A Cidade do Samba foi palco na noite do último domingo do segundo dia de mini desfiles, com a apresentação dos sambas oficiais das escolas para o carnaval de 2023. Desfilaram as escolas que se apresentarão na segunda-feira de carnaval: Paraíso do Tuiuti, Portela, Unidos de Vila Isabel, Imperatriz, Beija-Flor e Unidos do Viradouro. A fábrica das alegorias do carnaval carioca recebeu centenas de sambistas, que ressaltaram o espetáculo proporcionado pelas escolas e o equilíbrio na apresentação das mesmas. * VEJA AQUI VÍDEOS DAS APRESENTAÇÕES

Em entrevista ao site CARNAVALESCO, os presentes na Cidade do Samba aprovaram a realização do evento de pré-carnaval, com destaque para as apresentações de Imperatriz, Beija-Flor e Viradouro. Apesar da euforia com os mini desfiles, alguns dos ouvidos apontaram pontos a melhorar para os próximos eventos do mesmo tipo.

 O portelense Vitor Baetas, que foi à Cidade do Samba tocar na “Swingueira de Noel”, de mestre Macaco Branco, não teve dúvida ao apontar Imperatriz e Beija-Flor com as duas destaques da noite de mini desfiles. O som e horário do evento foram pontos negativos para o carioca da Taquara.

“A Beija-Flor veio muito forte e a Imperatriz também foi sensacional. O evento sempre tem alguma coisa para melhorar, mas acho que foi último para esse agora, já melhorou muita coisa, o som poderia ser melhor, mas de resto está show de bola. Eu faria algo mais acessível para o povo, algo mais na parte da tarde, pois amanhã (segunda) muita gente trabalha”, disse.

Já o nilopolitano Bruno Santos, além das já citadas Imperatriz e Beija-Flor, destacou o espetáculo proporcionado pela Viradouro e pelo samba da Vila Isabel, que o surpreendeu. Presente nos mini-desfiles de fevereiro deste ano, Bruno sentiu falta do esquenta feito pelas escolas no palco da Cidade do Samba.

“Eu fiquei muito surpreso com a Vila Isabel, o samba rendeu bastante, gostei muito da Imperatriz, da Beija-Flor e a Viradouro também teve um destaque. A ideia do evento é ótima, mas a execução deixa um pouco a desejar. O esquenta das escolas no palco com sambas históricos poderia retornar no próximo ano”, comentou.

Pela primeira vez na Cidade do Samba, a niteroiense Cátia não escondeu a empolgação e emoção de estar presente no evento. Sem apontar críticas, a viradourense escolheu os mini desfiles realizados por sua escola de coração e pela Imperatriz como os melhores da noite.

“A escola que eu mais gostei foi a minha escola do coração, a Viradouro, além da Imperatriz Leopoldinense que deu um show. É a primeira vez que eu venho à Cidade do Samba, gostei muito do espaço, amei, é muito fácil comprar as coisas, muitos vendedores. Está tudo perfeito”, ressaltou.

Também ritmista da “Swingueira”, bateria da Unidos de Vila Isabel, Ana Beatriz Tinoco apontou a Azul e Branca de Noel, a Portela e a Imperatriz como destaques dos minidesfiles. A niteroiense, porém, foi mais uma a apontar o som do espetáculo como aquém da qualidade das apresentações da escola, ao não ecoar de maneira igual para todos os presentes.

“Eu vim pela Vila Isabel, que fez um bom mini desfile, a Imperatriz também foi bem e a Portela. Eu estive presente ano passado e acho que estava muito mais organizado. Eu acrescentaria o som durante todo o desfile da escola para todos porque para as pessoas que não estão na pista, a gente não tem referência de som”, comentou.

Torcedora da Mocidade Independente de Padre Miguel, que se apresentou na primeira noite de mini desfiles, Marcela, moradora da Zona Oeste, não escondeu a empolgação com os sambas de 2023, principalmente, nas apresentações da Beija-Flor e da Viradouro. “Eu gostei muito da Viradouro e da Beija-Flor. O evento foi maravilhoso, tudo de bom. Hoje está tudo perfeito”, concluiu.