InícioSérie OuroBanguMeninas do time feminino do Bangu falam sobre homenagem ao ícone Castor...

Meninas do time feminino do Bangu falam sobre homenagem ao ícone Castor de Andrade

“A torcida reunida até parece a do FlaxFlu…. Bangu, Bangu, Bangu”. É impossível para qualquer carioca escutar o hino do Bangu Atlético Clube e não lembrar de Castor de Andrade. Benfeitor da Zona Oeste, o bicheiro foi homenageado pela Unidos de Bangu no primeiro dia de desfiles da Série Ouro. Dentre as alegorias da escola, uma retratava a relação de Castor com o clube do bairro, que em suas mãos, chegou a ser vice-campeão brasileiro, em 1985.

Na alegoria, o carnavalesco da Unidos de Bangu, Marcus Paulo, fez diversas referências à Era de Ouro do clube. Dentre as glórias retratadas no carro alegórico, destacavam-se as glórias do time feminino do clube, que ganhou destaque na gestão de Castor de Andrade. De blusa vermelha e saia de bolinhas, as composições do carro vinham todas representando “As vitórias do time feminino do Bangu do Castor”.

Em entrevista ao site CARNAVALESCO, algumas delas falaram sobre a sensação e a importância de homenagear o ícone do bairro e da região, Castor de Andrade. Uma delas, Cris Keller, além de moradora de Bangu, é musa do time e ocupou o mesmo posto no Campeonato Carioca de 2020.

“Esse enredo sobre o Castor se mistura com a história da minha vida porque eu fui musa do Campeonato Carioca de 2020, sou musa do Bangu Atlético Clube e é muito gratificante pra mim estar aqui hoje na avenida, representando meu time. Estou desfilando pelo Bangu e por um bairro que eu amo e tudo isso se mistura com a história do Castor de Andrade. Ele era uma referência para o BAC e para o bairro inteiro. Estou muito feliz de estar participando dessa grande festa do povo banguense e estar representando meu time. Sou torcedora e musa do Bangu. Bangu é tudo para mim. Ali na região, nós temos também a mocidade, minha escola de coração e ali, eu cresci, com esse povo de Bangu”, contou Cris.

Estreante na Marquês de Sapucaí e moradora de Campo Grande, também na Zona Oeste, Bianca da Costa também ressalta, sem titubear, a importância de Castor para a região, mesmo sem ter convivido com o contraventor.

“É a primeira vez que vou desfilar e é na escola do bairro de Bangu. Eu só conheço o Castor por nome porque eu não sou criada em Bangu, mas a minha família é da região e eu conheço a história. Ali, o Castor é muito bem falado por todos porque ele levantou Bangu e o entorno, Realengo e outros. Além disso, ele é muito bem falado por causa da escola, da Mocidade, ele levantou a Zona Oeste. Ele foi uma personalidade original, daquela época, nos anos que ele viveu, e até hoje existem vários outros como ele por aí.”, destacou Bianca.

Na emoção de homenagear o clube do coração, Sabrina Alves, de Bangu, afirmou ser torcedora de carteirinha do time alvi-rubro. Emocionada, reafirma a relação do seu bairro de origem e o antigo patrono da Mocidade Independente de Padre Miguel.

“Torço para o Bangu, sim. Quando tem jogo no Maracanã, a gente aluga ônibus, faz caravana, o pessoal lá é bem animado. Somos apaixonados por carnaval e futebol. O Castor sempre foi muito bom lá pra nossa região, pra Bangu. Ele participava da Mocidade, onde ele fazia tudo na comunidade e sempre foi respeitado por todos nós. É uma emoção muito forte estar representando essa escola”, afirmou.

- ads-

Sinopse da Beija-Flor de Nilópolis para o Carnaval 2025

Enredo: “LAÍLA DE TODOS OS SANTOS, LAÍLA DE TODOS OS SAMBAS” INTRODUÇÃO / JUSTIFICATIVA "Veje bem", A importância do Laíla para o Samba e o Carnaval é...

Cícero e Lara comentam enredo da UPM para o Carnaval 2025: ‘Foi amor à primeira vista’

Cícero Costa e Lara Mara, pai e filha, são diretores de carnaval da Unidos de Padre Miguel. A escola, em preparação para o Carnaval...

Fazendo jus ao nome escola de samba, Tarcísio Zanon encontra receita para os enredos da Viradouro

Tarcísio Zanon, carnavalesco da Viradouro desde 2020, conversou com o site CARNAVALESCO e revelou o que esperar da Vermelho e Branco de Niterói para...