InícioGrupo EspecialDespedida de Max Lopes: familiares e personalidades reconhecem o trabalho de um...

Despedida de Max Lopes: familiares e personalidades reconhecem o trabalho de um dos maiores artistas do carnaval

Familiares, amigos e personalidades do carnaval participaram da despedida do carnavalesco Max Lopes, na manhã desta terça-feira, no cemitério Parque da Colina, em Niterói. O artista faleceu na noite do último sábado, aos 85 anos, vítima de um câncer de próstata avançado. Ele foi tricampeão do Grupo Especial. Duas vezes com a Estação Primeira de Mangueira (“Yes, Nós Temos Braguinha”, de 1984, e “Brazil com ‘Z’ é pra cabra da peste, Brasil com ‘S’ é nação do Nordeste”, de 2002) e uma vez com a Imperatriz Leopoldinense (“Liberdade! Liberdade! Abra as asas sobre nós”, de 1989).

Fotos: Diogo Sampaio/CARNAVALESCO

“Trabalhar com o Max era algo inexplicável. Ele foi um amigo, mas do que um simples carnavalesco. Era o nosso pai. Como coreógrafa da equipe dele, me sinto muito orgulhosa. Não vai morrer nunca, ele deixou um legado para todos nós. Ele passava uma humildade gigantesca. A lembrança fica das piadas que ele fazia e da pessoa, amiga, generosa e encantadora”, disse Elizete Mascarenhas, integrante da equipe do Max.

Carnavalesco campeão em 2023, em São Paulo, pela Mocidade Alegre, Jorge Silveira, falou da relação com Max. “Trabalhei dois anos com o Max. Aprendi muito. Representa um período grandioso do carnaval. Todos nós devemos muito ao Max. É uma despedida dele, mas nunca da obra. É imortal! O trabalho dele é eterno. Nós continuaremos o legado e que ele tenha uma caminhada de luz. O amor que ele tinha ao carnaval e a maneira como considerava o carnaval são marcas que não podemos deixar de acreditar. Precisa continuar vivo, através dos nossos carnavais, e vai continuar”, afirmou.

Mauro Quintaes, carnavalesco da Porto da Pedra, citou a amizade com Max Lopes e como começou na carreira, através da parceria com “o bigode mais famoso do carnaval”.

“A gente se falava pelo telefone. Me ligava frequentemente. Comecei a trabalhar com o Max há 26 anos. Durante nove anos, eu aprendi tudo com o Max. Não estaria aqui hoje, falando como carnavalesco, se não fosse ele. O bigode mais famoso do carnaval. A grande marca dele. Espero que as futuras gerações reconheçam a história dele. Precisam conhecer os nomes que vão nos deixando. Lei natural da vida. A nossa história mais feliz foi quando fizemos o carnaval dos ciganos, na Viradouro, a alegoria pegou fogo, mas todo o Sambódromo aplaudiu o Max. Foi fantástico ver o reconhecimento das pessoas com ele. Ciganos e Dercy têm a assinatura estética dele. Sou grato e vim me despedir do colega de trabalho, amigo, que me encaminhou na carreira”, comentou.

- ads-

Mocidade apresenta novidades na boutique: camisetas dos orixás e boneco temático do Castorzinho

Após o sucesso do lançamento da camiseta em homenagem ao São Jorge, a Estrela Guia de Padre Miguel apresentou novidades para seus torcedores e...

Empolgada com repercussão do enredo, integrantes da Vila Isabel celebram expectativa para o Carnaval 2025

A Vila Isabel terminou o Carnaval de 2024 em sexto lugar. A escola chegou a disputar o primeiro lugar no início da leitura das...

Ansiosos com as novidades, segmentos do Tuiuti já pensam no sorteio para 2025; Mestre Marcão quer desfilar na segunda

Após ter ficado em nono lugar no último carnaval, o Tuiuti vem cada vez mais consolidado no Grupo Especial. Já tendo enredo definido para...