Em entrevista ao site CARNAVALESCO, Rodrigo Almeida responsável pelo desfile de 2025 da Em Cima da Hora, explicou como chegou a ideia do enredo “Ópera dos Terreiros – O Canto do Encanto da Alma Brasileira”, que será apresentado no desfile do ano que vem.

Foto: Maria Clara Marcelo/CARNAVALESCO

“Depois do carnaval de 2024 a gente continuou com a ideia de fazer algo social. Surgiu uma questão de falar de preconceito. Encontramos uma ópera, criada em Salvador, no Pelourinho, despertou a nossa curiosidade. Essa ópera está conquistando o mundo. Está se apresentando em todos os locais. A gente pensou que isso está vencendo o preconceito, você pode estar em todos os lugares. A gente vive em um país, que não acredito que existem brancos puros, o que diferencia se você é negro ou não, além do tom da pele, é se você precisa andar com sua identidade no bolso, a nota fiscal, isso caracteriza o negro no Brasil, infelizmente, porque vem da cultural colonial. Quando a gente encontra negro cantando ópera, invandindo o ambiente do branco, e vê eles indo para Europa e ganhando o mundo, é a nossa glória. Nossa forma de falar do preconceito é mostrar o poder do negro”.

O carnavalesco Rodrigo Almeida revelou que novamente levará para Avenida uma escola com alegorias maiores, como aconteceu no desfile de 2024. Ele também falou da escolha do samba-enredo.

Em Cima da Hora abre temporada de finais de samba-enredo para o Carnaval 2025 e faz junção de parcerias

“O samba tem que contar o enredo. Somos a sétima escola de sexta, tem que empolgar o componente, ser claro e objetivo. Escolher o samba antes favorece o canto do componente. Puxamos a história para termos mais tempo de trabalho. Em 2024, eu passei falando que seria uma nova Em Cima da Hora, novamente falo que será uma nova escola. Com alegorias maiores, mais imponente, com roupas volumosas, um desejo da escola”.