Por Gustavo Lima e fotos de Fábio Martins

A Nenê de Vila Matilde, que canta Lia de Itamaracá, teve como principal destaque a sua própria comissão de frente, onde se teve uma grande performance dos integrantes, principalmente da criança, que interpretava a própria homenageada. O casal de mestre-sala e porta-bandeira, que segurou o forte vento também foi destaque. O ‘Lado Leste’ entrou bem emocionado no desfile e mostra que apesar de tudo, está na busca pela vaga ao grande sonho, que é voltar ao Grupo Especial.

Assinado por Fábio Gouveia, o enredo da Nenê de Vila Matilde para 2024 é intitulado como “Cirandando a ida pra lá e pra cá. Sou Lia, sou Nenê, sou de Itamaracá”

Comissão de frente

A ala, que é comandada por Jeferson Ricardo, é uma beleza à parte. A apresentação tinha como figura principal uma criança menina representando Lia de Itamaracá. Segundo o carnavalesco Fábio Gouveia, o enredo consiste em tratar a cirandeira em algo lúdico, sem tanta coisa acadêmica.

Na apresentação havia vários integrantes. Homens que aparentavam representar pescadores, ficavam encantados pela pequena Lia e faziam um tipo de perseguição, até que uma figura do mar, uma espécie de caranguejo, protegia ela. Após, tudo dava certo e todos cirandavam em um tapete azul que era estendido, representando o mar.

É claro que havia outros detalhes na comissão de frente, mas só vendo para entender. É algo para se reverenciar a parte.

Mestre-sala e Porta-bandeira

O casal Cley e Thayla lutou bravamente contra as fortes rajadas de vento no Anhembi. Eles também pegaram a pista um pouco molhada, visto que choveu um pouco antes dos ensaios da própria Nenê e da Imperatriz da Paulicéia. Mas nada impactante. Deu para ensaiar com o chão mesmo sobre essas condições. O que preocupava mesmo era o vento, mas de toda forma, onde se analisou, a porta-bandeira não deixou o pavilhão enrolar no mastro.

Ao todo, o casal mostrou bastante sincronia entre os movimentos, nos giros e finalizações. Foi um ensaio satisfatório para a jovem dupla matildense.

Harmonia

Foi uma questão abordada no ensaio anterior. A comunidade da Nenê de Vila Matilde ainda tem certas dificuldades em algumas partes do samba, mas mesmo assim, houve uma melhora em relação ao primeiro ensaio. A verdade é que as escolas estão subindo o nível do primeiro para o segundo, e com a Águia não foi diferente.

As partes mais cantadas do samba são: “Firma na palma da mão/mostra sua tradição/é festa de coroação” e também o refrão principal – “Ô Lia entra na roda…”

Evolução

Neste ensaio houve uma melhora no andamento da escola. No primeiro treino se viu algo ‘morno’, mas em questão de dança não tem o que falar. Houve uma evolução com intensidade e com a comunidade evoluindo de um lado para o outro. Não há coreografia, mas o que se destaca é a parte das palmas sincronizadas nos versos do “Firma na palma da mão/mostra sua tradição/é festa de coroação”.

Samba-enredo

Interpretado por Agnaldo Amaral, o samba-enredo tem se destacado muito mais por seus refrões. É uma letra que realmente explica o enredo, explosivo, mas não se fez forte o canto da comunidade matildense, por exemplo, como foi em 2023.

O carro de som é experiente e conta com apoios de renomados, além do grande intérprete citado acima, que já está na escola há muito tempo.

Outros destaques

A “Bateria de Bamba”, do mestre Matheus Machado, mostrou um andamento forte, com surdos potentes e em alto volume. Deu uma marcação elevada para o samba.

As baianas, que especialmente da Nenê merecem respeito, pois a escola tem 76 anos. As mães do samba chegaram em um tom azul, na cor da escola.

A rainha de bateria, Gabriela Ribeiro, desfilou em uma espécie de palanque azul na frente da bateria. Optou por não ir no chão e sim ganhar um destaque maior.