A Unidos da Vila Santa Tereza levou para avenida da Intendente Magalhães, nesta sexta, um desfile emocionante com comissão de frente trocando a fantasia, bateria impecável e casal com bom entrosamento. A escola apresentou o enredo ‘Santa Teresa Rogai Por Nós!’ e foi a terceira a desfilar, terminando em 39 minutos. A escola tem grandes chances na busca pela vaga na Série Ouro.

Homenageando Santa Teresa, o enredo conta a história da padroeira e exata a importância da fé. Nosso primeiro setor abordou a fé, um sentimento de total crença em algo ou alguém, ainda que não haja nenhum tipo de evidência que comprove a veracidade da proposição em causa. O segundo setor vontou o início da vida de Teresa de Cepeda y Ahumada, entre a sua infância até a sua ida ao convento de Nossa Senhora das Graças. O encerramento foi com todas as homenagens a Santa Teresa, proclamada Padroeira da Espanha e das Índias, coopadroeira na Guatemala, guardiã dos professores e protetora e padroeira do pavilhão Tereziano.

Uma grande surpresa durante o desfile foi a comissão trocando de fantasia de maneira rápida, como se virasse a roupa ao contrário. “Os guiados pela fé” possuíam uma roupa suja mostrando a história de enfermos, e, ao rogar por Santa Teresa eles encontram a cura.

O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Francisco Alves e Grazy Santos, representou a religiosidade. A dupla teve boa performance e ótimo entrosamento no desfile da Unidos da Vila Santa Tereza.

A bateria “Pegada do King” estava muito boa e o samba-enredo dos compositores Igor Leal, Amaro Poeta, Renan Diniz, Fagundinho, Rafael Prates, Cidinho da Cuíca Pernambuco, Rogério Máximo, Carolina Abreu e Alessandro Tiganá funcionou na avenida. A obra foi cantada pelos componentes e pelas pessoas assistindo o desfile na Intendente.

A Unidos da Vila Santa Tereza exibiu em alegorias e fantasias e alegorias um conjunto bem acabado. As baianas vieram representando a “romaria”. O abre-alas representou todo o misticismo dos Santuários de Fé, lugares reservados para adoração, oração e santo. Na segunda alegoria foi representada a fé como uma virtude dada por Deus, é como uma chama que precisa de combustível para se manter acessa. No último carro, a Unidos da Vila Santa Tereza se curva em gratidão a sua Padroeira, Santa Teresa D’Ávila.