‘Quando o tambor tocar, quebra até o chão, samba de ladinho, vem pro batidão”. Os versos do refrão principal do hino da São Clemente para o Carnaval 2023 já dão o tom que a escola busca reencontrar a irreverência que sempre esteve presente em seus sambas e seus desfiles. Esse é um dos trunfos para voltar ao Grupo Especial em 2024. Na Série Ouro este ano, a escola vai apresentar o enredo “O Achamento do Velho Mundo”, que está sendo desenvolvido pelo carnavalesco Jorge Silveira, de volta ao carnaval carioca e de volta à agremiação da Zona Sul. Indo para o seu sétimo ano como intérprete oficial da São Clemente, Leozinho Nunes falou como vê a obra que a agremiação vai cantar na Sapucaí em 2023.

“Esse samba eu acho que tem a minha cara. Ele foi feito para eu poder cantar. Adnet e toda a parceria pensaram assim ‘vamos fazer um samba para o Leozinho doido, maluco, que incendeia na quadra, que incendeia em outros lugares, e que incendeia na Avenida’. Fizeram um samba para a gente incendiar. Já que nós somos a última escola a desfilar , tem que ser um samba para incendiar. Ainda mais no Grupo em que nós estamos. Se não for um samba para incendiar a Avenida, ainda mais sendo a última, São Clemente é isso, alegria, irreverência, vamos fazer um dos melhores desfiles das nossas vidas, tentando buscar o nosso melhor resultado, e tentar voltar para o lugar de onde nunca deveríamos ter saído”, espera o cantor.

O samba tem a autoria de Marcelo Adnet, André Carvalho, Baby do Cavaco, Fabiano Paiva, Gabriel Machado, Gustavo Albuquerque, Hamilton Fofão, Luizinho do Méier e Pedro Machado. Leozinho Nunes também comentou a formação do carro de som da escola e as dificuldades que a agremiação agora tem que enfrentar por ter caído.

“A gente ainda está um pouco devagarinho, porque nesse grupo a gente ainda não tem muito recurso. Mas, a partir de dezembro que a gente vai chamar todo o time de carro de som para a gente ensaiar todo mundo junto”, conta o intérprete.

Também presente na gravação do hino da São Clemente para 2023, o presidente Renato de Almeida, explicou a organização que a escola vem fazendo para se adequar à nova realidade na Série Ouro.

“A gente começou os ensaios no final de outubro com os segmentos da escola, e queremos fazer feijoadas aos domingos e roda de samba, porque sexta e sábado a gente aluga muito a quadra, tem muito evento, e terça é o nosso ensaio com os segmentos. Mas eu quero mover a escola. O grande problema que está acontecendo com a São Clemente agora, nós desfilando 12 ou 13 anos no Grupo Especial, com 3300, 3400 componentes, é uma redução assustadora, para 1000, 1200 que vão ter que sair. E isso dá uma dor de cabeça, como vai cortar 1000 pessoas da escola. É um negócio triste, mas a gente vai conversando, vamos procurar quem tem mais frequência. E a São Clemente está querendo voltar para o Especial de qualquer jeito. Eu não me importo com tudo que se fala, com tudo se comenta na cidade. Eu me importo com tudo que eu faço, o que a minha família faz pela São Clemente. O carnavalesco, o Jorge Silveira, é muito bom, muito firme, a escola está muito bem, tanto que os protótipos estão todos prontos, a gravação vai ser uma grande gravação, pois os melhores estão aqui, sempre faço isso e torço muito pela São Clemente, pois eu sou um apaixonado”, promete o dirigente.

Desde 2018 à frente da Fiel Bateria, mestre Caliquinho trouxe seus principais ritmistas e diretores para realizar a gravação da faixa da escola. Caliquinho explicou que a Fiel Bateria e a direção da escola se reuniram para planejar e realizar um bom trabalho para o albúm da Série Ouro.

“A gente trabalha conforme o enredo e a galera diretoria elaborando tudo junto, todo mundo perto, a gente se encontrou na quadra para poder elaborar uma batida indígena e fazer esse samba maravilhoso para frente, já que é a última escola e agitar o povão, fazer o povão descer da arquibancada e vir junto com a gente, abraçar a São Clemente, que a São Clemente merece voltar para o lugar de onde nunca deveria ter saído. Ficamos 12 anos no Especial, aconteceu esse acidente, mas a gente vai voltar com força total “, deseja o mestre.

Sobre os trabalhos para o carnaval 2023, mestre Caliquinho falou sobre os ensaios e convocou os amantes da São Clemente a não abandonar a escola neste momento.

“Voltamos aos ensaios no final de outubro, convocamos a Fiel Bateria toda e a escola toda. Resgatar aquela galera que não está indo mais. A escola está em bom momento. O presidente está tranquilo. O vice-presidente está tranquilo. A escola está abraçando todos que são clementianos de verdade para a gente chegar com força total na Sapucaí na Série Ouro”, explica mestre Caliquinho.

Em 2023, a São Clemente vai encerrar a primeira noite de desfiles da Série Ouro.