A Nenê de Vila Matilde fez no último sábado sua apresentação na exposição do Bicentenário na Fábrica do Samba, e foi bem marcante para o evento, para escola, e também para os visitantes que acompanharam em grande número a agremiação da Zona Leste.

A Nenê já mostrava que seria uma apresentação interessante devido ao número de componentes presentes. A escola veio com um casal, passistas, princesas, bateria, velha guarda, baianas e o Grupo Odara… Ou seja, grande presença da comunidade e posicionados nas ruas da Fábrica do Samba para iniciar o Cortejo Afro, já dava para sentir o que estava por vir.

Em conversa com o Márcio Telles, do Instituto Odara e diretor da Nenê de Vila Matilde, falou sobre o evento para o site CARNAVALESCO: “É de extrema importância esse tipo de exposição, falando principalmente do Bicentenário, de todos os personagens que existem no Bicentenário. Que existiram, que lutaram pela Independência, que não é só quem todo mundo pensa. Temos os heróis negros também, teve Zumbi, Dandara, tiveram várias outras pessoas icônicas do mundo preto. Então acho que esse evento de Consciência Negra, de semana da Consciência Negra que não deveria ser chamada assim. O mundo deveria ter consciência o ano inteiro. Mas estamos lutando para mudar isso, para mostrar que o povo preto também é organizado, que tem uma cultura muito influente em nosso Brasil, afinal foi o povo preto que construiu tudo isso. Então a gente precisa valorizar e propagar tudo isso, e é o que estamos fazendo”.

O diretor de harmonia, Rodrigo Oliveira, ressaltou o espaço: “Esse é o espaço do sambista, então assim, o sambista a cada ano que passa está explorando cada vez mais esse maravilhoso terreno que foi concedido para construir realmente os sonhos do carnaval. Então hoje estamos com uma estrutura completamente montada aqui, do Grupo Especial, os barracões das escolas de samba, a Liga, está instalada aqui agora. E eu vejo que a cada momento que passa, a cada ano, todo esse espaço vai conseguindo ganhar essa força mágica que é o carnaval, e vamos explorando cada vez com mais facilidade. E a Nenê de Vila Matilde é uma escola de muita tradição, então onde ela vai, ela realmente passa com muita força, e muito brilhantismo”.

Cortejo afro foi marcante

A escola se posicionou na frente do Barracão da Independente Tricolor, que está localizado ao lado do barracão onde fica a Exposição do Bicentenário. Foram em linha reta com uma apresentação especial, o cortejo afro cheio de dança do Grupo Odara na frente da escola, e assim movimentando todos os visitantes do evento que vieram para a rua acompanhar. Atrás, a escola veio junto no ritmo do grupo. Quem comandava todo o trabalho da escola era Marcio Telles, que contou sobre a ideia da apresentação.

“O cortejo é uma coisa que já faz parte. Enquanto diretor da Odara, e diretor da Nenê, juntei o útil ao agradável na verdade. A Nenê é uma escola de samba do povo preto, o berço dos sambistas, e a Cia Odara já existe há 22 anos, também nesta militância da cultura afro-brasileira. Nosso trabalho é propagar a cultura preta no Brasil, e nada melhor que estar junto com a Nenê para fazer esse trabalho. Então Odara é Nenê, Nenê é Odara. Odara é o bom, o bem que virá, Odara é o belo. E Nenê é a beleza, então para a gente foi muito bom, gratificante, e muito a cara da Nenê”.

Depois, a escola entrou para o espaço do palco e seguiu o show junto com o seu intérprete Agnaldo Amaral e sua ala musical.

A apresentação no espaço do palco

Seguindo o ritmo da Consciência Negra, a escola cantou músicas afros, fazia apresentações com passistas e Princesas dos Palmares que é uma ala feminina da escola com muito samba no pé, também baianas, velha guarda, ditaram o ritmo da apresentação. Inclusive a escola teve até mudança no figurino para abrilhantar ainda mais seu momento. Sendo assim uma apresentação bem rica e forte para a ocasião na véspera do dia da Consciência Negra, e que claro, contém grandes laços com a escola e com o carnaval.

O diretor geral de harmonia da escola, Rodrigo Oliveira, comentou sobre a relação da agremiação e seus laços: “A Nenê Vila Matilde que é um quilombo azul e branco, é um quilombo do samba, uma escola que tradicionalmente traz a negritude na sua essência, na sua história. E enaltecendo sempre a raça negra, hoje ela vem com uma inovação trazendo um cortejo afro para esse evento e toda a comunidade vem abraçar esse evento, vem abraçar essa situação e esse momento mágico, com esse cortejo afro, trazer uma bela apresentação para o mundo do samba prestigiar. Foi maravilhoso”.

A escola realmente deu um ar muito marcante para o evento que contava com bom público, e interagiu com as apresentações. No fim, uma cena emocionante, a bateria comandada pelo Mestre Matheus Machado, seguiu rumo aos ônibus estacionados na Fábrica do Samba, e criou-se uma ala de pessoas visitantes do evento, famílias, crianças, idosos, foi bem bonito ver o famoso ‘arrastão’ junto com a escola. O diretor de harmonia da escola também comentou sobre o evento e a apresentação, que inclusive foi ensaiado durante a semana na quadra da comunidade.

“Gostaria de exaltar todo mundo do samba, a minha escola, a Nenê de Vila Matilde que fez uma brilhante apresentação na véspera do dia da Consciência Negra aqui na Fábrica do Samba, nesta importantíssima exposição e muito linda que está. Todos têm que comparecer para prestigiar a exposição do Bicentenário da Independência do Brasil, que hoje traz uma temática afro, com essa ligação com o dia da Consciência Negra que celebramos no dia 20 de novembro. Dia de muita conscientização, dia de pensar, refletir, sobre tudo que o povo preto desse país, do mundo inteiro já passou”.

Depois de reeditar Narciso Negro e voltar ao Grupo de Acesso I com o título do Grupo de Acesso II. A Nenê de Vila Matilde chega em 2023 com o enredo “Faraó Bahia”, que também focará no povo negro, e fará uma homenagem a todos os blocos afros da Bahia.

Programação

26/11, sábado
14h: X-9 Paulistana
16h: Vai-Vai

27/11, domingo
16h: Unidos do Peruche

10/12, sábado
14h: Primeira da Cidade Líder

11/12, domingo
14h: Torcida Jovem

17/12, sábado
14h: Imperador do Ipiranga

Bicentenário — Contado por Enredos e Fantasias
Quando: a partir do dia 23 de outubro, de quarta a domingo, das 10h às 17h
Onde: avenida Dr. Abraão Ribeiro, nº 505 – Fábrica do Samba
Quanto: entrada e estacionamento no local gratuitos.