InícioSérie OuroIlhaUnião da Ilha abre buraco gigante, estoura tempo e se complica no...

União da Ilha abre buraco gigante, estoura tempo e se complica no Grupo Especial

Por Victor Amancio. Fotos: Allan Duffes, Isabel Scorza e Magaiver Fernandes

Sexta escola a passar na avenida na primeira noite do Grupo Especial, a União da Ilha fez o pior desfile da noite errando feio na evolução. Abrindo um buraco imenso entre o setor 6 e o setor 10 atrapalhando todo o resto da escola, que teve diversos outros espaços abertos entre alas. Correndo muito a Ilha ainda assim estourou um minuto do tempo máximo e deve perder um décimo. Nas fantasias foram utilizados recursos próximos das roupas do dia a dia com pouquíssima carnavalização desta forma trazendo um desfile mais próximo do real.

Comissão de frente

Coreografados por Leandro Azevedo o grupo de bailarinos se apresentou encenando a realidade vivida em muitas comunidades, onde o caminho mais fácil nem sempre é o caminho correto a ser seguido porém é o meio de sobrevivência. Crianças maltrapilhas iniciam a apresentação e saindo do tripé, que na parte de frente apresenta com uma mulher negra, sai uma menina fazendo alusão ao parto. Esta melhor vestida e acompanhada de uma mochila apresenta um livro mudando o rumo das outras crianças. Encerrando a comissão vislumbrando através da apresentação as crianças se tornando adultos com diversas formações e dando a ideia da educação sendo o caminho para salvar o futuro das crianças. A comissão não teve um momento de explosão, não caiu nas graças do público e a saída ainda atrapalhou a entrada do primeiro casal.

Mestre-sala e Porta-bandeira

O casal da União da Ilha, Phelipe Lemos e Dandara Ventapane vieram representando seu Zé e Maria, em referência aos Exus que são os donos da rua. O casal enfrentou problemas na apresentação por conta do tripé da comissão de frente que demorava a sair da frente do módulo dos julgadores e atrasando a apresentação do casal. Por mais que eles tenham enfrentado esse problema a dupla dançou muito bem, com passos sincronizados e sem nenhum erro. Dandara com passos mesclando leveza e força confirma maturidade como porta-bandeira e Phelipe com seu gingado malandreado conduziu com maestria seu par. Dandara falou que o casal precisou improvisar na apresentação.

“A gente tem 4 anos de parceria, temos muita sintonia, hoje dançamos improvisando”, explicou Dandara.

Harmonia

Por mais dos grandes problemas de evolução a escola teve um canto forte. O trabalho de harmonia do mestre Laíla foi perceptível. O problema não afetou o canto da escola e Ito comandou jogando pra cima o componente.

Enredo

O enredo da União da Ilha retratou os principais problemas que afetam a sociedade mais pobre da população, mais precisamente o grupo sem privilégios que habita as comunidades e periferias. Fazendo um convite para o público conhecer essa realidade e apresentando as mazelas e alegrias vividas por esta parcela da sociedade a escola desfilou com 5 setores e não foi prejudicado pelas fantasias e alegorias que explicaram bem o enredo da escola.

Evolução

Impressão de iniciar o desfile de forma lenta e por conta de um problema com o segundo carro, que ficou sem sair do lugar por um tempo, a escola abriu um buraco do Setor 6 até o Setor 10. Depois de solucionado o problema os componentes precisaram correr para alcançar o resto da escola e a evolução se tornou um caos abrindo buracos em diversos outros pontos. Por conta dos erros a escola estourou um minuto do tempo máximo e dever perder um décimo por não cumprir a obrigatoriedade.

Samba-Enredo

O samba funcionou para o canto porém não passou bem para o público. Crescendo na voz e Ito a obra ainda foi abaixo do nível porém retratava bem o enredo da escola.

Fantasias

Diferente do que as escolas apresentam habitualmente a União da Ilha desfilou com fantasias muito próximas do real e com pouca carnavalização. Por mais que explicassem bem o enredo algumas tinham problemas de acabamento como as 19, 21 e 23 que passaram deixando pela pista pedaços da fantasia.

Alegorias

O realismo foi o caminho que os carnavalescos Fran Sérgio e Cahê Rodrigues optaram para desenvolver o enredo da União da Ilha. Os carros era bem próximos da realidade e as composições em sua maioria usavam roupas normais dando ainda mais realidade para o desfile. Bem acabados e retratando o enredo o erro ficou por conta dos problemas motores do segundo carro que atrapalhou a escola.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...