Com boa presença de público que visitava a exposição do Bicentenário na Fábrica do Samba, a Unidos de Santa Bárbara aproveitou para movimentar as famílias presentes no evento. O presidente da escola, Nel Costa estava muito entusiasmado com tudo que aconteceu no local.

“Essa exposição, bicentenário, a Lúcia e organização no geral, meu amigo, eles tiraram leite de pedra. Foi a coisa mais maravilhosa do mundo, a história linda, e no meu modo de ver, ela trouxe a gente para duzentos anos atrás, e isso bateu com a gente”.

Antes da apresentação, a Santa Bárbara passeou pela exposição com um grupo grande, ritmistas, presidente, baianas, ala musical, destaques de chão, e era nítido ver a conexão de todos com a exposição. As baianas reagiram na sala dos escravos acorrentados, tirando foto com as mãos dadas ao manequim que representou o escravo. Outro momento na exposição é quando tem um espelho e fala sobre quem é importante no carnaval, emoção total.

Santa Bárbara colocou público para sambar

A Unidos de Santa Bárbara agitou a Fábrica do Samba neste sábado, com a voz imponente de Elci Souza, a agremiação da zona leste de São Paulo cantou sambas populares e com isso colocou público presente para a roda de samba. Também atraindo trabalhadores dos barracões para acompanhar a apresentação da escola.

A interação da escola com o público foi algo marcante, os destaques da escola colocaram crianças para dançar, a Velha Guarda bem animada também trazia pessoal para sambar. Enquanto Cleyton Sorrilha e Beatriz Lima levaram o pavilhão da escola.

Elci Souza, que foi até premiada como melhor intérprete do Grupo de Acesso II em 2022, relembrou o samba da escola de 2020 e também cantou o de 2023. Por fim, a bateria Ritmo Tempestade comandada por Mestre Wallace foi para frente do palco, tocou, e finalizou sua apresentação nas ruas da Fábrica do Samba, até ir para o seu ônibus. Fim de uma apresentação bem animada da escola.

Sobre a escola

Fundada em 1988, a Unidos de Santa Bárbara era um bloco carnavalesco, até em 2009 começar a disputar na UESP e ser vice-campeã no primeiro ano. Depois engatou três títulos consecutivos em 2010, 2011 e 2012, chegando ao Grupo de Acesso. Desde 2014, a escola segue no Grupo de Acesso II.

Para 2023, a escola vai reeditar o tema de 2010: “Kosi Ewe – Salve as folhas – Sem folhas não tem Orixás”.

O presidente da escola, Nel Costa, contou sobre a escolha: “Essa edição do carnaval de 2023 da Unidos de Santa Bárbara é uma reedição do carnaval de 2010, no qual a gente teve um resultado bacana, fomos campeão e tudo. Mas a ideia mesmo de trazer esse enredo de volta para o carnaval de 2023 foi por conta da perda da minha presidente vitalícia, da escola de samba chamada Mãe Helena, que a escola é fundada de uma seita do Candomblé. Tem nome de Santa Bárbara por ela tinha assistência de caridade em Santa Bárbara, e ela veio de Recife para cá, e pediu para fazer o sonho dela ser realizado. Ela era porta-estandarte do batuta de São José em Recife, e pediu para fundar a escola. Então como ela tinha um instituto de caridade em Santa Bárbara, a escola virou Unidos de Santa Bárbara”.

Como ir para a exposição

Aberta de quarta a domingo, das 10h até às 17h, a entrada e o estacionamento são gratuitos. A exposição irá até o dia 30 de dezembro. Além da exposição, é muito legal ver como é a Fábrica do Samba, sua dimensão dentro do Barracão, experiência única!

As apresentações das escolas de samba acontecem no período da tarde por escolas do Grupo de Acesso I e II no carnaval de São Paulo, fique atento na programação:

19/11, sábado
14h: Nenê de Vila Matilde

20/11, domingo
14h: Pérola Negra

26/11, sábado
14h: X-9 Paulistana

27/11, domingo
16h: Unidos do Peruche

10/12, sábado
14h: Primeira da Cidade Líder

11/12, domingo
14h: Torcida Jovem

17/12, sábado
14h: Imperador do Ipiranga