A Imperatriz Leopoldinense realizou neste domingo o segundo ensaio de preparação para o Carnaval 2023. Desta vez, na Rua Euclides Faria próximo ao Largo do Itararé, em região perto da quadra da Rainha de Ramos. Com uma hora e 10 minutos de duração, o treino teve como grande destaque, além da alegria e espontaneidade da comunidade, a precisão de segmentos da escola como a bateria de mestre Lolo, a comissão de frente de Marcelo Misailidis e o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Rafaela Theodoro e Phelipe Lemos. No próximo carnaval, a Imperatriz será a quarta escola a desfilar na segunda noite do Grupo Especial. A Verde e Branca de Ramos vai levar para a Sapucaí o enredo “O aperreio do cabra que o excomungado tratou com má-querença e o santíssimo não deu guarida”, que está sendo desenvolvido pelo carnavalesco Leandro Vieira.

Este ensaio foi o primeiro na Rua Euclides Faria. O início da escola teve grande destaque com a coreografia apresentada pela comissão de frente comandada pelo estreante na Rainha de Ramos, Marcelo Misailidis. Em seguida, o primeiro casal demonstrou uma grande interação com seus guardiões. O intérprete Pitty de Menezes e a bateria de mestre Lolo confirmaram o bom entrosamento visto no mini desfile na Cidade do Samba. A comunidade de Ramos, do Morro do Alemão e adjacências compareceu em bom número para um segundo ensaio, e apresentou um bom canto e espontaneidade. Claro que ainda pode melhorar tanto em tamanho da escola no ensaio, quanto em relação ao canto que pode ser em maior intensidade em alguns trechos do samba. Perguntado sobre o destaque do dia, o diretor de carnaval Mauro Amorim citou alguns quesitos como destaques ainda que tenha admitido que sempre há o que melhorar.

“Primeiro dia aqui na Rua Euclides Faria, mais um bom ensaio que a gente faz, uma visão totalmente diferente da Rua Professor Lacê, porque aqui é uma rua maior, contingente aumentando, bom ensaio. Sabemos que temos pontos que fortalecer, mas temos notado evolução de ensaio a ensaio. Nossos pontos fortes foram nossos quesitos. Comissão de frente, casal, bateria, o povo abraçou nosso samba. Harmonia e evolução”, finalizou Mauro.

O também diretor de carnaval André Bonatte avaliou que o samba-enredo foi o grande destaque do ensaio da Imperatriz.

“Eu sempre acho que pode melhorar. Até 30 minutos antes de entrar na Avenida eu sempre acho que a gente pode melhorar alguma coisa. Eu acho que o ponto alto mais uma vez foi a gente estar vizinho a nossa quadra, a nossa comunidade estar prestigiando. E quanto mais a gente puder estar fazendo este ensaio aqui nas nossas proximidades, eu acho que isso é importante, porque a gente agrega mais as comunidades. Eu vejo que o ponto alto é o que a escola tem hoje para mim como um dos pontos fortes, que é o samba-enredo. Ele flui naturalmente. Você chega aqui ao final de 65 minutos de desfile e as pessoas pedindo para cantar mais. Esse é o melhor sinal. Quando a pessoa pergunta, ‘mas já acabou?’ É o melhor sinal de que a gente está indo pelo caminho certo”, concluiu André.

Harmonia e samba-enredo

O samba, aclamado na final da escola, foi conduzido pela voz principal da agremiação para o Carnaval 2023, Pitty de Menezes, que mais uma vez chamou os componentes a cantar a obra desde o início do treino. E a comunidade, agora quase completa, respondeu a altura, com um rendimento superior a apresentação que a agremiação fez no mini desfile na Cidade do Samba, na semana passada. É claro que ainda há o que melhorar, no início do ensaios algumas alas cantavam com menos intensidade que outras, principalmente, em relação as alas que vinham no final da escola, com um rendimento superior. Depois, ao longo do treino, as primeiras alas se soltaram mais. É necessário também justificar que esse foi apenas o segundo ensaio de rua da escola e o primeiro realizado em um espaço de maior largura.

O intérprete Pitty de Menezes estava bastante empolgado com o rendimento do carro de som e de demais segmentos da Imperatriz.

“A minha avaliação é muito positiva do ensaio. Era necessário esse ensaio. Você vê que a escola está cantando muito, a comunidade está cantando muito. A bateria com o canto, com o carro de som, está muito compacta, está um casamento fantástico, Lolo, carro de som, a bateria Swing da Leopoldina. A escola está em um nível muito alto na minha avaliação. O samba maravilhoso, segmentos de altíssimo escalão. A Rafaela e o Phelipe Lemos, comissão de frente com o Marcelo Misailidis, está tudo lindo. A minha avaliação é positiva. É uma preparação para que a gente faça o que a gente está fazendo aqui na Sapucaí”, entende Pitty.

Mestre-sala e porta-bandeira

Juntos de novo, Phelipe Lemos e Rafaela Theodoro, que formaram o primeira casal na Rainha de Ramos de 2011 a 2015, fizeram uma grande apresentação, mostrando todo entrosamento, correlacionando o estilo mais clássico da dança, que é peculiar aos dois, com algumas expressões corporais e passos no contexto do enredo, bem Nordeste. Claro que ainda há alguma coisa para limpar na dança. O destaque também ficou para os guardiões que interagiam com a dupla em uma coreografia remetendo ao cangaço tão presente no enredo de Lampião.

Bateria

Comandados por mestre Lolo, os ritmistas da “Swing da Leopoldina” iniciaram a apresentação com seu próprio comandante tocando zabumba ainda no alusivo que veio anterior ao samba de 2023. Depois já a frente da bateria, mestre Lolo trouxe algumas bossas já com relação a ritmos nordestinos, sempre dentro da melodia e métrica da música, como no trecho do refrão do meio “e foi-se então, adeus capitão”. Lolo revelou ao site CARNAVALESCO que trabalha com o andamento de 144 a 146 BPM (batidas por minuto) e que pretende trazer zabumba, mas que neste ensaio de forma específica não foi usada. O diretor de carnaval, Mauro Amorim, elogiou o comandante da “Swing da Leopoldina” e disse que o processo de trabalho com o profissional explica o sucesso da bateria da Imperatriz.

“É (Lolo) um cara fantástico, é um baita artista, é responsável, trabalha junto, acompanha o processo junto, está sempre conosco em todos os momentos. É maravilhoso trabalhar com o Lolo, é uma baita profissional que enche a gente de orgulho e dá retorno, não é a toa que fez mais uma grande apresentação”, explica Mauro.

Evolução

Em seu segundo ensaio de rua, a Imperattiz decidiu dessa vez por uma rua de maior largura e extensão. Apesar do calor mais intenso de fim de tarde, os componentes evoluíram de forma constante, sem deixar buracos ou grandes espaços e sem embolar componentes ou alas. Não foi perceptível também nenhum momento de correria. Pequenos tripés representavam os elementos alegóricos da escola. A Rainha de Ramos também vai apostar em algumas alas coreografadas principalmente no início da escola. No ensaio deste domingo, a Imperatriz mostrou bom entrosamento dessas alas com coreografia sem perder a espontaneidade que é tão necessária a escola.

Para melhorar ainda mais a performance da comunidade, o diretor de carnaval André Bonatte explicou os próximos passos na preparação da Imperatriz.

“Ensaio não para, inclusive, na semana do Natal, provavelmente, a gente vai fazer um ensaio na quinta-feira. A gente está agregando essa questão. Você não pode ficar parado. A gente tem ainda a semana que vem com ensaio de sexta e domingo. A partir de janeiro é força total”.

Outros destaques

Agora já coroada oficialmente como rainha, Maria Mariá reinou a frente da bateria com samba no pé e simpatia. As crianças eram as que mais procuravam a rainha. O carnavalesco Leandro Vieira também participou do ensaio com muita alegria e bastante descontraído evoluindo próximo a bateria na maioria das vezes. A presidente Cátia Drumond veio à frente da escola também bastante animada.