Coordenado por profissionais de educação física e mestres-salas, Matheus Olivério, da Mangueira, e Julinho Nascimento, da Viradouro, o Programa Samba Pass foi inaugurado nesta quinta-feira na Vila Olímpica da Gamboa, colada com a Cidade do Samba. O projeto elaborado pela Fundação João Goulart, em parceria com a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SMEL), faz parte do Carnaval de Dados e oferece preparação física e artística nas Vilas Olímpicas para sambistas de alto rendimento das agremiações cariocas.

Foto: Luis Magão/Divulgação Smel

Nesta primeira fase, são 100 vagas para mestre-sala, porta-bandeira e integrantes da comissão de frente praticarem pilates, treinamento funcional, hidroginástica, dança e exercício específico por segmento. Um dos coordenadores, o mestre-sala Matheus Olivério explicou um pouco sobre como surgiu o projeto.

“O Samba Pass é um projeto em que a gente fez uma parceria com a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, com a Fundação João Goulart pensando no carnaval, pensando naquelas pessoas que nesse adiamento de carnaval precisam de um preparo físico, de quesitos que precisam de ajuda, das pessoas que dançam, que movimentam o corpo, pensando na saúde dessas pessoas, tanto na questão de preparação física para melhorar sua auto performance no desfile. É um programa piloto, voltado para 100 pessoas, e já tem 54 pessoas inscritas, e a ideia é de atender quase 3 mil pessoas, atender mestre-sala e porta-bandeira, atender comissão de frente, futuramente passistas, todo o movimento de dança, até a própria velha guarda, baianas. Movimentos voltados para a dança funcional, para a saúde do corpo, e para melhorar essa performance do nosso maior espetáculo da terra que é o carnaval”, explicou.

Matheus também esclarece tudo o que vem sendo oferecido neste período inicial para casais e integrantes de comissões de frente.

“O secretário abriu esse espaço, essa maravilhosa Vila Olímpica da Gamboa, que a gente vai ter treino funcional, a gente vai ter balé, que algo que tem um custo muito alto, a gente vai ter pilates solo, pensando no alongamento das pessoas, a gente vai ter a hidroginástica, a gente vai ter um trabalho de alongamento de resistência, vai ter um trabalho também de recuperação muscular. A ideia é fazer cuidando da saúde e ao mesmo tempo melhorando a performance para o carnaval. E a galera que faz a inscrição preenche diversos dados para a gente saber da questão física, para saber a localidade onde mora, saber se você tem alguma dificuldade. É um questionário bem bacana, e também a gente vê se a pessoa está vacinada, vê no que a pessoa trabalha fora do carnaval, e quais são as outras atividades para trabalhar o corpo e fazer com que melhore a sua auto performance no carnaval. E tem a questão da Vila Olímpica como espaço também para a galera ensaiar, essa galera do Acesso que precisa desse espaço para ensaiar, a Sapucaí fica muito cheia nessa época. Pensando no espaço geral que a Vila tem, e isso foi muito gratificante para a gente, para a gente poder ajudar”, completou.

Julinho Nascimento, mestre-sala da Viradouro e também professor de Educação Física, revelou que o projeto é um desejo pessoal que vem desde que cursava a faculdade.

“Isso para mim também é a realização de um sonho, eu sou profissional de Educação Física, me formei em 2001 e a minha monografia foi sobre ‘ a dança do samba, um exercício para todos’. Lá atrás, eu já tinha esse pensamento de que o mestre-sala, a porta-bandeira, o componente de comissão de frente, o passista, uma baiana, até a velha guarda, todos têm sua dança com movimentos específicos. Por que não se pode ter um treinamento específico para cada segmento de uma escola de samba? Hoje com a prefeitura, com a Fundação João Goulart, e com a SMEL, estar idealizando isso e eu ter sido convidado, eu trabalhei muito tempo em Vila Olímpica, trabalhei 17 anos em Vila Olímpica, e nunca consegui implantar esse tipo de projeto, e depois que eu saí da Vila Olímpica, o projeto veio. Então, foi Deus que quis assim”.

Julinho também ressaltou que o programa é uma grande oportunidade para os sambistas trabalharem a sua preparação para o carnaval.

“Hoje, juntamente com o Matheus, que é irmão, parceiro, a gente poder estar à frente, coordenando, convidando os sambistas, dando respaldo do nosso nome de que vai haver uma especificidade de treinamento, vão ter um carinho, vai ser algo especial para o sambista. É um projeto piloto que está saindo agora, dois meses do carnaval, e a intensidade dos trabalhos vai ser para esse piloto, mas a intenção é que o sambista possa ter uma oportunidade gratuita, oferecida pela prefeitura, pelo poder público, para ele cuidar da preparação física e técnica. Não só a questão das aulas de preparação física, mas para os casais terem um espaço de ensaio dentro das Vilas Olímpicas. É uma gama de atividades e oportunidades para o sambista. Eu estou muito feliz, me sentindo realizado”.

O lançamento do programa Samba Pass contou com a participação do secretário municipal de Esporte e Lazer, Guilherme Schleder, que confirmou à reportagem do CARNAVALESCO, a intenção de que o projeto seja estendido para os próximos carnavais.

“As Vilas Olímpicas estão abertas para todas as secretarias, e aí quando a Rafaela (Bastos), presidente da Fundação João Goulart, falou que ia fazer esse projeto, uma coisa para mudar todas as características do carnaval, e ela falou principalmente das pessoas que precisam estar em forma, a gente criou esse chamado Samba Pass. É colocar uma aula de personal mais focada em quem vai participar do carnaval. Fazer desse último mês até o carnaval e todos estarem preparados para o dia da Avenida. E, óbvio, que a gente aproveitando, vamos fazer esse projeto ficar em definitivo depois para o ano de 2023 também”, revelou o secretário.

A abertura do programa foi animada pela bateria da Vizinha Faladeira, representando todas as escolas contempladas no projeto e por ser a agremiação mais próxima da Vila Olímpica. O presidente da Pioneira, David dos Santos, enalteceu o projeto e acredita que beneficiará bastante a escola.

“A Vizinha é um reduto da região portuária, nada mais justo de a gente estar presente neste lançamento, e isso também vai contribuir muito com a escola, por ser a escola da região, da comunidade até para os nossos casais, os nossos passistas, todos se fortalecerem mais para o próximo carnaval, próximo desfile”, acredita David.

Carnaval de Dados embasou programa e agora se prepara para nova etapa

A presidente da Fundação João Goulart, Rafaela Bastos, também esteve presente no evento de lançamento do Samba Pass. O Carnaval de Dados foi fundamental para a elaboração do programa através do compartilhamento de informações. A presidente Rafaela explicou um pouco da parceira.

“O Carnaval de Dados foi feito para o gestor público ter informações, se apropriar de dados sobre a festa, e o prefeito Eduardo Paes, a secretaria de Fazenda e Planejamento, terem uma visão sistêmica da importância do carnaval para a cidade. A primeira decisão que foi tomada, tanto com o prefeito, tanto com secretário Pedro Paulo, através desse estudo que a fundação desenvolveu, foi que o carnaval é um vetor para políticas públicas para a cidade. Políticas públicas, econômicas, sociais, culturais, educacionais. Essa iniciativa (Samba Pass) aqui foi um primeiro resultado”, explica Rafaela.

A presidente da fundação João Goulart também explicou que o Carnaval de Dados está passando por uma nova etapa, agora focada nos artistas e profissionais da folia.

“É claro que é interessante que esse estudo seja atualizado e que a gente continue trazendo dados e informações sobre o carnaval. Por isso que a gente quer conhecer agora quem faz. Primeiro a prefeitura entendeu como ela faz. Agora, a gente quer conhecer os artistas, os trabalhadores do carnaval. Então, a gente tem a plataforma que é o mapa dos trabalhadores do carnaval, está no www.participa.rio para todo o trabalhador do carnaval preencher para agora gerar um novo relatório. A proposta é que a gente tenha informações não só de como a prefeitura planeja e executa a festa, mas também as informações dos trabalhadores do carnaval para que a gente possa fazer mais políticas públicas como essa”.

Quem também está atenta ao Samba Pass é a secretaria municipal de Políticas e Promoção da Mulher do Rio de Janeiro, Joyce Trindade. Ela explicou que a parceria neste momento será focada em acompanhar o programa de perto.

“A gente entende a importância de estar fortalecendo o empoderamento feminino e o carnaval é um desses espaços para a gente estar contando novas histórias, e as mulheres serem reconhecidas no projeto do carnaval, e a gente vai estar acompanhando esse projeto para justamente que as mestres-salas, as porta-bandeiras, que todo mundo consiga ter seu espaço garantido e a mulher reconhecida na cultura do carnaval carioca. Vamos focar mais no acompanhamento do projeto”.

Lembrando que o Samba Pass é gratuito, mas nesse início vai contemplar apenas casais e integrantes de comissão de frente com vagas limitadas. A inscrição pode ser feita no formulário https://bit.ly/3BIa3Bo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui