InícioIntendenteAlegria da Zona Sul faz bom desfile sobre Caymmi, mas peca em...

Alegria da Zona Sul faz bom desfile sobre Caymmi, mas peca em evolução

Por Luiz Gustavo

A Alegria da Zona Sul entrou na avenida com o sol surgindo e dando o ar de sua graça, cenário perfeito para falar de Dorival Caymmi, que tanto cantou e exaltou o mar. E a escola fez um desfile bonito, colorido e de canto animado com o enredo “Dorival Caymmi: O mar e o tempo, nas areias de Copacabana”, porém problemas no quesito evolução deixam a escola em situação difícil na briga por uma vaga na série Ouro em 2024. A agremiação do Cantagalo foi a décima terceira escola a pisar na passarela da Ernani Cardoso no segundo dia de desfiles da série Prata.

Comissão de frente e Mestre-sala e Porta-bandeira

A comissão já abriu o desfile falando dessa relação de Dorival Caymmi com o mar, fazendo aparecer iemanjá em seu pequeno barco. Uma comissão com uma paleta de cores ideal para um desfile de manhã e de coreografia simples, mas bem trabalhada. Nas três cabines a comissão não apresentou problemas de execução. O casal realizou uma apresentação linear nas três cabines de jurados.

Enredo

Assim como a Cubango, a Alegria da Zona Sul reeditou um enredo apresentado anteriormente no grupo de acesso, neste caso em 2004. Marco Antônio Falleiros desenvolveu o enredo falando da relação de Caymmi com o mar, das pessoas que ele teve em volta durante a vida e da relação do compositor com o bairro de Copacabana, sede da Alegria da Zona Sul. Em algumas alas não se via uma homenagem ao universo de Caymmi com tanta clareza, mas o enredo foi dividido, principalmente aproveitando essa ligação de Dorival com o bairro da escola.

Samba

Um samba leve pra se desfilar, muito bem cantado por Ciganerey, que sustentou o samba durante todo o desfile. O samba foi um ponto forte da apresentação da Alegria, que veio animada muito pela trilha sonora que embalou o desfile.

Alegorias/Fantasias

Alegria apresentou um conjunto alegórico com bom acabamento, a última alegoria destoou em termos de concepção, o destaque foi o carro de xangô. As fantasias formaram um conjunto leve e bonito, com destaque para a bela ala de baianas. Foi um dos conjuntos mais lineares da noite.

Evolução/Harmonia

O calcanhar de aquiles do desfile da Alegria certamente é evolução. A escola abriu pequenos espaço entre suas alas e na demora de evolução do abre-alas um buraco se formou à sua frente, fazendo a escola travar pra não abrir um espaço ainda maior. A equipe da Alegria conseguiu resolver e apesar de apertada em relação ao tempo, a evolução voltou a ser sem sobressaltos, mas décimos preciosos podem ficar pelo caminho. O canto da escola funcionou bem nesse casamento com um samba leve, a escola passou animada e com o samba bem treinado, a obra não deixou o ritmo cair durante a apresentação.

Outros destaques

A bateria de mestre Victor Sergio animou o público presente com algumas bossas e arrancou aplausos empolgados dos jurados na segunda cabine.

- ads-

Jorge Silveira exalta preparação da Mocidade Alegre para ganhar duas categorias no Estrela do Carnaval: ‘São Paulo cada vez mais competitivo’

Em 2024, a Mocidade Alegre foi bicampeã do Grupo Especial do carnaval de São Paulo, conseguindo unir beleza e facilidade de leitura para tratar...

Ei Psiu! Emerson Dias comemora chegada no carnaval de São Paulo e estreia levantando comunidade da MUM

A Mocidade Unida da Mooca apresentou seu novo intérprete para o carnaval de 2025, e é Emerson Dias, que fará sua estreia em São...

É a bateria do Zaca! Mestre Serginho se diz contente pela proposta diferente e conquista do Estrela do Carnaval

A “Bateria do Zaca” vive uma fase espetacular. É o segundo ano consecutivo em que a batucada comandada por mestre Serginho conquista os 40...