A São Clemente vem realizando todas as terças-feiras, em sua quadra de ensaios, no Centro do Rio de Janeiro, os ensaios de comunidade com vistas à preparação para o desfile no Carnaval 2019. A reportagem do CARNAVALESCO acompanhou o treino desta semana com destaque para a atuação da Fiel Bateria, um dos quesitos mais sólidos da escola, sob a competente condução dos mestres Gil e Caliquinho. Foi calcada no desempenho de seus ritmistas que a São Clemente iniciou essa fase tão importante da preparação de uma escola de samba.

“Teremos nosso ensaio de rua como no ano passado, mas nós vamos fazer na Praia de Botafogo, que além de ser mais próxima de nossa comunidade, também não afeta os jardins do Aterro. Eu tenho muita expectativa com relação a esse samba, pois é uma obra que já é conhecida há quase 30 anos e me lembro que na época foi apontada como uma das melhores do carnaval, junto das grandes agremiações da época”, confessou o presidente Renatinho.

Harmonia e Evolução

Ainda com poucas alas ensaiando na quadra, devido ao fato de o carnaval acontecer apenas em março de 2019, a São Clemente usa essa fase de treinos na quadra para treinar canto e evolução mais no aspecto de espontaneidade do componente. A fase de andamento de desfile e deslocamento será testada em ensaios de rua, que a escola realizará a partir de janeiro. Como a obra é conhecida há quase 30 anos, o canto já chega pronto e só precisa ser lapidado para o andamento atual.

“Usamos esse momento para aprimorar o andamento do samba com o canto da comunidade. Eu desconheço componente que cante e fique parado. O quesito evolução pede espontaneidade, eu cobro isso. Tem de cantar e se mexer. Nós vamos doar 100% de nossas 3 mil fantasias à nossa comunidade”, revelou Marquinho Harmonia.

Bateria

Grande atuação dos ritmistas da Fiel Bateria. No ensaio desta terça os mestres Gil e Caliquinho optaram por poucas convenções e paradinhas e buscaram a sustentação do ritmo para conduzir o ensaio da escola. A bateria foi o grande destaque do ensaio, iniciando seu treinamento antes mesmo das alas se formarem e prosseguindo após o final do ensaio.

“Eu farei duas bossas no desfile e nem adianta muita a gente tentar esconder pois hoje em dia todo mundo tem um celular, conta para o amigo, é difícil guardar tudo. Nós vamos fazer uma coisa, que é um resgate de repiques, tenho visto baterias passando com poucos repiques. Meu pai foi repique no desfile de 1990, então é uma homenagem à ele também. Podem esperar um grande desfile do nosso time de ritmo”, explicou Caliquinho.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

A dupla Fabrício e Giovana não usa o ensaio de quadra para realizar coreografia oficial de desfile. Para isso existe o treino secreto no Sambódromo. Mas os experientes dançarinos demonstraram mesmo assim toda a categoria que possuem, primeiro ao demonstrarem enorme simpatia com a comunidade, oferecendo o pavilhão e segundo aproveitando para fazer marcações de tempo e espaço, já que a configuração de montagem da escola difere daquele que será feita na avenida. A dupla já apresenta um grande entrosamento neste primeiro ano de parceria.

“O ensaio de comunidade é um momento importante para interação e, particularmente, não realizamos nada de coreografia oficial, apenas uso para a marcação de tempo e espaço, o andamento do samba e da escola, pois quando a gente ensaia sozinho não temos essa possibilidade do ao vivo. Mas eu faço sempre questão de vir pois é um momento importante para a escola”, disse a porta-bandeira.

“É uma nova parceria que está se formando, mas a Giovana oferece toda sua experiência, uma porta-bandeira consagrada, premiada. Nós sabemos dessa responsabilidade e a única forma de alcançarmos esse objetivo é intensificar os ensaios e a preparação para o desfile”, contou o mestre-sala.

Samba-Enredo

A obra da São Clemente possui a vantagem de ser uma reedição e uma das composições mais queridas pelo componente clementiano em toda a história. Leozinho Nunes foi o responsável pela condução do ensaio ao lado de um trio de cantoras de apoio, o que deu uma sonoridade interessante da obra. O carro de som ainda tem a condução de Bruno Ribas e a participação de Clóvis Pê no time de apoios.

A São Clemente apresenta no desfile de 2019 a reedição do enredo ‘E o samba sambou’, uma releitura realizada pelo carnavalesco Jorge Silveira. A escola da Zona Sul será a primeira a desfilar na segunda-feira de carnaval pelo Grupo Especial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui