InícioGrupo EspecialGrande RioCompositores da Grande Rio vem com cavaco de onça para a Sapucaí

Compositores da Grande Rio vem com cavaco de onça para a Sapucaí

Representando cancioneiros do interior que cantam histórias da onça

Os compositores da Grande Rio vieram fantasiados de cancioneiros populares pantaneiros que contam e, principalmente, cantam os causos e histórias sobre as onças, revelando assim os “cruzos culturais” afro-ameríndios. Com o nome “Ponteio caipira e causos cantados”, pescadores, cordelistas, violeiros e repentistas são alguns dos cancioneiros representados pela indumentária.

De cavaco estampado de onça, os compositores vieram com uma capa verde e estampada por dentro, com algumas flores amarelas por fora, com camisas laranja, colares, um colete e calças verdes, evocando essa figura cancioneira que mora no interior do Brasil.

O presidente da ala, Licinho Jr., falou sobre essa representação da figura dos pescadores da floresta que contam causos, dentro do enredo, estando bem posicionados como esses pescadores: “A nossa figura está bem destacado dentro do enredo, como diz, a gente sabe que é uma história mística”.

Sobre a fantasia ele comentou: “É uma fantasia leve, que tem como a gente fazer um grande desfile, e toda contextualizada dentro do enredo”. Ele ainda citou o compositor Paulo Onça, integrante da ala, que por questões de saúde não pôde comparecer ao desfile deste ano: “Ele teria uma boa história sobre onças para contar”.

A diretora Lúcia estava muito animada com a preparação da ala, e destacou o que mais chamou atenção da fantasia: “Adorei o chapéu, adorei esses colares aqui maravilhosos. O nosso cavaco vem grandemente representando quem realmente somos”, falou citando o instrumento que veio como adereço de mão da roupa.

Já duas compositoras, Cecília, de sessenta e um, e Mary, de sessenta e nove, que desfilaram, acharam a fantasia quente e com muito volume e tecidos: “O colete poderia ser costurado na camisa, e não precisava das costas assim. Sei disso pois sou costureira também”, comentou Cecília, que continuou: “É uma fantasia grande e pesada, atrapalha a evolução da gente, a capa pesa, então pra gente cantar e evoluir é difícil”.

Mary, integrante da ala há quinze anos, citou a quantidade de roupa e o calor do verão como complicadores para o desfile: “É veludo com terê, com esse verão, botar essa roupa para quem é velho de idade. Vai passar mal na avenida”.

- ads-

Grande Rio deseja vir segunda ou terça de carnaval para buscar segundo título

Após um desfile de muitas inovações, principalmente, em relação ao uso da luz do Sambódromo, a Grande Rio se prepara para 2025, com grandes...

Expectativa da Mangueira para o Carnaval 2025 é recuperar lugar de destaque e encerrar os desfiles na terça-feira

Após terminar o Carnaval 2024 em sétimo lugar e ficar de fora do sábado das campeãs, a expectativa é que em 2025 a Mangueira...

Mocidade apresenta novidades na boutique: camisetas dos orixás e boneco temático do Castorzinho

Após o sucesso do lançamento da camiseta em homenagem ao São Jorge, a Estrela Guia de Padre Miguel apresentou novidades para seus torcedores e...