A cada ano que passa, o Grupo de Acesso I de São Paulo tem sido mais disputado, são duas vagas para o Grupo Especial em 2025, e também dois acabam indo para o Grupo de Acesso II, ou seja, metade do grupo é trocado a cada ano. Em 2023, Vai-Vai e Camisa Verde e Branco conquistaram o acesso, enquanto Morro da Casa Verde e X-9 Paulistana acabaram descendo para o Grupo de Acesso II. Já Vila Maria e Terceiro Milênio voltaram ao Grupo de Acesso I, enquanto Torcida Jovem e Dom Bosco subiram para a divisão.

Vamos conhecer um pouco sobre cada enredo visando o desfile que acontecerá no domingo, dia 11 de fevereiro:

Colorado do Brás brigando pelo seu retorno ao Grupo Especial vai trazer o enredo: “Os encantos da raiz do Mandacuru”. O mandacuru é uma cactácea nativa do Brasil, mais precisamente do Nordeste, e tem diversas funções, como fitoterápica.

Na primeira vez no Grupo de Acesso I, a Dom Bosco terá o enredo “Um causo arretado de um povo pra lá de valente… O cordel de um nordeste independente”. Inspirado na música ‘Nordeste Independente’ de Ivanildo Villa Nova e Braulio Tavares, mostrará como seria a Independência do Nordeste.

Onze vezes campeã do carnaval de São Paulo, a Nenê de Vila Matilde tem como enredo para 2024: “Cirandando à vida prá lá e prá cá. Sou Lia, sou. Nenê sou de Itamaracá”. Uma homenagem para Lia de Itamaracá, compositora e maior cirandeira do Brasil.

Prestes a lançar oficialmente seu samba-enredo, a Mocidade Unida da Mooca vai trazer o tema “Oyá Helena”. Toda representatividade de Helena Theodoro, nome com grande relevância na literatura afro-brasileira.

Buscando retorno para o Grupo Especial, a Vila Maria busca a volta ao Grupo Especial com o enredo afro “Forjados na luta, guiados na coragem e sincretizados na fé. A Vila canta Ogum”. No anúncio em sua rede social: “A Vila exalta Ogum e São Jorge e reforça sua ancestralidade e origem pedindo aos seus padroeiros a força e proteção”.

Grajaú tem enredo para 2024, a Estrela do Terceiro Milênio vai cantar: “Vovó Cici conta e o Grajaú canta: O Mito da criação”. Um verdadeiro patrimônio cultural afro brasileiro, Vovó Cici, é a Egbomi do Terreiro Ilê Axé Opô Aganju, em Salvador. Vasta história.

De volta ao Acesso I, a Torcida Jovem foi a penúltima escola a lançar seu tema, e aposta em mais um enredo afro: “Raízes afro Mãe, meu Brasil bantu”. A escola divulgou que vai contar a “origem da cultura Afro Brasileiro através dos povos da nação Bantu (Kongo/Angola)”.

Pérola Negra lançou enredo mais recente, no dia 16 de junho, e vai cantar “Pérola no encanto dos balaios das quebradeiras”. O enredo celebra a cultura e a tradição da quebradeira de coco.

Por fim, a ordem dos desfiles será definida nesta segunda-feira (19) em sorteio realizado pela Liga das Escolas de Samba de São Paulo.