“Faz tremer o chão”, o verso do samba da Mangueira para o carnaval de 2024 pode ser sentido na prática no quarto ensaio de rua da Verde e Rosa, realizado no último domingo (17), na Avenida Estação Primeira, no bairro do Maracanã. O canto da comunidade mangueirense foi, mais uma vez, o grande destaque da apresentação da escola, alinhado à bateria “Tem que respeitar meu tamborim”, dos mestres Rodrigo Explosão e Taranta Neto. O samba-enredo da escola, em homenagem a cantora Alcione, se provou funcional. O ensaio durou aproximadamente 55 minutos.

Em 2024, a escola levará para a Avenida o enredo “A Negra Voz do Amanhã”, que homenageará a cantora Alcione, dos carnavalescos Guilherme Estevão e Annik Salmon, e será a quarta agremiação a desfilar na Marquês de Sapucaí, na Segunda-Feira de carnaval. No treino deste domingo, a Comissão de Frente, dos coreógrafos Lucas Maciel e Karina Dias e o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Matheus Oliverio e Cintya Santos, não participaram.

“Foi um grande ensaio, mais uma vez. Nós estamos no caminho certo, a cada ensaio está melhorando, tanto a evolução, quanto o canto da comunidade e o nosso samba. A cada ensaio, nós vamos melhorando e evoluindo até o dia do nosso desfile, onde estaremos 100% do que a gente espera”, destacou o Diretor de Carnaval da Mangueira, Junior Cabeça.

Harmonia

O canto da comunidade da Estação Primeira de Mangueira pôde ser ouvido por todos os cantos da via onde a escola realizou seu quinto ensaio rumo ao carnaval de 2024. Todas as alas da escola, do início ao fim, entoaram, com muita força, o samba-enredo que a Verde e Rosa levará para a avenida. O trecho “Mangueira! de Neuma e Zica// dos versos de Hélio que honraram meu nome// levo a arte como dom// um brasil em tom marrom que herdei de Alcione” era fortemente cantado pela comunidade e marcava o início de uma explosão, até o refrão principal do samba. O carro de som da escola, comandado pelos interpretes Marquinho Art’Samba e Dowglas Diniz teve contribuição fundamental para o bom desempenho da harmonia mangueirense, ao conduzir e sustentar com maestria o samba-enredo da escola. No quesito, destaque também para a ala 4, que entoava com muita força todos os versos da obra que homenageará a cantora Alcione.

Evolução

Mesmo sem estar com todo seu contingente no ensaio, a evolução dos componentes da Mangueira pela Avenida Estação Primeira ocorreu de maneira fluída, coesa e sem apresentar buracos ou clarões. As alas da escola demonstraram muita leveza, animação e desenvoltura ao longo dos cerca de 55 minutos de treino. Destaque para a ala de passistas da Mangueira, que vestidos no verde e rosa da escola, demonstraram muito samba no pé e simpatia para com o público presente no ensaio.

Samba-Enredo

O ensaio de rua da Mangueira pôde confirmar o crescimento do desempenho do samba-enredo da escola desde a escolha na disputa. A obra, dos compositores Lequinho, Júnior Fionda, Gabriel Machado, Fadico, Guilherme Sá e Paulinho Bandolim, se mostrou extremamente funcional. O refrão principal e, sobretudo, o bis anterior, “Ela é Odara, deusa da canção/Negra voz, orgulho da nação”, foram muito cantados pelos componentes da escola. O grande desempenho do samba da Mangueira só foi possível graças ao belo trabalho musical da bateria “Tem que Respeitar meu Tamborim” e do carro de som da Verde e Rosa.

“Está sendo muito bom, principalmente pelo fato de estarmos conseguindo colocar em prática todas as nossas ideias musicais. A gente sabe que tem coisas que a gente imagina, mas que, na prática, não acontecem. Tudo que a gente está construindo, a gente pensando e executando com uma qualidade muito boa e esse ano, temos um samba que estamos conseguindo explorar principalmente pelo fato de termos Alcione, que prima pela voz, temos muitos arranjos vocálicos, uma construção musical que estamos fazendo junto com a bateria, pensando principalmente na questão musical que Alcione nos traz, todas as referências que ela tem”, comentou o Diretor Musical da Mangueira, Vitor Art.

“A gente conseguiu trazer Alcione para dentro do nosso samba. A gente conseguiu colocar em praticas as ideias e está dando tudo certo”, completou o Diretor Musical Digão.

Outros Destaques

A bateria da Mangueira, comandada pelos Mestres Rodrigo Explosão e Taranta Neto, foi um dos grandes destaques do ensaio de rua da Verde e Rosa. Ao longo de todo ensaio, os ritmistas da “Tem que Respeitar meu Tamborim”, mesmo sem estar com contingente completo, sustentaram com maestria o ritmo e elevaram o desempenho do samba-enredo e da harmonia da escola. Em um verdadeiro show a parte, a bateria realizou diversos bossas. No trecho em que cita o “Boi de Maracanã” até o refrão do meio, com o “Tambor de Crioula”, a bateria realizava uma bossa que remetia à musicalidade do Maranhão, estado de origem de Alcione. No bis anterior ao refrão, o do “Ela é odara”, era realizado um “apagão”, que era prontamente correspondido pelo canto da comunidade.

“Gostei bastante do ensaio, hoje a bateria estava com um contingente menor, pois estamos em uma maratona de ensaios. Mas, o contingente que estava hoje foi bastante produtivo e a tendência é melhorar, pois está chegando o carnaval, a rotina de ensaios aumentou e a galera está pegando mais confiança. Se Deus quiser, a gente vai levar tudo de bom para avenida e trazer os 40 pontos”, ressaltou o Mestre Rodrigo Explosão

“O ensaio foi bastante positivo, hoje foi mais para a gente usufruir o canto da escola, sincronizar com a bateria. Está tudo saindo super bem nesses ensaio de rua que fizemos até hoje”, concluiu o Mestre Taranta Neto.

A brilhante rainha de bateria da Mangueira, Evelyn Bastos, marcou presença, mais uma vez e esbanjou simpatia e samba no pé para o público presente. Ao final, Evelyn foi tietada por um grande número de crianças que acompanhavam o treino.