InícioGrupo EspecialDiogo Jesus e Bruna Santos: 'Temos que continuar pensando de onde nós...

Diogo Jesus e Bruna Santos: ‘Temos que continuar pensando de onde nós viemos para continuarmos focados aonde a gente quer ir’

Após um início em 2020 com uma certa desconfiança do público, Diogo Jesus e Bruna Santos tiraram de letra as críticas e estão representando o pavilhão da Mocidade Independente de Padre Miguel com um bailado de alto nível. Em entrevista ao site CARNAVALESCO para a Série Entrevistões, o casal contou sobre a superação no início, o trabalho com a coreógrafa Vânia Reis, os rumos da dança do mestre-sala e da porta-bandeira, suas inspirações e as expectativas para esse carnaval.

Fotos de Allan Duffes/Site CARNAVALESCO

Qual balanço da carreira de vocês?

Bruna Santos: “Eu venho desde 2020 como primeira porta-bandeira da Mocidade Independente de Padre Miguel. É uma honra defender esse pavilhão ao lado do meu mestre-sala Diogo Jesus. Ele tem bastante experiência, me ajuda bastante. Assim como minha coreógrafa também, que com sua experiência na dança me ajuda bastante”.

Diogo Jesus: “Um balanço muito positivo. Por mais que eu tenha passado por altos e baixos na minha carreira. Agora, ao lado da Bruna eu venho me consolidando com essa parceria gigantesca junto com a Vânia. A Mocidade tem me dado uma estrutura genial (…) Destaco uma importância maior de estar ao lado dessa porta-bandeira incrível. É uma troca muito positiva, uma energia muito boa que a gente troca. Um balanço muito positivo de 2017 para cá”.

Diogo, quem é sua referência como mestre-sala? E por qual motivo?

Diogo Jesus: “Minha referência como mestre-sala é o Julinho, não escondo (risos). Ele sabe também o quanto eu o admiro, o quanto eu o tenho como parceiro, como amigo. Ele é uma pessoa genial dentro e fora das escolas de samba. Eu destaco mais a vida dele fora da dança, é um cara íntegro. A postura dele me encanta muito. Mas dentro da dança é aquilo: é um fenômeno”.

Bruna, quem é sua referência como porta-bandeira? E por qual motivo?

Bruna Santos: “Não é segredo para ninguém. Minha referência é a Marcella Alves do Salgueiro. A dança dela me encantou. Eu me tornei porta-bandeira pela primeira vez vendo ela dançar, quando ela era da Mocidade Independente de Padre Miguel. Para mim a dança dela é encantadora. Ela tem uma bailado leve, tranquilo, suave, aquela coisa bem clássica mesmo”.

O mestre-sala vem sempre sendo muito cobrado em cortejar mais a porta-bandeira do que dançar sozinho. Acha que falta mais esse ‘olhar’ do mestre-sala para a porta-bandeira?

Diogo Jesus: “Dentro da minha dança não está faltando. Porque estou o tempo todo olhando para a minha porta-bandeira. A minha dança é em torno da porta-bandeira e do pavilhão. Acho que eu não tenho que fazer mais ‘firula’ quem tem que fazer é a porta-bandeira. ‘Firula’ no sentido de dança, quem tem que fazer é a porta-bandeira junto com o pavilhão, e eu só tenho que proteger. O menos para mim é mais, e a gente bem trabalhando isso. A minha coreógrafa Vânia Reis desde quando começou a ensaiar a gente, vem trabalhando isso. Está nítido que a minha dança é em torno da porta-bandeira. Graças a Deus eu tenho sido pouco visado, no bom sentido, porque eu só estou ali para proteger. Na nossa dança isso não é preocupação”.

Acreditam que o julgamento do quesito nos próximos anos voltará a ser mais focado na dança ou a coreografia chegou para ficar e ganhar mais protagonismo?

Bruna Santos: “Eu acredito que os julgadores são bem preparados, eles vão julgar o tradicional mesmo. Como tudo vem mudando no carnaval, eles também gostam de ver um pouco de coreografia. Mas acredito que eles têm o julgamento deles, a forma correta de julgar. Eles vão julgar o certo”.

Diogo Santos: “Meu olhar é técnico. Novamente vou destacar a Vânia, porque é uma bailarina, já tem uma escola de dança, já está no ramo há muitos anos, forma muitas bailarinas e bailarinos. Ela traz esse olhar técnico para a gente. Eu não entendia nada disso, se você me pergunta isso há três anos atrás, eu não ia saber responder. Mas hoje, eu tenho esse gabarito para responder, porque ela passa para a gente. Ele (o jurado) vai julgar a dança e a coreografia. Porque uma coisa leva a outra. Não tem como a gente destacar um do outro. A nossa dança é baseada na nossa coreografia, e vice e versa. Não tem como fugir disso”.

Vocês foram muito cobrados quando foram anunciados e venceram na Avenida. Foi duro encarar aquele momento? Como conseguiram superá-lo?

Bruna Santos: “Foi bem difícil naquele momento. Até porque eu estava na minha escola. Não esperava receber esses ataques (…) Tivemos a nossa coreógrafa que foi coreógrafa, mãe , psicóloga, que estava todo o tempo ali com a gente. Toda a diretoria estava também dando suporte. A gente se blindou. Eles nos fortaleceram, mas não foi fácil. Começou a se tornar fácil, porque estávamos com pessoas ao nosso redor que nos abraçaram para não ficarmos com essa loucura na cabeça”.

Diogo Jesus: “Ainda está sendo um processo. Porque, a gente nunca pode esquecer o que a gente passou lá atrás. A gente tem que sempre lembrar da nossa base, de onde nós começamos. Eu acho que a nossa parceria começou com uma desconfiança. Hoje se a gente tira notas boas, é porque lá atrás deram um suporte para a gente. A escola deu suporte para a gente. Nós tivemos a coreógrafa que trabalhou incansavelmente para que a gente pudesse dar as notas. É um trabalho de trio, em conjunto. Não posso esquecer tudo que nós passamos, foi um processo muito difícil. Com todas as notas que a gente vem ganhando, com todos os prêmios que a Bruna ganhou (…) Temos que continuar pensando de onde nós viemos para continuarmos focados aonde a gente quer ir”.

O que você sente quando já é apontada como uma das maiores portas-bandeira da escola e que terá muito futuro pela frente?

Bruna Santos: “É uma honra estar como uma porta-bandeira para o futuro. Fico com aquele friozinho na barriga. Porque é uma responsabilidade, até mesmo pelas próximas que estão vindo. Temos também o nosso projeto de mestre-sala e porta-bandeira lá da Mocidade Independente de Padre Miguel. Ser essa porta-bandeira do futuro para o carnaval me deixa mais nervosa pelas crianças que estão vindo”.

Dançar com uma porta-bandeira que é muito elogiada traz um impulso para a sua dança como mestre-sala?

Diogo Jesus: “Com certeza. A Bruna desde o início foi uma troca. Até um pouco antes da Vânia chegar, a Bruna apontava meus erros nos ensaios, eu apontava os erros dela também. Hoje, vendo esses elogios todos em torno da Bruna, só me dá mais carinho, mais amor por ela, amor ao pavilhão. É igual ao Messi, o Neymar quer jogar ao lado do Messi. Eu quero jogar do lado da melhor. Eu estou do lado da melhor.”

Como é a troca de vocês com o carnavalesco? O que podemos esperar da fantasia de 2023?

Diogo Jesus: “A troca é muito boa. Graças a Deus ele nos ouviu. Antes de desenhar as fantasias, ele quis ouvir a gente. Ele tem deixado a gente livre para apontar os nossos defeitos quanto a fantasia. O que a gente pode melhorar, o que ele pode também melhorar na fantasia. São profissionais maduros que sabem o que vão fazer. A troca é positiva demais”.

Bruna Santos: “O Marcos é maravilhoso. Foi como o Diogo falou, ele deixou a gente bem à vontade para opinar sobre a fantasia. O que vai nos atrapalhar, ele dá um jeitinho para melhorar. O Marcos tem sido extraordinário com a gente. Ele é um carnavalesco maravilhoso”.

O que não pode faltar em uma porta-bandeira perfeita?

Bruna Santos: “Essa pergunta é meio difícil de responder. Acho que a humildade, o carinho e a simpatia. Isso não pode faltar em nenhuma porta-bandeira”.

O que não pode faltar em um mestre-sala perfeito?

Diogo Jesus: “O mestre-sala só tem que defender o seu pavilhão com muita galhardia e cortejar sua porta-bandeira. Para mim, esses são os dois pontos de um mestre-sala perfeito.

Qual é a declaração que o Diogo faz olhando para a Bruna? E qual a declaração que a Bruna fala para o Diogo?

Diogo Jesus: “Minha bonequinha (risos). Ela sabe que eu tenho um carinho imenso por ela. Ela sabe que tudo que a gente passa é para o nosso crescimento. A gente tem mais momentos bons do que ruins. Quando os momentos ruins chegam, nós sentamos para conversar. É difícil, mas a gente chega, senta e conversa. Porque são duas pessoas com personalidade muito forte. Mas mesmo assim a gente não deixa isso afetar nossa parceria. Nós temos, mais uma vez ressaltando, a nossa coreógrafa do nosso lado. A pessoa que fica ali ditando os dois lados. Porque chega, conversa (…) Minha porta-bandeira é meu orgulho, tem feito um trabalho genial”.

Bruna Santos: “Só tenho a agradecer a ele por todo trabalho que tem feito ao meu lado. Se hoje eu estou chegando a esse nível, é graças a ele, a experiência dele. A experiência dele naquele início foi primordial. Ele sabia tudo que a gente tinha que fazer naquele momento, era a minha primeira vez passando ali. Ele é, com todo respeito, f* para caramba. Ele é essencial para a minha dança, assim como a nossa coreógrafa que nos ajuda bastante. O Diogo, como eu falei em outras entrevistas, foi um príncipe naquele momento, e está sendo uma grande parceria ao lado dele”.

- ads-

União do Parque Acari anuncia renovação de Cida Lima e novo reforço para direção de carnaval

A União do Parque Acari está a todo vapor preparando-se para o Carnaval de 2025, e as novidades não param de chegar. A agremiação...

Multivacinação movimenta dia de ações sociais no Salgueiro

No último sábado, a quadra do Acadêmicos do Salgueiro, localizada na Rua Silva Teles, no bairro do Andaraí, foi palco de uma importante iniciativa...

Marcus Ferreira é o novo carnavalesco da União da Ilha

Após a reeleição do presidente Ney Filardi, no domingo, a União da Ilha anunciou a contratação do carnavalesco Marcus Ferreira, que estava em 2024...