A Mangueira realizou em sua quadra, na noite desse sábado e madrugada deste domingo, a eliminatória em chave única do concurso de samba-enredo para o Carnaval de 2024. Como parte da série “Eliminatórias”, a reportagem do site CARNAVALESCO esteve presente e acompanhou essa nova fase da competição promovida pela vere e rosa. Os classificados voltam ao palco no próximo sábado, dia 16 de setembro.

No ano que vem, a Mangueira será a quarta escola a cruzar o Sambódromo da Marquês de Sapucaí na segunda de Carnaval, dia 12 de fevereiro, pelo Grupo Especial. A agremiação levará para Avenida o enredo “A negra voz do amanhã”, que homenageia a cantora Alcione. O desfile terá a assinatura dos carnavalescos Guilherme Estevão e Annik Salmon.

Parceria de Thiago Meiners: A primeira parceria da noite foi dos compositores Thiago Meiners, Beto Savanna, Índio da Mangueira, Michel Pedroza, Wilson Mineiro e Julio Alves. Abrir a noite de apresentações com a quadra ainda fria é uma tarefa árdua para os compositores, mas eles conseguiram driblar e realizar uma ótima apresentação, mostrando ser uma das obras favoritas para ser o hino da Mangueira. A torcida veio numerosa com inúmeras bandeiras e com o samba na ponta da língua. O interprete da atual campeã, Pitty de Menezes veio mostrando que está em uma fase absurda e conduziu muito bem a obra. Tiveram vários pontos de destaque durante a apresentação: o refrão de cabeça que era bastante cantado pela torcida, a chamada para o refrão de cabeça que é fortíssima “Onde o samba é devoção, nasci pra te defender. Quem veste verde e rosa é sentinela de erê”. E outro ponto de grande destaque é a melodia do samba com suas inúmeras variações melódicas, como por exemplo: na primeira parte do samba “A voz forte e grave que não falha, instrumento de batalha, em seu timbre, em seu tom”. Apresentação forte da parceria.

Parceria de Gilson Bernini: Segunda parceria da noite foi composta pelos compositores Gilson Bernini, Xande de Pilares, Cadu, Edinho Gomes, Kiosque Raiola e Jorginho Bernini. Contando com uma torcida grande com inúmeras bandeiras assim como o primeiro samba, a obra mostrou que tem condições de chegar longe na disputa, realizando uma apresentação boa do início ao fim. Serginho do Porto e Ito Melodia levaram muito bem o samba, junto com os outros cantores no palco. Possui uma estrutura diferente com três refrãos que foram bem cantados pela torcida. Mas é inegável que o refrão de cabeça mexeu mais com a galera que estava lá. A parte do refrão “Ê Maranhão… Ê Maranhão” também foi um outro destaque na apresentação, assim como o primeiro verso do refrão do meio “Sou do vento de ‘mamãe’, sou ventania”. O desfecho desse mesmo refrão passou muito bem “É melhor me respeitar cada um com sua fé”.

Parceria de Lequinho: A quarta parceria da noite foi composta pelos compositores Lequinho, Júnior Fionda, Gabriel Machado, Fadico, Guilherme Sá e Paulinho Bandolim. A torcida também foi outra que marcou grande presença com bandeiras grandes. Tinga com sua excelência de sempre foi quem conduziu o samba. O palco deu um show, não deixando cair em nenhum momento.O segundo refrão foi um espetáculo, passando bem demais. O refrão principal, assim como nos sambas anteriores foi bastante cantado pela torcida. Um outro ponto de destaque foi na chamada para o refrão de cabeça “Ela é Odara, Deusa da Canção, negra voz orgulho da nação”. Lequinho e parceria estão buscando chegar bem longe na disputa e pela apresentação forte não deixou dúvida que isso é possível.

Parceria de Fábio Martins: A quinta parceria foi composta pelos compositores Fábio Martins, Jean Amaral, Michel Alegria, Marcelo Pastor, Romeu D’malandro e Fagundinho Gaspar. A torcida veio em número menor comparando com as anteriores, mas fizeram bonito cantando bastante o samba e com inúmeras bandeiras tremulando para todos os lados. Pixulé e Grazzi Brasil deram conta do recado no palco, defendendo muito bem o samba. O refrão principal é um dos melhores da safra e isso ficou visível hoje na quadra. A melodia é muito bonita e correta também. A obra possui algumas variações melódicas como por exemplo “Traz na herança a vontade de vencer, tecendo compaixão amor de mãe”. Outro ponto de destaque da obra é a preparação para o segundo refrão, com uma senhora chamada “Meu tesouro, meu torrão”. A segunda parte realça bem a riqueza poética. Fábio Martins e parceria podem sim sonhar em chegar longe na disputa, pois fizeram um samba de qualidade.

Parceria de Moacyr Luz: Nono samba que se apresentou nessa noite foi composto pelos compositores Moacyr Luz, Pedro Terra, Gustavo Louzada, Karinah, Compadre Xico e Valtinho Botafogo. Outro samba que trouxe uma torcida apaixonada com inúmeras bandeiras. Evandro Malandro e Nina Rosa foram bem demais na condução do samba. A apresentação foi muito boa e contou com alguns destaques como por exemplo a cabeça que já começa bem ” A voz, negra voz, tem o sangue verde e rosa”. O segundo refrão é curto e potente. O início da segunda, assim como aconteceu no início da primeira, é outro ponto de destaque. O refrão de cabeça foi muito cantado pela torcida que se manteve animada o tempo todo. Moacyr e parceria nunca entram para brincar e irão brigar até o fim.

Parceria de Samir Trindade: Décimo samba da noite foi composto pelos compositores Samir Trindade, Lacyr D’Mangueira, Rômulo Presidente, Thiago Portela, Cristiano David e Vinicius Fernandes. A torcida fez uma festa danada na quadra com muitas bandeiras assim como as outras. A sintonia entre palco e torcida foi absurda e foi a obra que mais levantou a galera hoje. Igor Sorriso e Quinzinho foram os responsáveis por conduzir o palco e fizeram muito bem o trabalho. No palco tinha uma pessoa trajada de Alcione. O refrão de cabeça foi berrado pela galera. O segundo refrão também foi muito cantado. A levada foi outro destaque e isso foi notável pelas pessoas que acompanhavam. A chamada para o refrão de cabeça era forte também “Quem pisou na passarela é um pedaço de mim, todo mundo sabe ao longe pelo som do tamborim”. A apresentação foi muito forte do início ao fim mostrando ser um dos grandes favoritos.

Parceria de Jocelino: Penúltimo samba desse noite foi dos compositores Jocelino, André Karta Markada, Garrido, Ubaldo dos anjos, Sandro Nery e Rogério Garrafa. A torcida veio grande e fez um barulho danado com inúmeras bandeiras. Wic Tavares com sua bela voz e Leandro Santos foram bem na condução. O samba tem uma melodia diferente do habitual, difícil de pegar em algumas partes, mas isso não foi um problema para a torcida que lá estava e nem para o palco, fazendo com que o samba obtivesse uma regularidade. A letra chama atenção pela riqueza de detalhes. O grande destaque da melodia está na parte “Quero te envolver nas fitas” e acaba de envolvendo mesmo de tão bom que fica cantar essa parte.

Parceria de Bete da Mangueira: A última parceria foi dos compositores Bete da Mangueira, Ronie Oliveira, Márcio Bola, João Carlos, Giovani, Jotapê e participação especial de Karen Silva. A torcida da parceria também fez bonito agitando bandeiras para todos os lados. O intérprete da União de Maricá, Matheus Gaúcho, deu conta do recado na condução do samba. O obra é animada, principalmente, por conta do refrão do meio e do refrão de cabeça. Melodicamente o samba rende mais na segunda parte, onde tem algumas variações interessantes como por exemplo no verso “pra te aplaudir mais uma vez a brilhar na avenida”. É a grande surpresa dos sambas classificados.