Um grande desfile da bateria da Unidos da Ponte, sob o comando de mestre Branco Ribeiro. Uma conjunção sonora de bastante qualidade foi apresentada. Incluindo bossas potentes que acrescentaram sonoridade baiana à “Ritmo Meritiense”.

Uma bateria da Ponte muito bem afinada foi notada. Marcadores de primeira e segunda foram precisos durante o desfile. Já os surdos de terceira contribuíram com uma sonoridade envolvente. Pelos médios, um naipe de repiques coeso se exibiu em conjunto com caixas de guerra altamente ressonantes. É importante, inclusive, destacar o trabalho brilhante das caixas em bossas. Foi ela a cereja do bolo de um trabalho de concepção musical criativa de muito bom gosto, que conectou a “Ritmo Meritiense” à baianidade pedida pelo tema sobre o Dendê.

Uma parte da frente do ritmo com um desempenho elevado e a altura da cozinha da bateria da Ponte foi percebida. Um naipe de tamborins de alta profundidade técnica tocou entrelaçada com uma ala de chocalhos igualmente poderosa. A convenção rítmica dos tamborins tinha uma conexão louvável com a obra da escola e também buscava levadas baianas em alguns trechos. É possível dizer, inclusive, que o casamento musical entre tamborim e chocalho foi um ponto alto da cabeça da bateria. Cuícas sólidas e agogôs corretos, com batida pautada pela melodia, também auxiliaram no preenchimento da sonoridade das peças leves.

Bossas intimamente ligadas ao samba-enredo da escola de São João de Meriti foram exibidas com bastante capricho. Uma criação musical privilegiada foi apresentada, se aproveitando bastante da levada baiana que atrelou o ritmo da Ponte ao enredo do Dendê, numa escolha que poder ser considerada sábia.

A apresentação no primeiro módulo de julgadores (cabine dupla) foi satisfatória. Já na segunda cabine, a fluência rítmica foi até maior, garantindo uma exibição enxuta. A melhor apresentação se deu no encerramento, no último módulo de julgamento, onde com tempo de sobra por não ter entrado no recuo, a bateria da Ponte deu um verdadeiro e autêntico sacode. Mestre Branco Ribeiro, diretores e ritmistas certamente saíram satisfeitos após um grande desfile da “Ritmo Meritiense”.