InícioGrupo EspecialPorto da PedraSérie 'Barracões': Porto da Pedra quer deixar de ser coadjuvante na Série...

Série ‘Barracões’: Porto da Pedra quer deixar de ser coadjuvante na Série Ouro e promete carnaval grandioso para voltar ao Especial

Escola de São Gonçalo vai homenagear Mãe Stella de Oxóssi, escritora e Yalorixá que foi mensageira da fé, carnavalesca da escola promete tigre imponente na avenida

A Unidos do Porto da Pedra é uma escola acostumada com o Grupo Especial, após 10 anos desfilando na Série Ouro, o sentimento de todos é um só: voltar para o lugar que de fato te pertence. A agremiação tem apresentado bons desfiles, ficando na terceira colocação em suas últimas três apresentações na Sapucaí. Para esse ano, o tigre quer voltar a rugir e sonhar com um lugar no Grupo Especial, para isso, conta mais uma vez com a carnavalesca Annik Salmon no desenvolvimento do seu carnaval, única mulher a comandar um escola no grupo. Com o enredo “O Caçador que traz alegrias”, a escola segue a linha de levar temáticas culturais para a avenida, a agremiação de São Gonçalo aposta na história de Mãe Stella de Oxóssi para emocionar a Sapucaí, escritora e yalorixá, ela lutou pelo respeito ao candomblé e marcou seu nome na história.

Esse é o primeiro enredo afro da história da Porta da Pedra, e nada melhor que começar contando a história de uma mulher, negra, candomblecista e que foi a mensageira dos ensinamentos de fé. O site CARNAVALESCO visitou o barracão da escola e bateu papo com a carnavalesca Annik Salmon, segundo ela, o enredo surgiu naturalmente.

Annik conta que não conhecia a história de Mãe Stella e que a admiração surgiu após pesquisas na realização do último enredo da escola, sobre as baianas quituteiras da Bahia. “O enredo surgiu no carnaval passado, que foi o enredo da baianas quituteiras, quando eu cheguei aqui na escola já tinha esse enredo, que foi feito pelo Alex Varella, eu comecei a estudar a sinopse e fui fazer uma pesquisa pra eu conseguir botar minha cara dentro do enredo, nessas pesquisas sobre baianas lá de Salvador, eu vi o nome de Mãe Stella, comecei a ler sobre ela e fiquei encantada, logo pensei que poderia render um enredo maravilhoso e deixei guardado, ela não era quituteira, ela era uma grande Yalorixá, uma grande líder, passou o carnaval e o presidente pediu pra eu desenvolver um enredo afro, o que foi perfeito, visto que eu já tinha esse achado”, conta Annik.

Annik conta que durante a pesquisa se encantou com os ensinamentos de Mãe Stella,
apesar de não ser feita no candomblé, a carnavalesca diz que admira e respeita muito a religião e que desenvolver esse enredo na Porto da Pedra é um presente, pois a história da Yalorixá tem que ser passada adiante.

“Esse enredo é maravilhoso e fico feliz que tá todo mundo gostando, tá sendo muito elogiado, é uma história linda, a gente tinha que contar, não podia ser deixado de lado, ela foi uma mulher de frases e de pensamento marcantes, tem uma frase dela que deu norte para eu desenvolver esse enredo foi “o que não se registra, o vento leva”, então eu falei, eu tenho que registrar esse enredo, a história dela não pode ficar ali só dentro dos livros, ou do Ilê Opô Afonjá, temos que botar no nosso carnaval, que é onde a gente transmite e onde a gente tem a oportunidade de mostrar a nossa cultura”, destaca Annik.

Mãe Stella disse uma vez que seu papel era mostrar para o mundo o que é feito dentro dos terreiros. E que era sua tarefa levar o conhecimento que estava a seu alcance para que o povo escute, entenda e aprenda a respeitar o semelhante e a crença dos outros, tudo isso está presente dentro do enredo que Annik levará para avenida e a fez se encantar a cada nova descoberta.

“Eu fui me encantando com várias coisas, fui me apaixonando, eu nunca fui feita no
candomblé, mas passei a frequentar há pouco tempo, fui estudando, lendo e me aprofundando, não com a religião mas com tudo que ela fez, tem vários ponto interessantes nesse enredo, coisas que o candomblé te passa, o trabalho que ela fez, ela levou todo esse conhecimento para o mundo, a força que ela tinha de conseguir lutar e dentro do seu momento como líder religiosa , a quantidade de pessoas que ela conseguiu alcançar, então isso foi me encantando, ela era uma mulher a frente de seu tempo, nos últimos anos de vida ela começou a se inteirar com a modernidade, procurou saber onde estava o público jovem, criou um canal nas redes sociais e dialogava com eles”, pontua a carnavalesca.

Mensagem de Amor

O enredo da Porta da Pedra é baseado nas entrevistas que Mãe Stella deu, nos vídeos, e nos livros que a baiana escreveu, Annik não teve a oportunidade de conhece-lá pessoalmente, mas sente que a força dela está presente nesse enredo, assim como o amor que ela demonstrava ter pelo próximo, a maior mensagem do enredo é justamente essa, o amor.

“Quero falar de amor, o amor de uma mulher, que tinha um amor não só pelos seus filhos, mas pela cultura dela, pelo seu povo, pelas suas raízes, ultrapassa a região, vinha dos seus
ancestrais, ela conseguiu passar para todos, eu pude observar a força dela, o amor em querer cuidar das pessoas, ouvi um comentário de um repórter que dizia que ela foi uma líder completa, ela cuidado do corpo e da alma, além ser Yalorixá, ela também era uma enfermeira sanitarista, o mais legal é que ela conseguiu deixar tudo isso registrado, através dos livros que ela escreveu, da biblioteca que ela fundou, deixou um conhecimento para o mundo todo”, descreve Annik.

Mãe Stella de Oxóssi recebeu o título de doutora honoris causa por duas universidades da Bahia e fez parte da Academia de Letras baiana. Ela se dedicou à educação, Annik se diz muito grata por poder levar essa história para a avenida, única mulher a comandar o carnaval de uma escola na Série Ouro, ela se diz feliz e honrada com essa missão. “Nada é por acaso e tudo tem seu tempo e a sua hora, o destino está ali traçado, ela mesmo sempre falou isso, o momento é esse, por eu ser uma mulher esse enredo me traz muita felicidade, falo de uma grande mulher, de suma importância para tantas pessoas, negra, resistiu a tantas coisas, enfrentou tantos preconceitos, mas conseguiu coisas que muitos não conseguiriam, nem homens, nem brancos, ninguém, ela teve uma cadeira na Academia de Letras, a primeira mulher negra a ter essa posição ali dentro, fico feliz em poder retratar isso”, enfatiza Annik.

Tigre de volta ao abre-alas

O tigre é sempre o motivo de maior expectativa por parte dos torcedores da Porto da Pedra, no último ano ele ficou de fora do abre-alas, mas esse ano a promessa é que volte como nos tempos áureos da agremiação no Grupo Especial, cercado pelas matas, ele vem imponente, com movimentos de Parintins e rugindo alto, Annik faz um paralelo entre o tigre e o Orixá Oxóssi, ambos têm a caça como fundamento, além de proteger e garantir a fartura para sua comunidade.

“Ele (o Tigre) vem lindo, maravilhoso, vem imponente, ele vem com a força que ele tem, a figura do tigre tem uma força muito grande, uma representativa enorme dentro de São Gonçalo e da Porto da Pedra, então ele representa essa força que a escola tem, esse símbolo de luta e valentia, tudo que a escola proporciona para a comunidade de São Gonçalo, isso tem muito a ver com o guia espiritual de Mãe Stella, que era Oxóssi, ele é o caçador, aquele que leva toda a caça e fartura para sua comunidade, então o tigre tá ali, lado a lado com ele”, conta a carnavalesca.

Proposta visual do desfile

Diferente dos últimos anos, a Porto da Pedra teve um pré carnaval bem tranquilo, mesmo com as dificuldades naturais que é fazer carnaval na Série Ouro, a escola conseguiu se preparar e organizar para levar um trabalho bonito e competitivo na avenida, Annik está no comando do carnaval da escola pelo segundo ano consecutivo e acredita que isso a deu mais segurança e confiança no trabalho.

“A gente conseguiu se preparar e se organizar para poder fazer um carnaval bem melhor do que a gente fez no último ano, acredito que o abre-alas será o ponto alto, mas gosto muito do fechamento da escola, das alas, os enredos deu essa possibilidade da gente construir uma plástica mais bonita, acho também que o tempo deu certo, é meu segundo ano na escola, isso facilita, eu já sei onde posso chegar, onde posso pisar, me sinto mais confortável”, destaca Annik.

Entenda o desfile:

A Unidos do Porto da Pedra será a quarta escola a entrar na avenida na primeira noite de desfiles da Série Ouro, quarta-feira, dia 20 de abril. A escola levará para a avenida cerca de dois mil componentes, divididos em 19 alas, três carros alegóricos e um tripé.

Setor 1: “Eu dividi os setores de acordo com os títulos do livro, o primeiro setor da escola chama-se assim aconteceu o encantamento, que mostra o primeiro contato dela com o
candomblé, é quando ela realmente se encanta, é o primeiro contato que ela teve com a religião”.

Setor 2: “O segundo setor é o caçador que chegou com alegrias, é quando Mãe Stella já está no Ilê Axé Opô Afonjá e ela é feita, ela renasce, conta toda a trajetória dela, é a parte que a gente faz bastante menção aos orixás”.

Setor 3: “O terceiro setor chame meu tempo é agora, que também é o título de um livro dela, que mostra ela se formando como enfermeira, que é a ocupação que ela tinha além de ser uma grande líder espiritual, a luta que ela teve para divulgar a cultura do candomblé junto com o povo dele”.

Setor 4: “Finalizamos com um título que me marcou muito, o que não se escreve o tempo leva, que foi tirado da frase o que não se registra, o vento leva. Nele vamos mostrar os livros que ela escreveu, a biblioteca que ela formou, os prêmios que ela ganhou, a última ala é uma homenagem a ela e o último carro é justamente isso”.

- ads-

Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues assumem Comissão de Harmonia no Arranco

Para o Carnaval 2025, o Arranco contará com uma Comissão de Harmonia formada por Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues. Jackson Carvalho começou sua...

Vizinha Faladeira será homenageada com conjunto de Medalhas de Mérito Pedro Ernesto

No próximo dia 23 de abril, a histórica Associação Recreativa Escola de Samba Vizinha Faladeira, uma das pioneiras no cenário do carnaval carioca, terá...

Jorge Silveira exalta preparação da Mocidade Alegre para ganhar duas categorias no Estrela do Carnaval: ‘São Paulo cada vez mais competitivo’

Em 2024, a Mocidade Alegre foi bicampeã do Grupo Especial do carnaval de São Paulo, conseguindo unir beleza e facilidade de leitura para tratar...