InícioSão PauloCanto da comunidade evolui mas Rosas de Ouro ainda tem pontos a...

Canto da comunidade evolui mas Rosas de Ouro ainda tem pontos a serem corrigidos em evolução

Por Matheus Mattos. Fotos: Felipe Araújo

A chuva que ameaçou desaparecer, voltou com força durante o ensaio da Rosas de Ouro. A água não afetou a empolgação dos componentes, que mostraram boa evolução no canto. Porém alguns trechos das alas se mostraram desorganizadas, comprometendo o quesito de evolução.

Comissão de frente

A comissão de frente da roseira evoluiu com a presença de um pequeno tripé, onde foi notado interação constante. A ala traz em sua coreografia uma triste história do país homenageado, o genocídio armênio. O quesito promete ser impactante e bem emocionante, visto pelo sentimento que já proporciona nos técnicos.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O casal oficial, Edgar e Isabel, optou por uma roupa mais leve, terno e vestido rosa. Ambos demonstraram bom sincronismo, performance positiva para o ano de estreia. Isabel aguardou o final do ensaio no canto da dispersão, abraçada com o pavilhão oficial e ao lado do Edgar.

Samba-enredo

A adversidade climática gerou problemas para o intérprete oficial, Royce do Cavaco. O cantor ficou parado no trânsito e perdeu a largada da escola, mas assumindo o microfone quando a bateria estava no recuo. De forma interina, a ala musical realizou apagões para destacar a força da comunidade.

Bateria

Comandada pelo mestre Rafa, a bateria com Identidade trouxe um andamento seguro e com boa sustentação. O clima da batucada estava contagiante, eles realizaram bossas e arranjos em boa parte do ensaio. A execução do recuo diferenciado beirou a perfeição por parte dos ritmistas e, encerrando o desempenho, todos integrantes da bateria se juntaram com muita felicidade. Um destaque perceptível também foi a adesivagem nova dos instrumentos, colorida com a cores da escola, azul e rosa, e o nylon com o logo da batucada.

Evolução

A escola sofreu um pouco com o quesito em determinadas partes. O andar da escola não foi uniforme e nem constante, e em frente ao setor A pode ser notado o efeito sanfona. No último setor alguns buracos e linhas tortas também estiveram presentes. Mas o primeiro setor da escola se destaca, pela presença de ala coreografada, casal, baianas e alegoria

Harmonia

O cantar da escola evoluiu em comparação aos últimos ensaios, porém a empolgação não foi constante, houve níveis diferentes de ânimo nos setores seguintes. A parte do “A Rosas” e “Tem que respeitar” são os trechos que a comunidade mais canta.

Destaques

A Velha-Guarda encerrou o desfile na última alegoria com muita simpatia, esbanjando samba no pé. A rainha de bateria, Ellen Roche, também esteve presente no último técnico. Outro ponto a ser notado é a quantidade de Armênios presentes no desfile, um número bem considerável.

- ads-

Grande Rio deseja vir segunda ou terça de carnaval para buscar segundo título

Após um desfile de muitas inovações, principalmente, em relação ao uso da luz do Sambódromo, a Grande Rio se prepara para 2025, com grandes...

Expectativa da Mangueira para o Carnaval 2025 é recuperar lugar de destaque e encerrar os desfiles na terça-feira

Após terminar o Carnaval 2024 em sétimo lugar e ficar de fora do sábado das campeãs, a expectativa é que em 2025 a Mangueira...

Mocidade apresenta novidades na boutique: camisetas dos orixás e boneco temático do Castorzinho

Após o sucesso do lançamento da camiseta em homenagem ao São Jorge, a Estrela Guia de Padre Miguel apresentou novidades para seus torcedores e...