InícioGrupo EspecialArtigo: 'Está faltando carreteiro em baterias?'

Artigo: ‘Está faltando carreteiro em baterias?’

Excessos de frases musicais, por vezes, encobrem o valor da sustentação musical

Sabe aquele ritmo irresistível, quase afrodisíaco, feito pelos tamborins e acompanhado de forma luxuosa pelo tilintar agudo dos chocalhos? O nome dele é carreteiro. Seu poder de encantamento musical é simplesmente incalculável, principalmente para quem nunca pisou em uma escola de samba.

Foto: Alexandre Macieira/Riotur

O modo de tocar o carreteiro de forma contínua no tamborim pode variar entre duas formas: 3 x 1 (três por um) ou 2 x 1 (dois por um), graças à flexibilidade das baquetas. Historicamente, por exemplo, as alas de tamborim da Estácio de Sá, Viradouro, Tijuca e Mocidade sempre apresentaram ritmistas de tamborim com execução diferenciada do carreteiro 2 x 1. Cabe ressaltar, que essa forma de tocar tamborim é genuinamente carioca, sendo inclusive repelida culturalmente e vítima de certa desconfiança musical em outras cidades com universo rítmico de baterias, como no carnaval paulista.

Hoje em dia, os desenhos de tamborim têm evoluído a um nível de pontuar musicalmente praticamente cada trecho melódico do samba-enredo. Isso com um acompanhamento cada vez mais presente do próprio chocalho, que quando não segue o que faz o tamborim, busca as brechas e espaços deixados por ele para executar suas convenções rítmicas.

Tal fato permitiu consistência musical notável, tanto no entrosamento entre os dois naipes, como em evolução rítmica individual e/ou coletiva. Quanto mais os desenhos rítmicos se aprofundam tecnicamente, mais a qualidade musical de quem os executa tende a subir. Como consequência imediata, isso proporcionou um rejuvenescimento das alas na última década. O volume de ensaios, aliada a cobrança de modo contínuo por excelência rítmica também contribuiu, mas isso está longe de ser o cerne principal desse texto.

A questão aqui é puramente musical. Pontuando todo trecho melódico não há praticamente um momento de respiro. O excesso de floreios, muitas vezes desnecessários, também pode se tornar prejudicial à sonoridade, de forma geral. Os naipes agudos precisam sempre ter a consciência musical que nasceram para acompanhar as alas da bateria e não tentar brilhar além das demais. Nada deve ferir o intuito principal que é fazer prevalecer o conjunto em perfeito equilíbrio, além da plena execução dos naipes, com fluidez. Com floreios demasiados se afeta diretamente exatamente a fluência.

A lacuna auditiva atual provocada pela sensação de pouco carreteiro acaba coincidindo com desenhos rítmicos com excesso de informação musical. Reside aí, portanto, a explicação de sua origem. O carreteiro, seja tocado com 3 x 1 ou 2 x 1, é um importante meio de sustentação musical. Alas de tamborins e chocalhos com carreteiros firmes são capazes de proporcionar um encantamento rítmico que se torna, sobretudo, uma experiência sensorial. Por razões meramente técnicas estamos deixando espectadores, foliões e desfilantes menos hipnotizados e inebriados pela inexplicável ausência do Pacaticapá ou Tagaragadá sem fim. O que seria das baterias, sem a união do carreteiro entre o chocalho e o tamborim?

Freddy Ferreira é colunista de bateria do CARNAVALESCO
- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...