InícioGrupo EspecialEm nova eliminatória da Tijuca, parcerias de Júlio Alves e de Totonho...

Em nova eliminatória da Tijuca, parcerias de Júlio Alves e de Totonho despontam novamente como as melhores apresentações

Outras parcerias que também se destacaram nessa mais recente etapa da competição foram as de Eduardo Medrado e de Márcio André

A Unidos da Tijuca realizou em sua quadra, na noite dessa quinta-feira, mais uma etapa do concurso de samba-enredo para o Carnaval de 2024. Como parte da série “Eliminatórias”, a reportagem do site CARNAVALESCO esteve presente e acompanhou essa nova fase da competição promovida pela azul pavão e amarelo-ouro da Zona Norte do Rio. Ao todo, sete obras seguem no páreo, sendo que cada uma teve 20 minutos para se apresentar. O anúncio das classificadas será feito na próxima segunda-feira, às 17h, nas redes sociais da agremiação. Já a sequência da disputa acontecerá na quinta-feira que vem, dia 22 de setembro.

No ano que vem, a escola do Borel levará para o Sambódromo da Marquês de Sapucaí o enredo intitulado de “O Conto de Fados”, assinado pelo carnavalesco Alexandre Louzada, cuja proposta é fazer uma viagem a Portugal para mostrar diversos aspectos da história do país como fábulas, mistérios e lendas populares. A Unidos da Tijuca será a quinta agremiação a cruzar a Avenida no domingo de Carnaval, dia 11 de fevereiro, em busca do quinto título de campeã da folia carioca.

Parceria de Gilmar L Silva: O primeiro samba a se apresentar na eliminatória tijucana foi o composto por Gilmar L Silva, Mauro Gaguinho de Araruama, Marquinho Bombeiro, Sergio Pires, Fernando Gogó de Ouro e Pires de Praia Seca. O intérprete Serginho do Porto foi o responsável por defender a obra, que teve um desempenho mediano na quadra. Os momentos de maior rendimento foram os refrões, especialmente o refrão do meio com os versos “Meu olhar marejou nas ondas do mar/ Marejou meu olhar mareja/ Tesouro guardado em terra de ofir/ Que as águas do tejo irão refletir”. A torcida veio com adereços de mão, que consistiam em bastões decorados com balões nas cores da agremiação. Por conta da chuva que atingiu a cidade do Rio no fim da tarde e início da noite de quinta, alguns torcedores não conseguiram comparecer. Porém, mesmo com o número reduzido de pessoas, o grupo não fez feio. Cantaram, pularam e até fizeram coreografias. Os picos de animação e de canto ocorreram justamente nos refrões. Quanto ao restante da quadra, não houve muita adesão ao samba. A maioria dos presentes apenas assistiu aos 20 minutos de apresentação, sem esboçar reações.

Parceria de Júlio Alves: O samba de autoria de Júlio Alves, Cláudio Russo, Jorge Arthur, Silas Augusto, Chico Alves e D’Sousa foi o segundo a se apresentar em mais uma noite de eliminatória da Unidos da Tijuca. O intérprete Tinga, voz oficial da Vila Isabel, foi quem conduziu a obra, que teve uma performance muito boa na quadra. O destaque foi o refrão principal com os versos “Gira baiana perfumada de alecrim/ Que a Unidos da Tijuca defuma no benjoin/ Roda na gira a saia de linho rendado/ Que o fado vira samba, e o samba vira fado”. Outro trecho que sobressaiu foi “Portugal das glórias que revelam o passado/Ao monstro que sangrou escravizados/E veio aportar no mar/Que brilha sob o céu de vera cruz/ Um banho de alfazema que conduz/O santo rosário e o povo de fé/ Pra cantar o fado tijucano/Macumbado de amém e axé”, presente na segunda estrofe, cuja o desenho melódico enriquece o samba. Ornamentada com bandeiras estilizadas do pavilhão da escola, estampas com o número da parceria, a torcida se mostrou bastante animada. Eles vibraram e fizeram coreografias o tempo inteiro. Se observou também uma boa recepção do restante da quadra ao samba. Foi possível notar diversas pessoas dançando e cantarolando a obra ao longo dos 20 minutos de apresentação. Entre essas pessoas estavam alguns membros de segmentos, como a velha-guarda e as baianas.

Parceria de Márcio André: A terceira obra a se apresentar foi a assinada por Márcio André, Igor Federal, Daniel Katar, Bello, Diogo Nogueira e Igor Leal. O intérprete Nêgo, da União da Ilha do Governador, comandou o microfone oficial com segurança. A torcida, uma das maiores da noite, realizou uma verdadeira festa na quadra. Com bandeiras e balões nas cores da agremiação, eles cantaram e dançaram sem parar. Antes mesmo da apresentação começar, os torcedores já entoavam a obra com força. Os momentos de explosão aconteciam nos refrões, em especial durante o refrão principal, com os versos “Hoje o Borel desce em romaria/ Veste a fantasia rumo a Portugal/ Lá vem Tijuca de alma lusitana/Fadada pra brilhar nesse carnaval”. Apesar desse show promovido pela torcida, a reação do restante da quadra em relação a obra foi apenas tímida, com poucas pessoas cantando ou sambando ao longo do período de apresentação.

Parceria de Eduardo Medrado: Dando sequência nas apresentações, a quarta obra na eliminatória tijucana foi a composta por Eduardo Medrado, Kleber Rodrigues, Adolpho Konder, Sandro Nery, André Braga e Luiz Pavarotti, com as participações especiais de André Diniz e Evandro Bocão. Os intérpretes Tem Tem Jr. E Chitão Martins defenderam o samba, que teve um ótimo rendimento na quadra. Os cantores souberam conduzir a obra com firmeza, valorizando o desenho melódico dela, sem que ficasse arrastada. O refrão principal, com os versos “Ó virgem santa, por favor/Mãe Fátima que vive lá no céu/Proteja com seu manto de amor/Meu povo tão humilde do Borel”, foi um dos grandes destaques, assim como o refrão do meio. Quanto à torcida, o grupo veio com bandeiras azuis e amarelas, além de estandartes com a imagem de Nossa Senhora de Fátima. Empolgados, eles pularam e cantaram ao longo dos 20 minutos de apresentação, especialmente nos refrões entoados a plenos pulmões.

Parceria de Leandro Gaúcho: O quinto samba a se apresentar na noite de eliminatória foi o composto por Leandro Gaúcho, Gustavinho Oliveira, Marcus Lopes, Josemar Manfredini, Aldir Senna e Alexandre Cabeça. Assim como ocorreu na semana passada, houve problemas técnicos na parte de som. Por conta disso, a apresentação teve um atraso em seu início. Após cerca de cinco minutos, a situação foi contornada. A obra teve condução feita por uma dupla de intérpretes formada por Bruno Ribas e Emerson Dias, vozes oficiais da Unidos de Padre Miguel e do Salgueiro, respectivamente. Os dois mostraram sintonia e, ao lado dos cantores de apoio, conseguiram fazer o samba render na quadra. O ponto alto foi o refrão principal com os versos “Ao som do cavaco, que veio de lá/ Um conto de fados, eu sou Tijuca, ó pá/ O nobre gajo que herdou esse traço imortal/ De união Brasil – Portugal”. Em relação a torcida, o grupo veio com balões nas cores da Unidos da Tijuca, além de bandeiras dos dois países. Eles se mostraram bastante animados e até fizeram algumas coreografias. Quanto ao restante da quadra, a obra teve uma boa recepção, sendo possível observar diferentes pessoas cantando durante a apresentação, porém poucos desses eram ligados a segmentos.

Parceria de Sereno: A obra de autoria de Sereno, Dinny da Vila, JB Oliveira, Camila Lúcio, Deiny e Mano Kleber, com as participações especiais de Wagner Zanco e Almeida Sambista, foi a sexta a se apresentar. O intérprete Wander Pires foi o encarregado de defender o samba e explorou a característica melódica dele. No entanto, o bom desempenho do cantor não foi o suficiente para fazer a obra ir bem na quadra. “Sou ouro de mãe/ E azul pavão/ Mostra teu segredo, me dê proteção/ Senhora do manto, milagroso véu/ Abençoa o povo do Borel”, foi o ponto alto. Já a segunda estrofe se destacou negativamente, devido a queda acentuada de rendimento neste trecho. Quanto à torcida, o grupo veio com bandeirinhas estampadas com o pavilhão estilizado da escola e demonstraram muita energia. Com relação ao canto, ele tinha picos de força justamente no refrão principal.

Parceria de Totonho: O sétimo e último samba da noite de eliminatória tijucana foi o assinado por Totonho, Marcelo Adnet, Fadico, Dudu, Gabriel Machado e Rodrigo Alves. A obra teve o intérprete Igor Sorriso, da Mocidade Alegre, no comando do microfone principal. O time de cantores ainda contou com a presença de Igor Vianna, da Unidos de Bangu. A torcida, uma das maiores da noite, fez bonito na quadra. Com bandeiras nas cores azul e amarelo, eles cantaram, sambaram e fizeram coreografias. Os momentos de explosão ocorreram durante o refrão principal, com os versos “A emoção cruzou o mar/ Pro teu segredo revelar/ Enquanto bater um coração tijucano/ O amor renascerá/A emoção cruzou o mar/ Pro teu segredo revelar/Enquanto bater um coração lusitano/ O amor renascerá”. O restante da quadra também reagiu positivamente a apresentação. Não foi difícil ver pessoas ligadas a segmentos da escola, como harmonia e passistas, dançando e entoando a obra com vontade.

- ads-

Nícolas Gonçalves acerta com Tucuruvi para fazer parceria com dupla de artistas da escola

Além da renovação de Dione Leite e Yago Duarte, o Tucuruvi anunciou a chegada do carnavalesco Nícolas Gonçalves que estará na parceria com a...

Tucuruvi anuncia renovação de carnavalescos para o desfile de 2025

O Tucuruvi anunciou nesta segunda-feira a renovação da dupla de carnavalescos, Dione Leite e Yago Duarte, para o desfile do ano que vem. Confira...

Elogiado e recomendado no passado por Laíla, Marquinho Marino fala da chegada na Beija-Flor: ‘sei do tamanho e magnitude’

Considerado um dos melhores diretores de carnaval do Rio de Janeiro, Marquinho Marino chegou na Beija-Flor. Em entrevista especial para o site CARNAVALESCO, ele...