InícioGrupo EspecialExpectativa no alto! Squel fala em fantasia maravilhosa do casal da Portela...

Expectativa no alto! Squel fala em fantasia maravilhosa do casal da Portela no Carnaval 2024

Em entrevista ao site CARNAVALESCO a porta-bandeira da Portela, Squel, aumentou ainda mais a expectativa do portelense ao falar sobre a fantasia do casal para o desfile no Carnaval 20274. “Podem abordar a fantasia do casal como algo maravilhoso”, revelou Squel Jorgea,com brilho nos olhos e um sorriso.

Foto: Sad Coxa/Divulgação Rio Carnaval

“Já vestimos duas vezes, vamos para a terceira e sairemos com a fantasia finalizada. É linda, está muito linda”, garantiu o mestre-sala Marlon Lamar.

O casal da azul e branca de Madureira entende a relevância do desfile neste ano. A centenária da Sapucaí representará as mulheres negras no desfile de 2024, com o enredo “Um Defeito de Cor”, baseado na obra da escritora Ana Maria Gonçalves.

Para Squel, o enredo significa “gratidão, renascimento, dar a volta por cima, força, coragem e resiliência”. Como mulher negra, ela se sente representada, a artista define emocionada:

“É não desistir nunca. É pelo meu filho, o Henrico, é para minha mãe, é para os meus que me acolhem, que não me deixam, que estão ali me protegendo, me acolhendo sempre, sempre, sempre, sempre. É gratidão eterna”.

Foto: Vitor Melo/Divulgação Rio Carnaval

A história do enredo se desenrolará na avenida através de uma carta imaginada pelos carnavalescos Antônio Gonzaga e André Rodrigues. No texto, o baiano Luís Gama, um abolicionista, advogado e escritor, que foi separado de sua mãe Luísa Mahin, também conhecida como Kehinde, quando criança, se dirige a ela. Luís Gama, nascido de uma mãe negra ex-escrava livre e pai branco, foi vendido como escravo aos dez anos. Gama enaltece o legado deixado por sua mãe, conforme descrito em um livro.

À frente da Águia, o casal falou sobre o tradicional e o moderno e também fez uma autoavaliação do trabalho deles. Marlon se define como do “time clássico” e defende as tradições. “Acho que a tradição deve ser mantida. Para a manutenção do carnaval, o samba como um grande espetáculo evolui. Mas a dança do mestre-sala e porta-bandeira, acredito que o olho no olho, o horário anti-horário, o afeto e o carinho, isso deve ser intocável”.

Squel concorda em parte com o companheiro, defende a tradição e se define como a porta-bandeira que seguia a tradição à risca, em um momento em que o moderno era “a moda”. No entanto, ela comenta sobre ter sido “penalizada demais” em 2005, quando estava à frente da Grande Rio por ser “tradicional demais”.

Foto: Alexandre Vidal/Divulgação Rio Carnaval

“Já fui penalizada por ser considerada tradicional demais, isso em 2005, em 2015 os jurados deram um alerta: ‘Alô, vocês estão se perdendo, voltem para a essência’. E quando me olhei, eu não me perdi. Eu continuei acreditando em mim, e é o que continuo acreditando, é essa dança que me abastece, que alimenta minha alma, meu corpo e me faz acreditar em continuar”, avaliou.

O casal da agremiação compartilharam seus pensamentos sobre a importância do ensaiador e diretor artístico em seu desempenho, eles defenderam a importância deste “terceiro olhar”, mas também afirmam produzir a coreografia.

“Nossa ensaiadora não montou a coreografia. Nós montamos a coreografia. Ela nos ajuda a lapidar, ela nos ajuda a limpar. É sempre muito bem-vinda, ela é uma pessoa maravilhosa. Para nós, acho extremamente importante”, disse Marlon.

Squel, complementou as palavras de Marlon, destacando a relevância desse terceiro olhar. “Ter esse olhar, nos observando, compreendendo nossos limites e identificando o que podemos alcançar, é fundamental. Isso é muito significativo e traz gratificação ao casal. Visto que nosso trabalho pode ser bastante solitário, ter outra pessoa conosco para compartilhar nossas preocupações é crucial”.

Foto: Vitor Melo/Divulgação Rio Carnaval

E, no meio de tudo isso, a admiração mútua e a paixão que ambos têm por trabalhar juntos é evidente. Marlon descreve Squel como a personificação da resiliência, uma verdadeira guerreira e uma “amazona em forma de pessoa”. Enquanto isso, Squel enaltece Marlon como um exemplo de acolhimento, carinho e afeto.

“Squel? Ela é a resiliência, com certeza. É uma mulher guerreira, é uma amazona. Isso aqui é uma amazona em forma de pessoa”, disse Marlon. Squel acrescentou com um sorriso no rosto: “Você é muito acolhedor, é carinho, é afeto”.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...