A Vila Isabel escolheu o samba-enredo da parceria de Dinny da Vila, Kleber Cassino, Mano 10, Doc Santana e Marcos para o desfile no Carnaval 2023. A final aconteceu na noite de domingo e a quadra recebeu as presenças da rainha de bateria, Sabrina Sato, do carnavalesco Paulo Barros, do patrono Capitão Guimarães, e ainda teve uma linda homenagem para o intérprete Gera. No ano que vem, a escola do bairro de Noel vai apresentar o enredo “Nessa festa, eu levo fé”, desenvolvido pelo carnavalesco Paulo Barros, que retorna para agremiação em sua terceira passagem. A proposta é mostrar as mais diferentes festas e celebrações ao redor do mundo. * OUÇA AQUI O SAMBA CAMPEÃO

Festa da parceria campeã na Vila Isabel. Fotos: Allan Duffes/Site CARNAVALESCO

“É uma vitória que a gente está esperando há muito tempo. Faz 30 anos que um samba da comunidade não vem para final e ganha. É muito gratificante, a nossa escola merece, vamos apresentar um carnaval maravilhoso, temos um carnavalesco maravilhoso que é o Paulo Barros. Já fui campeão em 2008 e houve uma junção. Dessa vez, eu acredito que a humildade, o respeito e a união da parceria foram fundamentais para essa vitória, claro, a mão de Deus fez toda diferença, estamos muito felizes”, disse o compositor Dinny da Vila.

Parceria de Dinny da Vila, campeã na disputa de samba para o Carnaval 2023

“Sentimento único, um samba realizado por mim, pelo Mano 10, pelo Dinny da Vila, pelo Doc Santana, pelo Marcos França, e por toda a comunidade de Vila Isabel. O sonho virou realidade graças a Deus. A gente acha que a gente tem os dois refrões muito forte, a melodia totalmente para cima, e a letra toda dentro do enredo, conforme a gente tirou as dúvidas com o carnavalesco Paulo Barros”, comentou o compositor Kleber Cassino.

Presidente da Vila festeja com os compositores vencedores

“Indescritível! Somos nascidos e criados em Vila Isabel, no morro dos Macacos, sempre admiramos todos os compositores desta escola. Tínhamos muita fé de que um dia também poderíamos conseguir. O ‘Evoé’ nos trouxe essa vitória”, completou Mano 10.

Compositores campeões ressaltaram força da comunidade no samba

Ao CARNAVALESCO, Paulo Barros falou sobre o retorno para Vila Isabel e a expectativa pelo desfile de 2023. “Estou muito feliz e muito animado com esse retorno para Vila. A gente tem uma escola que com o Luizinho e o Guimarães tem um apoio fantástico que a gente precisa, eu não tenho do que reclamar. Estou feliz sim, a gente vai fazer uma grande festa, essa é a vontade da Vila Isabel. Queremos festejar a alegria, a gente rezou pra isso acabar (pandemia), essa reza se transforma em enredo, trouxe as festas religiosas, os ritos de alegria, de emoção e diversidade. Esse é o intuito do nosso carnaval, festejar a alegria”.

Carnavalesco Paulo Barros retornou para Vila Isabel

Presidente mais novo do Grupo Especial, Luiz Guimarães, conversou com o site CARNAVALESCO sobre a nova geração chegando forte no comando das escolas de samba.

Luiz Guimarães é o presidente mais jovem do Grupo Especial

“Acredito que é um outro olhar para o carnaval. A gente tem outra percepção não só de coisas que podem somar, mas podem agregar também não só de desfile, mas para o espetáculo como um todo. A nossa geração está procurando passar essas ideias para os mais velhos. É uma responsabilidade ainda maior. Independente das críticas é poder realmente apresentar o trabalho que está sendo feito, independentemente da idade, o foco é o melhor para Vila Isabel. Com o tempo também eu vou aprendendo, sou muito novo ainda, tenho noção de que tenho muito o que aprender ainda no carnaval com os mais velhos, sempre querendo o melhor para colher os frutos lá na frente”.

Capitão Guimarães festejou com os compositores o samba da Vila para 2023

O dirigente prometeu um grande desfile da Vila Isabel em 2023. Segundo ele, será de fácil leitura e sem perder a essência do carnaval.

“O Paulo Barros está muito feliz, muito esperançoso. Ele conversa com a gente. Conseguimos entregar para ele a confiança novamente. Tenho certeza que tem tudo para dar certo essa dobradinha. Ganhar ou não é consequência, o carnaval é de alto nível, são grandes escolas, nivelado por cima. É um detalhe e estamos disputando. Vamos fazer um grande carnaval, acho que só tem como mostrar isso no dia, mas o pré-carnaval vai ser fundamental também. Carnaval de coisas bem tradicionais, de fácil leitura, mas também não perdendo a essência da escola, não perdendo a essência do carnaval. Temos um enredo altamente criativo”, garantiu Luiz Guimarães.

Moisés Carvalho, diretor de carnaval da Vila Isabel

Responsável pela direção de carnaval da Vila Isabel, Moisés Carvalho comentou a oportunidade de voltar a trabalhar com o amigo Paulo Barros e revelou detalhes da preparação da escola. “O Paulo é um amigo conquistado no carnaval e fora isso, é muito bom trabalhar com um artista do nível do Paulo. Nós nos conhecemos bem. Eu entendo bem ele e ele me entende. Nós escolhemos o samba hoje. Só vamos voltar os ensaios no dia 26. Vamos trabalhar o canto da escola, o carro de som, que já começou, porque estamos com aulas de canto, trabalhando em conjunto com o Tinga. Bateria com carro de som”, explicou Moisés Carvalho.

Elegência do casal de mestre-sala e porta-bandeira da Vila Isabel

O diretor fez um balanço do desfile de 2022 e comentou como está o trabalho no barracão.

“O ano de 2022 foi maravilhoso. Queremos manter a pegada e a alegria. Para 2023 vamos trazer mais e mais a valorização da comunidade. É só ver nossa disputa do samba, com muita disponibilidade de entrada franca, sambas da comunidade, muita carteirinha distribuída. Essa é nossa intenção. Queremos estar cada vez mais próximos da comunidade, porque ela é muito especial e fundamental para um grande desfile. Estamos com os protótipos de fantasia finalizados e estamos começando o processo de reutilização. Já estamos trabalhando nas alegorias. Estamos em desenvolvimento de ferro, madeira, escultura, cumprindo com todo o projeto já aprovado pelo presidente”.

Cris e Marcinho na final de samba da Vila Isabel

O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marcinho Siqueira e Cris Caldas, revelou empolgação com a fantasia para o desfile de 2023. Eles ainda fizeram um balanço da exibição deste ano.

“A ideia é manter como foi em 2022. Ficou legal e gostamos. Já começamos a nos preparar para 2023, porque queremos algo diferente e para isso é preciso muito ensaio. Eu prefiro não responder (sobre a fantasia), porque senão entrego, mas vai continuar dando o que falar. Vocês vão ver”, contou a porta-bandeira.

Casal da Vila Isabel dança na quadra na final de samba

“Vamos manter o estilo apresentado em 2022, mas iremos acrescentar mais coisas. A fantasia foi uma proposta apresentada e a gente gostou, mas ainda estamos estudando, porque está em desenvolvimento”, completou o mestre-sala.

Escolhido o samba da Vila para o Carnaval 2023, o desafio de mestre Macaco Branco, da “Swingueira de Noel”, é desenvolver o trabalho da bateria com bossas e arranjos que se adequem a um enredo que tem por natureza uma diversidade muito abrangente de ritmos por falar de tantas manifestações religiosas.

Mestre Macaco Branco é o comandante da Swingueira de Noel

“É um enredo muito abrangente, ele viaja pelo mundo todo, são festas religiosas e toda religião tem o seu tema musical, a sua característica musical. Isso para a ‘Swingueira’ vai ser muito legal, a gente poder passear um pouco nos ritmos do mundo todo e se Deus quiser com esse grande samba trazer o título para a nossa Vila Isabel, pois a Vila já está há 10 anos em jejum”.

Conhecido pelo seu DNA inventivo, o carnavalesco Paulo Barros sempre procurar inovar em diversos segmentos. E um dos que em geral reservam mais surpresas para o público é a bateria. Paulo já colocou ritmistas em cima de carro alegórico, já fez bolas de gás saírem dos chapéus dos componentes e já abriu a bateria para a passagem de um carro cheio de gangsters. É possível pensar que vem coisa boa por aí na Vila. Mestre Macaco Branco, inclusive, já conversou com o carnavalesco sobre possibilidades para a “Swingueira de Noel”.

Gera, Macaco Branco e Tinga na final da Vila Isabel

“Já conversamos sim, estamos bolando uma coisa diferente, uma surpresa na Avenida, se Deus quiser a arquibancada vai se emocionar com o trabalho que nós vamos fazer juntos com o nosso carnavalesco Paulo Barros. E vamos essa semana começar a pensar na gravação do samba porque a disputa estava muito acirrada, tinha três grandes sambas, nós fomos saber o resultado mesmo aqui. Agora, nós vamos começar a trabalhar o samba que não é mais da parceria, é da Vila Isabel”.

Diretor de harmonia, Marcelinho Emoção, citou a vontade da direção em ter a comunidade ainda mais próxima da agremiação. “A única mudança é na comissão de frente e no carnavalesco. O resto continua na mesma pegada, com uma equipe forte, com o presidente novo, e a experiência do nosso patrono. Junto a isso, temos um samba vindo da comunidade. A Vila só tem a ganhar para 2023. Temos agora o Douglas como diretor musical e estamos trabalhando para alcançar nota máxima na harmonia. Esse ano em harmonia vamos focar em recuperar a nota máxima. A escola está muito unida com sua comunidade e é fruto do trabalho do presidente e do patrono. Eles estão buscando recuperar a ligação com a comunidade”.

Marcelinho Emoção, diretor de harmonia da Vila Isabel

Comandante do carro de som da Vila Isabel, o intérprete Tinga está acostumado a vencer finais de samba. Na escola em que trabalha, ele assiste de camarote. Ao CARNAVALESCO, o cantor respondeu se tem algum segredo para tantas vitórias e falou sobre não ter Martinho e nem André Diniz na decisão da azul e branco.

“Não tem segredo não, é só cantar com amor e alegria sempre. Não pode nunca faltar alegria. Hoje é um pouquinho diferente, porque são dois nomes (Martinho e André Diniz) muito presentes, principalmente, o André. Mas ele tomou a decisão dele, porque tem um trato e uma amizade com o Martinho. Os sambas que estavam concorrendo eram ótimos, são da comunidade e teremos um samba ótimo”.

Solta o bicho! Tinga é o intérprete da Vila Isabel

Festa com show dos segmentos

A Vila Isabel realizou sua final de samba com bom público, principalmente em relação a um domingo, e fez a apresentação dos segmentos antes da disputa propriamente dita. O início teve alguns sambas de autoria de seu presidente de honra Martinho da Vila, cantados por Tinga e seu carro de som, e com a apresentação de passistas.

Em seguida, o grande repertório da Vila Isabel esteve presente com um passeio a sua história, de sambas mais antigos como “Cirandeiro, Cirandeiro” e ” Kizomba”, até os mais recentes e vitoriosos como “Festa no Arraiá” e “Soy Loco por ti América”, e outros que não chegaram a vitória mais emocionaram como “Semba de Lá”. Para encerrar a apresentação, a escola tocou o hino de 2022 em homenagem a Martinho da Vila com a tradicional coreografia de estátua, em que todos ficam parados segundos antes de entoar o “Partideiro, Partideiro Ó”.

Vila Isabel homenageia Gera com o nome do cantor no palco da escola de samba

Antes da apresentação dos sambas finalistas, a Vila Isabel fez uma linda homenagem para o intérprete Gera. O palco foi batizado com o nome do cantor. “Há 40 anos chegamos (Capitão e Perlingeiro) o Gera já estava por aqui batalhando e cantando, foi campeão em 1988, com o Kizomba. O Gera é uma figura ímpar na Vila Isabel. É mais do que merecida essa homenagem, entre tantos que merecem na Vila Isabel, o Gera é um dos que mais merecia”, disse Capitão Guimarães.

Análise das apresentações das parcerias na final

Parceria de JC Couto: A primeira parceria a se apresentar na grande final da Vila Isabel trouxe como intérpretes principais Emerson Dias e Dowglas Diniz. Em relação a apresentação, fora da torcida que estava bem empolgada, não se percebeu tal comoção nos segmentos e no público em geral. Poucas pessoas fora da parceria estavam cantando o samba. A parte de maior destaque era o refrão principal que citava “Com a Vila eu vou nessa festa”. Na parte visual a parceria trouxe balões e bandeiras nas cores da escola.

Parceria de Dinny da Vila: A segunda parceria teve como voz principal Ito Melodia e trouxe o rei momo Wilson Dias, que sambou no palco evidenciando o trecho do refrão principal que dizia “O rei Momo convidou minha Vila Isabel…”, trecho que pegou no público, principalmente em seu final no trecho que se repetia, “Evoé, Evoé”. Em comparação com a primeira parceria e terceira, no samba de Dinny da Vila foi percebido um interesse maior da comunidade e segmentos em relação ao canto e festa propriamente dita, envolveu e o clima mudou na quadra. No aspecto visual, a torcida trouxe bandeiras nas cores da Vila Isabel. Uma chuva de balões vindo do teto caiu sobre a torcida mais para o final da apresentação.

Parceria de Tinguinha: A última parceria a se apresentar na final da Vila Isabel tinha como cantores principais Celsinho Mody e o próprio Rafael Tinguinha que encabeçava a parceria. A obra tinha como grande ponto de destaque no canto o refrão “É a festa do povo…”. Em relação ao público, o samba teve um grande desempenho na apresentação pela energia dos intérpretes. Nos segmentos esteve um pouco mais frio. No aspecto visual, a parceria trouxe bandeiras e balões, e antes do samba começar, com a quadra com a iluminação mais diminuída houve pela torcida o uso de celulares, realizando um bonito efeito. Uma cascata de faíscas caiu do teto iluminando a torcida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui