A Unidos do Viradouro realizou, na noite do último sábado, em sua quadra, a semifinal de seu concurso de samba-enredo para o carnaval de 2024. O site CARNAVALESCO, como parte da série “Eliminatórias”, esteve presente nessa fase da disputa promovida pela Vermelha e Branca de Niterói. Ao todo, cinco obras se apresentaram e três estão na grande final de samba da escola, que ocorrerá no próximo sábado, dia 30 de setembro.

Foto: Rafael Arantes/Divulgação Viradouro

Em 2024, a Unidos do Viradouro será a sexta e última escola a passar pelo Sambódromo da Marquês de Sapucaí na segunda-feira de Carnaval, dia 12 de fevereiro, encerrando os desfiles do Grupo Especial. A agremiação irá em busca do terceiro título de campeã da folia carioca com o enredo “Arroboboi, Dangbé”, sobre a energia do culto ao vodum serpente, que será desenvolvido pelo carnavalesco Tarcísio Zanon, em seu segundo carnaval solo na escola.

Parceria de Claúdio Mattos: O segundo samba da noite foi o assinado por Claudio Mattos, Claudio Russo, Julio Alves, Thiago Meiners, Manolo, Anderson Lemos, Vinicius Xavier, Celino Dias, Bertolo e Marco Moreno. A obra foi defendida na semifinal pelo intérprete Tinga, que contribuiu decisivamente para o forte desempenho do samba na disputa. A apresentação do samba na quadra foi brilhante, contagiando o público presente na quadra da Viradouro. A torcida, uma das maiores da noite, ocupou todo o espaço destinado, com uso de bandeiras, balões e fumaças. A parceria também se utilizou de lâmpadas coloridas nas mãos dos componentes que, quando a luz da quadra era apagada, provocavam um bonito efeito. A obra também contou com grande adesão na quadra, com segmentos da escola, como membros da harmonia, da bateria, dentre outros, cantando o samba. O refrão do meio, com “Ergue a casa de bogum/ Atabaque na Bahia…” foi destaque, sendo cantada a plenos pulmões pela torcida.

Parceria de Lucas Macedo: O terceiro samba a se apresentar na semifinal da Viradouro foi o da parceria de Lucas Macedo, Diego Nicolau, Richard Valença, João Perigo, Cadu Cardoso, Marquinhos Paloma, Orlando, Ambrósio, Lico Monteiro e Silas Augusto. A obra teve desempenho avassalador durante sua apresentação. A começar pela excelente condução do intérprete Zé Paulo Sierra, que por sua ligação com a Viradouro, dominou completamente o palco e causou enorme comoção na quadra da escola. A torcida do samba também esteve presente em grande número, com uso de bandeiras, fumaça e uma serpente artificial formada por pessoas que passava entre os torcedores. Diversos segmentos da escola cantaram e se empolgaram com a obra durante a apresentação. O refrão principal, com o “Deixa Girar” teve grande destaque, inclusive com torcedores fazendo coreografias com a mão. A parceria também se utilizou do recursos de apagar as luzes da quadra para destacar luzes artificiais presentes na torcida.

Parceria de Dudu Nobre: A última parceria a se apresentar foi a de Dudu Nobre, Samir Trindade, Victor Rangel, Deiny Leite, Valtinho Botafogo, Fabrício Sena, Felipe Sena e Jeferson Oliveira. A obra teve ótimo desempenho durante sua apresentação, sendo defendida por Igor Sorriso, Guto e Gilsinho. A torcida esteve presente em bom número, com bandeiras da escola. No início da apresentação, um grupo de ritmistas com atabaques abrilhantou o desempenho da obra. Durante a passagem, a torcida se abria e um grupo performático se apresentava. A parceria levou também um grupo fantasiado de que formou uma grande cobra. O samba também contou com bom engajamento dos segmentos e componentes da escola presentes na quadra.