A Unidos do Viradouro promoveu na segunda-feira eleições para presidente e vice da escola e para os conselhos Deliberativo e Fiscal. A chapa formada por Hélio Nunes (presidente), tendo como vice Moracyr Vergas do Amaral (vice) foi eleita por aclamação, já que foi a única inscrita.

Foto: Divulgação

O novo presidente ocupou a vice-presidência nos últimos três anos, mas faz parte do cotidiano da agremiação há seis anos, quando assumiu a responsabilidade de coordenar os eventos na quadra da agremiação, em Niterói. Moracyr, o novo vice, é integrante da Velha Guarda e ocupava vaga no Conselho Deliberativo.

Depois de eleito, Hélio ressaltou que, na prática, não haverá mudanças significativas na troca de comando:

“Tudo vai continuar funcionando da mesma maneira. O Marcelo (Calil) continua na presidência de honra e o Marcelinho deixa a presidência e passa a ocupar o posto de diretor-executivo. Eu vou continuar fazendo o que fiz nos últimos seis anos: coordenar tudo o que acontece na quadra e cuidar da preservação do patrimônio da escola”, revela.

Gestão de Marcelinho Calil foi marcada por grandes conquistas

Marcelinho Calil ocupou a presidência por dois triênios, como prevê o estatuto, e deixa a presidência com inquestionável retrospecto positivo no desempenho da escola em termos de resultados nos desfiles: campeonato da Série A em 2018; vice-campeonato do Especial em 2019, e campeã em 2020. Com o retorno dos desfiles após a suspensão do espetáculo na Marquês de Sapucaí, em 2021, por conta da pandemia de Covid-19, a Viradouro continuou figurando entre as primeiras colocadas: em 2022, ficou em terceiro lugar, e, no desfile deste ano, emplacou mais um vice-campeonato, resultados que deram à vermelho e branco a liderança do ranking dos últimos cinco anos da Liga dos Escolas de Samba.

Assumindo o posto de diretor-executivo, o ex-presidente aponta as principais características da personalidade profissional de seu sucessor.

“Quando eu e meu pai (Marcelo Calil) começamos a pensar na eleição, concluímos que o Hélio reúne tudo o que precisamos para dar continuidade ao modelo de gestão que implantamos na escola. É um cara de trabalho, que faz tudo com dedicação, e é muito querido e respeitado por prestadores de serviço, pelos segmentos e, principalmente, por componentes da comunidade”, conta Marcelinho.