carro de som, comandado com perfeição pelo intérprete Tinga, quanto no forte canto dos componentes da escola. O desempenho da bateria do mestre Macaco Branco impulsiona ainda mais a obra musical.

Harmonia

A comunidade da Vila Isabel segue dando aula de harmonia. Praticamente todas as alas passaram cantando o samba com muita força, mostrando que está na ponta da língua. Isso acabou produzindo um uníssono, que deixou clara a grande conexão entre componentes e cantores. O ponto alto certamente foi o refrão principal “Gbala é resgatar, salvar/E a criança, esperança de Oxalá/Gbala, resgatar, salvar/A criança é a esperança de Oxalá”. Mas até os trechos mais graves do samba foram bastante entoados pela comunidade, deixando evidente que o trabalho de harmonia da escola está sendo executado com perfeição. A atuação de Tinga e seus cantores de apoio foi exemplar, mais uma vez. Muita potência e sustentação de canto, além de empolgação para energizar os desfilantes.

“Agradeço a Deus pela possibilidade de cantar esse grande samba do mestre Martinho. É sempre uma emoção muito grande. Já cantei ele por muito tempo nos eventos da escola, mas poder desfilar com ele é um sonho realizado. E toda a comunidade está unida, cantando forte, cantando bonito. Tenho certeza que vamos mostrar a força da nossa escola, com a nossa comunidade na avenida, primeiro no ensaio técnico, depois no desfile. Vamos para cima para buscar esse título”, disse o intérprete Tinga.

Evolução

Quesito que se mostrou muito bem defendido pela agremiação no ensaio. Apesar de certa escuridão em trechos da 28 de Setembro, isso não atrapalhou o cortejo, já que nenhum buraco se abriu entre as alas. Nenhum tipo de aceleração ou lentidão foi observado, pois o ritmo foi bem fluido. Muito propício para que os componentes desfilassem com bastante tranquilidade, se preocupando apenas em cantar e brincar. Todos eles mostraram animação e espontaneidade, ressaltadas pelos adereços de mão que algumas alas levaram. Além disso, nenhuma ala coreografada foi vista, o que faz uma escola ainda mais solta.

“Não medimos esforços para mostrar a todos do que a Vila Isabel é capaz. Nossa cabeça está voltada para ganhar o carnaval. Tenho certeza que toda a comunidade também. A gente está com a cabeça erguida e não está com medo de ninguém. Nosso espírito será sempre esse. Temos que entender que a Vila Isabel vai sempre brigar por campeonatos. É com esse espírito que vamos entrar no sábado, no ensaio técnico. E também na segunda-feira de carnaval. Se Deus quiser e tudo der certo, a gente vai alcançar nosso objetivo. Vamos com muita dedicação, com muita humildade, muito trabalho, muita garra e muito amor a esse pavilhão”, declarou o presidente Luiz Guimarães.

Outros destaques

Mais uma atuação de excelência da bateria do mestre Macaco Branco. Os ritmistas mostraram uma cadência muito apropriada para o rendimento do samba-enredo na voz dos cantores e dos componentes. Bossas com muita qualidade musical, bem adaptadas à obra, impulsionando ainda mais seu desempenho.

“Lembro que começamos a ensaiar bem cedo, lá em junho, com a bateria. Um trabalho que foi feito com todos os diretores e com o pessoal da comunidade da Vila. Foi um presente de Deus poder tocar ‘Gbalá’ outra vez, somos apaixonados nesse samba. E ensaiar aqui na 28 de Setembro é sempre muito bom. É como se fosse na avenida mesmo. Dá para ter um parâmetro legal. Agora vamos lá no sábado para mostrar tudo o que estamos fazendo por aqui toda semana. Não só no ensaio técnico, mas no dia do desfile também”, disse o mestre Macaco Branco.

Torcedores da Vila Isabel prepararam uma bela festa para receber os desfilantes na entrada da quadra ao final do ensaio. Muitas bandeiras da escola tremulavam e um grande foguetório marcou o céu, mostrando a confiança e felicidade de todos.