Neste domingo o Maracanã do Samba vai estar lotado. A grande quadra da Mocidade Independente de Padre Miguel, localizada às margens da Avenida Brasil, vai receber a grande final de samba enredo que vai definir o hino da escola para o Carnaval 2023. Três parcerias seguem na disputa: “Dudu Nobre”, “Diego Nicolau” e “Igor Leal”. A obra escolhida vai embalar o enredo “Terra de meu Céu, Estrelas de meu Chão”, que está sendo desenvolvido pelo carnavalesco Marcus Ferreira. Durante as eliminatórias, o site CARNAVALESCO conversou com um representante de cada parceria para entender o que eles podem dizer para defender sua obra e sobre a expectativa por ter um samba sendo apresentado pela Mocidade, na Sapucaí.

Eduardo Hollanda/Divulgação

A parceria de Dudu Nobre conta também com os compositores Jefinho Rodrigues, Gustavo Clarão, Marquinho Índio, Ricardo Simpatia, J. Giovane, Prof. Renato Cunha e Luciano Chuca. Ricardo Simpatia convocou todos os independentes a se divertirem com o samba.

“Concorrendo com este samba a gente está fazendo arte aqui na Mocidade. Quero convocar todo mundo. Alô galera, vem fazer arte com a gente. Vem amassar com a mão. Vem com a Mocidade Independente fazer essa arte na Avenida Marquês de Sapucaí. A escola é a terceira a desfilar e a Marquês de Sapucaí quer alegria. E alegria é a Mocidade na Avenida, todo mundo evoluindo, e vai ser aqui como foi nas eliminatórias, todo mundo cantando, com alegria, foi um show”, finalizou o compositor.

Outra parceria é a de Diego Nicolau que concorre junto aos poetas Richard Valença, Orlando Ambrósio, Gigi da Estiva, W Correa, Leandro Budegas e Cabeça do Ajax. O compositor Diego Nicolau falou sobre o sentimento de compor para a Mocidade.

“Quando a gente compõe para a escola de coração, não adianta, é diferente. Às vezes, a gente acerta, às vezes não. Mas o importante é que nós estamos fazendo com amor pela escola. Todos os anos eu estarei aqui, ganhando ou perdendo, isso é certo. E eu estou muito feliz com o nosso samba, nossa parceria toda está muito feliz. Vamos fazer um trabalho bonito até o final e a escola sempre tem acertado na escolha do samba. A gente confia plenamente. Eu acho que o refrão do meio é uma parte que o pessoal está falando muito desse samba”, revela Diego Nicolau.

Por fim, na grande finalíssima da Mocidade, está a parceria de Igor Leal que também conta com os compositores Cristiano Plácido, Gabriel Teixeira, Rodrigo Medeiros, Bruno Serrinho, Guto Listo, Gilberto Monteiro e Wilson Paulino. Cristiano Plácido acredita que o samba da parceria tem agradado ao público que tem comparecido a Verde e Branca da Zona Oeste.

“Estou na escola há treze anos como compositor, e o legal é que a gente tem conseguido nas eliminatórias trazer a emoção para a quadra. Eu acho, minha opinião, que o nosso samba conseguiu agradar a todos, todos caíram no samba, o nosso samba conseguiu agradar, se vai ser campeão, é outra coisa. Mas eu acho que conseguimos atingir pelo menos o público, a gente fez o nosso papel. O refrão do meio que diz ‘nós vai a luta’, acho que isso arrebenta, faz com que a galera consiga dar um sacode, e a galera entrar em nosso samba, a melodia também é bacana”, entende Cristiano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui