InícioSérie OuroUnião de Maricá faz desfile de visual estético rico e de ótima...

União de Maricá faz desfile de visual estético rico e de ótima harmonia, embalada pelo samba e bateria

Escola estreia na Sapucaí mostrando imponência e boa defesa de quesitos

Por Rafael Soares e fotos de Nelson Malfacini

A escola foi a sexta a se apresentar na Marquês de Sapucaí nesta sexta-feira de carnaval da Série Ouro. A tricolor levou o enredo “O Esperançar do Poeta” para a avenida. O desfile da União de Maricá mostrou uma defesa de quesitos muito competente através de seu time gabaritado. Já na comissão de frente houve um grande impacto pela apresentação inspirada dos componentes com muito samba no pé. O casal de mestre-sala e porta-bandeira vestia uma indumentária riquíssima e teve um bailado leve e seguro, apesar de uma pequena falha na segunda cabine. A harmonia teve grande destaque, com praticamente todas as alas cantando com bastante volume o bom samba-enredo, defendido com maestria pelos cantores e bateria da agremiação. A evolução também se mostrou muito competente, sem qualquer tipo de sobressalto, muito tranquila. Chamou muito a atenção o altíssimo nível de alegorias e fantasias da escola na avenida. Com excelente acabamento, cores vivas e muito luxo, a parte plástica foi de excelência. A União de Maricá encerrou seu desfile com 52 minutos.

Comissão de Frente

Com o nome de “O Som do Morro”, a comissão de frente assinada pelo coreógrafo Patrick Carvalho trouxe um grupo de 15 componentes, entre homens e mulheres, além de um menino. Todos eles estavam vestidos como malandros, com roupas e maquiagem com aspecto de sujeira. Os integrantes mostraram muito samba no pé, primeiramente no chão e depois em cima do tripé, onde ficaram a maior parte do tempo da apresentação. O elemento tinha escadas e um grande pandeiro, que girava e inclinava durante o número. Os bailarinos seguiram sambando mesmo quando girava, e faziam poses, como se fossem estatuas, quando este inclinava. Uma apresentação muito forte, que cativou o público, gerando muitos aplausos.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Fabrício Pires e Giovana Justo, veio com uma fantasia que representava “A Lua e o Compositor”, uma das maiores parcerias do samba, já que o astro seria uma fonte de inspiração para os poetas. A indumentária dos dois era muito rica e luxuosa, em branco, rosa, roxo e azul. O bailado da dupla foi bem tradicional, com pouquíssimos momentos mais coreografados. Giovanna sorriu o tempo todo e mostrou uma dança bem suave e segura, talvez atrapalhada pelo peso da fantasia. Fabrício acompanhou o mesmo ritmo de sua parceira, cortejando com muita graça nas interações. A boa apresentação da primeira cabine, não se manteve na segunda, onde Fabrício errou uma pegada de bandeira, a deixando escapar. Isso pode gerar uma penalização do jurado.

Samba-Enredo

O samba da União de Maricá tem uma letra bastante poética, que fala sobre a vida de um humilde compositor, passando muito bem a ideia do enredo. A melodia é dolente e possui belas variações. Composto por Rafael Gigante, Vinícius Ferreira, Júnior Fionda, Camarão Neto, Victor do Chapéu, Jefferson Oliveira, Marquinho Abaeté e André do Posto 7, a obra musical teve ótimo rendimento na avenida. Os intérpretes Nino do Milênio e Matheus Gaúcho mostraram um desempenho muito competente ao cantar o samba, embalados pela bateria de mestre Paulinho. Esse rendimento foi acompanhado na totalidade pelos componentes da escola, que entoavam a obra musical com vontade.

Harmonia

A comunidade de Maricá teve um canto excelente em seu desfile. O principal trecho entoado pelos componentes foi o refrão principal, mas é importante destacar que toda a obra teve bom volume. Mostrando bastante regularidade entre suas alas, a harmonia não caiu em nenhum momento do cortejo. O entrosamento com o carro de som e a bateria foi excelente, produzindo um uníssono. Várias alas se destacaram no canto, entre elas a “Só Falta Alguém Espremer o Jornal” e a “Vida Dolorida pra lá de Sofrida”. Talvez as alas com estandartes maiores tiveram seu canto um pouco mais abafado pelos adereços, mas sem comprometer o conjunto.

Evolução

A evolução da agremiação foi muito consistente durante a passagem pela Sapucaí. O ritmo de desfile se mostrou excelente para os componentes, fazendo com que eles tivessem bastante espaço para cantar e brincar o carnaval. Foram marcantes a espontaneidade e alegria dos integrantes. Algumas alas coreografadas abrilhantaram o desfile, sem causar problemas na evolução. Não houve qualquer tipo de correria ou lentidão, nem a abertura de espaçamentos anormais. A escola encerrou o desfile em 52 minutos, com tranquilidade.

Enredo

Em sua estreia na Sapucaí, a União de Maricá apresentou o enredo “O Esperançar do Poeta”, uma homenagem ao papel social, cultural e humanitário presente no ofício do compositor. As alegorias tiveram uma leitura mais fácil por conta de seus elementos e acabamento de alto nível. As fantasias também eram belas, mas não tinham uma leitura tão facilitada assim, por guardar mensagens mais profundas e mais difíceis de traduzir nos figurinos. Além de alguns sambas específicos que também foram retratados nas fantasias, que não geravam identificação imediata.

Fantasias

O conjunto de fantasias apresentado pela Maricá em seu desfile foi de ótimo nível estético. Primando por um bom acabamento, com materiais de excelência, a paleta de cores foi bastante explorada, gerando lindas combinações. Muitas alas também traziam adereços de mão, em especial estandartes, que geravam uma massa de volume e cor, deixando tudo ainda mais imponente. Muitas fantasias se destacaram no cortejo, entre elas a das passistas “Já Raiou a Liberdade”, a da ala 12 “Amor, Sonhei com os Anjos”, e a da ala 13 “Sonho Meu, Eu Sonhava que Sonhava”.

Alegorias

O conjunto alegórico da escola foi marcado pela riqueza e pelo ótimo acabamento. Talvez a iluminação tenha sido tímida, mas a beleza e o brilho eram tantos, que não comprometeu. O carro abre-alas, intitulado “Tempo de Compor”, representava os lugares e espaços onde um compositor consegue o encontro perfeito com a inspiração, fazendo fluir a imaginação e criatividade, com a presença de diversos elementos que auxiliam nesse processo, como as pipas, as flores, os pássaros e a lua. A alegoria era muito bonita, com ótimas combinações de cores e acabamento excelente. Apenas uma escultura de violão na lateral do carro teve uma avaria.

Na sequência do desfile, a segunda alegoria da União de Maricá, de nome “E Aquela Gente de Cor com a Imponência de Rei Vai Pisar a Passarela”, representava o samba-enredo e o carnaval como momento de poder coroar os sambistas, reconhecendo suas conquistas e perpetuando seu legado. As burrinhas eram elementos de retorno ao passado, a baiana coroada significava a glória do sambista e da figura feminina, e os três estandartes representavam os prêmios conquistados pelo compositor Guará. O carro mostrou ser muito imponente. A escultura central da baiana era bem alta e girava. As burrinhas na frente também se mexiam, como se estivessem cavalgando, gerando belo efeito. Muita riqueza de materiais e acabamento foi visto no carro, também com lindo uso das cores.

Já a terceira e última alegoria da agremiação, intitulada “Pra Reunir a Garotada e Proteger Meu Amanhã”, representava a fé depositada pelos poetas na proteção das crianças, com a esperança de viver um futuro mais justo, igualitário e próspero. O chão de cacos, presente em casas do subúrbio, significava o orgulho de suas origens. As pipas representavam a inocência das crianças. A velha guarda veio no carro, significando a passagem das tradições e ensinamentos culturais para os mais novos. A escultura de uma criança montando o cavalo de São Jorge representava a fé e esperança no amanhã. A alegoria mais simples do conjunto, mas ainda assim, com ótimo nível de acabamento.

Outros destaques

A bateria da Maricá comandada pelo mestre Paulinho teve uma exibição de ótimo nível na sustentação do ritmo, que se mostrou muito adequado para os desfilantes poderem evoluir e cantar o samba. Os ritmistas não abusaram na quantidade de bossas, usando na medida certa para impulsionar o cortejo da escola.

- ads-

Excelência consecutiva no Salgueiro! Nota 80 em Harmonia, Alemão do Cavaco fala do trabalho no carro de som da escola

O samba-enredo do Salgueiro foi muito comentando no pré carnaval, sendo considerado um dos melhores da safra de 2024. A obra ganhou popularidade após...

Unidos de Vila Isabel abre inscrições para cursos gratuitos na quadra

A Unidos de Vila Isabel já está com inscrições abertas para a nova fase do projeto social conduzido por meio do Instituto Celeiro de...

‘Roteiro dos Desfiles’: 15 anos promovendo o carnaval da informação’

O Roteiro dos Desfiles vestiu a fantasia e trouxe seus destaques para mais uma edição exclusiva da publicação mais querida da Sapucaí. Celebrou seus...