InícioSérie OuroBanguValorização à ancestralidade das baianas está presente na fantasia da ala para...

Valorização à ancestralidade das baianas está presente na fantasia da ala para 2023 na Bangu

As baianas da Unidos de Bangu no desfile que conta a história da qualidade do Xangô menino, apresentando os festejos de Aganju, reservou para as baianas, matriarcas do samba e bastiões das religiões de matriz africana, uma parte central. Em “Awá Dupé… a roda de Xangô”, nome do figurino produzido para as guardiões do samba e religião, nos ritos Nagô, Ketu, Efon, Awá Dupé é um agradecimento a presença do rei de Oyó, o orixá Xangô.

A presidente da alas de baianas da Unidos de Bangu, Teresa Cristina, esclareceu mais sobre a fantasia, seu valor dentro do enredo e da religiosidade do tema, além de contar como as componentes ficaram felizes com o figurino.

“Fiquei muito feliz com a fantasia, com a escolha do tema do figurino e com o enredo. As baianas estão adorando, estão amando, vamos arrebentar na Avenida, mostrar a força que Xangô tem. Elas vem representando o Xirê de Xangô. É a força da escola, o orixá traz essa força. Todas adoraram porque todas adoram Xangô. Vai trazer uma grande energia, ainda mais que dessa vez não viemos abrindo a escola, deixando uma surpresa”, contou com alegria a presidente da ala.

Componentes da ala das baianas da Bangu, Maria Inês e sua irmã Maria Nazaré, falaram um pouco sobre a importância do figurino das matriarcas do samba apresentarem uma temática ligada ao afro e sua ancestralidade.

“Eu acho muito importante a gente não perder as nossas raízes,, as baianas em cada escola representam realmente a ancestralidade , na realidade partiu de Tia Ciata, então eu acho muito importante essa ala nunca acabar e a gente ter essa representação para os mais novos e que eles saibam contar a nossa história. Os novos não sabem mais , a gente se sente muito importante dentro dessa roupa, ainda mais com esse enredo”, conta Maria Inês.

A médica Maria Nazaré, irmã de Maria Inês, além de exaltar a fantasia e todo o seu significado, fez questão de ressaltar a valorização da cultura africana e das religiões de matriz dentro das escolas como um brado contra a intolerância.

“Em um momento que a gente vive tanta polarização religiosa, a demonização da cultura africana. Para as religiões de matriz africana, as escolas resgatam essa história da nossa ancestralidade, do povo preto que veio para ser escravizado e passa sua religiosidade de maneira bonita, alegre e não de forma como se fosse demoníaca. Respeito. As escolas de samba estão aqui representando uma religião que tem muita ancestralidade. É um brado contra intolerância, a gente tem que lutar até que todos nos ouçam. Temos terreiros de umbanda sendo destruídos e as pessoas que professam essa fé tem sido impedidas até de falar alguma coisa. Eu acho que isso tem que acabar”, acredita a baiana.

A baiana Valdemira Sacramento, aproveitou a importância da fantasia e do tema para lembrar de como as baians são importantes para as agremiações.

“É um resgate também do valor que as baianas tem. Tem muita gente que não valoriza a gente, mas na escola de samba a baiana não dá ponto, mas tira. Temos nossa importância no desfile porque somos ancestralidade das escolas, temos que ser valorizadas. Mas tem muita gente que não repara nisso. E além do desfile somos as pessoas que sempre ajudam nas escolas, na comida, barracão, fantasias”, completou a componente.

- ads-

Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues assumem Comissão de Harmonia no Arranco

Para o Carnaval 2025, o Arranco contará com uma Comissão de Harmonia formada por Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues. Jackson Carvalho começou sua...

Vizinha Faladeira será homenageada com conjunto de Medalhas de Mérito Pedro Ernesto

No próximo dia 23 de abril, a histórica Associação Recreativa Escola de Samba Vizinha Faladeira, uma das pioneiras no cenário do carnaval carioca, terá...

Jorge Silveira exalta preparação da Mocidade Alegre para ganhar duas categorias no Estrela do Carnaval: ‘São Paulo cada vez mais competitivo’

Em 2024, a Mocidade Alegre foi bicampeã do Grupo Especial do carnaval de São Paulo, conseguindo unir beleza e facilidade de leitura para tratar...