Com o enredo “Brava gente! O grito dos excluídos no bicentenário da Independência”, desenvolvido pelos carnavalescos Alexandre Louzada e André Rodrigues, a Beija-Flor irá mostrar na avenida um novo conceito sobre a Independência do Brasil. “Deixa Nilópolis cantar/Pela nossa independência, por cultura popular” é um dos versos que está na boca dos componentes nilopolitanos e faz parte do samba-enredo escolhido pela escola. De autoria dos compositores Léo do Piso, Beto Nega, Manolo, Diego Oliveira, Julio Assis e Diogo Rosa, a agremiação está na busca pelo título do carnaval de 2023. O site CARNAVALESCO acompanhou a gravação da faixa e revela um pouco os bastidores.

As escolas de samba já estão se preparando para o carnaval de 2023. E a Beija-Flor não é diferente. Diretor de carnaval da escola, Dudu Azevedo explica sobre o calendário de ensaios. “No final de novembro vamos começar os ensaios de rua, em dezembro só vai ter um, depois em janeiro vamos direto. Até a Sapucaí devemos fazer uns seis ou cinco ensaios na Mirandela”.

A Beija-Flor irá contar com uma das personalidades da música brasileira em seu carro de som em 2023. Ludmilla estará ao lado do intérprete Neguinho da Beija-Flor cantando o hino escolhido do próximo carnaval. Dudu conta como foi a escolha da cantora para integrar o carro.

“Foi escolha total do Neguinho. Ele é a maior voz do carnaval carioca viva e convidou a Ludmilla no ano passado. Só que ela não podia, já esse ano deu e estamos indo com tudo. Ela também vai participar da gravação da faixa”.

Arranjador musical da faixa da Beija-Flor para o álbum, Alceu Maia relata o que preparou de arranjo para o samba em conjunto com a bateria da escola.

“A bateria da Beija-Flor é uma das mais organizadas. Todas são nota 10, mas eles têm uma sutileza em certas coisas e os arranjos que fiz foi baseado numa ideia que eu tive, com as do mestre Rodney. Vai ter bandolim, que não é algo que se use muito. Basicamente é uma novidade”.

No comando da bateria Soberana, mestre Rodney conversou com a equipe do site CARNAVALESCO e disse que o andamento da bateria para a gravação foi de 142 BPM. Ele também deu detalhes de como foi o processo de criação das bossas para a faixa.

“A gente aproveitou o que o samba tem de melhor, que é característica. Ele é muito rico melodicamente, e fomos felizes. Achei um arranjo e o samba ajuda muito. Têm várias saídas e variantes para que assim dê para a gente curtir e aproveitar a melodia”.

O fato do andamento da bateria ter sido em 142 BPM foi algo que agradou muito ao mestre Rodney. Para ele foi bem confortável estar nesse ritmo e que na avenida será um pouco mais. Sobre o samba, o comandante da Soberana deixa claro se ele é mais técnico ou na emoção.

*O samba é tudo, é técnico, emotivo. Todo mundo aqui no estúdio viu que ele é muito bonito e belíssimo. Tem uma mensagem muito forte”, diz.

Além disso, o mestre Rodney da a sua avaliação sobre o trabalho que estão fazendo e sobre o samba que a Beija-Flor de Nilópolis irá levar para avenida em 2023.

“A nota é para mais de dez com certeza. Pois estamos trabalhando muito e é um trabalho árduo. E que papai do céu recompensou a gente com essa gravação maravilhosa”.