InícioGrupo EspecialSérie Barracões: Porto da Pedra promete fincar as garras no Especial com...

Série Barracões: Porto da Pedra promete fincar as garras no Especial com desfile imponente e repleto de brasilidade

De volta ao Grupo Especial após 12 anos, a Porto da Pedra vai levar para a Marquês de Sapucaí um desfile de muita brasilidade. Com o enredo “Lunário Perpétuo: A Profética do Saber Popular”, do carnavalesco Mauro Quintaes, a escola de São Gonçalo contará a história do almanaque que prometia decifrar desde a previsão do tempo até o comportamento dos insetos. Durante 200 anos, foi o livro mais lido do Nordeste brasileiro.

Fotos: Divulgação/Porto da Pedra

E para marcar este retorno, a agremiação promete entrar na Passarela do Samba repleta de riqueza e imponência: ao todo, serão nove alegorias – entre um tripé e a acoplagem do abre-alas. O tigre, tradicional mascote e símbolo da Vermelha e Branca gonçalense, pode chegar a 22 metros de altura e tem o mesmo tamanho em comprimento – o maior já feito pela equipe. Segundo Quintaes, o desfile terá como proposta quebrar barreiras e mostrar que o lugar da Porto da Pedra é na elite do carnaval carioca.

“O desfile da Porto da Pedra vai mostrar que tudo é possível. Acredito que a gente não tem que se conformar com a mecânica que, durante alguns anos, existe no carnaval. Estamos aqui para derrubar as paredes, criar novos parâmetros e mostrar que uma escola que sobe pode sim vir bonita, preparada, bem acabada, com um investimento alto e com a autoconfiança do desfilante em poder representar o seu município. Tudo isso, agregado ao momento da escola, vai, sem dúvidas, criar um grande sucesso no desfile”, afirma o carnavalesco.

Desde o início, o projeto tem como ideia tornar cada carro alegórico uma pequena comissão de frente, como explica o carnavalesco. Para isso, a escola realiza um trabalho focado na plástica, com setores que vão proporcionar momentos únicos e de fácil entendimento, além de alegorias autoexplicativas. Com essa proposta e a chegada em peso do povo de São Gonçalo, a expectativa é de um grande retorno do público.

“Cada alegoria terá um momento diferenciado. Vou citar como exemplo o carro dos profetas da chuva: talvez chova na Avenida. No carro das benzedeiras, talvez elas possam passar uma erva, queimar um incenso. Em cada carro alegórico nós tivemos a preocupação de criar um momento impactante, porque isso faz com que o espectador se divirta, se interesse e assim possa existir uma troca entre Avenida e público. Para que essa troca ocorra, é preciso que eles (público) tenham o entendimento. Serão setores de fácil compreensão e um enredo de fácil leitura – desde o samba que é maravilhoso até o impacto da plástica”, detalha Quintaes.

Do almanaque ao enredo

O Lunário Perpétuo foi escrito por Jerónimo Cortés Valenciano e publicado em 1594, na Espanha. Repleto de ensinamentos e um verdadeiro almanaque, o livro serviu de orientação para a agricultura, astrologia e até para a previsão do tempo: se a abelha agia de tal forma, era sinal de chuva. No Brasil, desembarcou no século XVIII com tradução de Antônio da Silva de Brito e, de acordo com o historiador Câmara Cascudo, foi o livro mais lido do Nordeste por 200 anos. Em 2002, serviu de inspiração para o espetáculo musical “Lunário Perpétuo”, do artista Antônio Nóbrega.

Justamente através da obra de Antônio Nóbrega surgiu a ideia do enredo. Mauro voltava da comemoração do título do Grupo de Acesso, no ano passado, quando ouviu no rádio um documentário sobre o Movimento Armorial – do escritor e filósofo Ariano Suassuna – e lembrou do trabalho de Nóbrega. O estudo e elaboração da proposta contou com o apoio do enredista Diego Araújo.

“Dentro deste documentário citaram o Quinteto Armorial, que tem a figura do Antônio Nóbrega. Daí eu lembrei que ele tem um trabalho de 2002, que é o Lunário Perpétuo, e fui buscar o que era, já que eu conhecia somente pela sonoridade da palavra. Quando me aprofundei, passei para o nosso enredista, Diego Araújo, que se aprofundou ainda mais. A partir daí criamos o ‘Lunário Perpétuo: A Profética do Saber Popular’, que é justamente a história desse almanaque que ultrapassa os séculos educando e informando”, explica.

Para o carnavalesco, o fato do Lunário ser o livro mais lido do Nordeste brasileiro por mais de 200 anos dá ao enredo uma cara de brasilidade. Após o campeonato da Imperatriz Leopoldinense, que falou sobre Lampião, o enredo escolhido pela Porto da Pedra foi uma maneira de reavivar, com outro foco, o olhar para a região, como afirma Quintaes.

“Foi uma maneira da gente reavivar esse olhar nordestino, mas com um foco totalmente diferente. Quando descobrimos que por 200 anos o livro foi o almanaque mais lido do Nordeste – que alfabetizou, educou, orientou a agricultura e mostrou caminhos – entendemos que isso deu ao enredo uma cara muito forte de brasilidade. A partir daí, nos convencemos que o Lunário Perpétuo, além de ser um almanaque medieval escrito por um grande alquimista, se torna brasileiro e tem o cunho de importância que é colocado dentro do desfile”, comenta.

Desfile

Entregar algo impactante é fundamental para abrir a noite de apresentações da elite do carnaval. Hoje a única escola de samba representante de São Gonçalo, a agremiação aposta na plástica, na força do canto da comunidade e no orgulho de levar o nome da cidade ao Sambódromo.

Mauro acredita que os avanços no cenário carnavalesco elevaram o patamar dos desfiles. Com a responsabilidade lá em cima, o grande trunfo da escola na Avenida será mostrar a força de seus quesitos e da comunidade gonçalense, além da constatação que a Porto da Pedra acompanha a evolução do mundo do samba e veio para ficar.

“O carnaval naturalmente já está muito disputado. O sarrafo está muito alto, por conta dos novos valores, das novas estéticas que são impostas e pelo novo olhar político que a Marquês de Sapucaí transformou-se – ela se tornou um grande palco de manifestações, interesses e anseios políticos. A Porto da Pedra consegue visualizar tudo isso, porque é uma escola moderna e de gente nova. Estamos muito bem inseridos neste contexto. O nosso desfile será bem pertinente e que também terá o olhar político”, destaca o carnavalesco.

Uma das inovações anunciadas pela Liesa, o novo sistema de iluminação da Marquês de Sapucaí também será utilizado pela Porto da Pedra. Ao site CARNAVALESCO, Mauro Quintaes revelou que o efeito será usado tanto na comissão de frente quanto no abre-alas e também, em algumas outras alas. Segundo ele, o recurso terá um impacto principalmente na comissão de frente, com momentos pontuais que serão muito valorizados pela iluminação.

Questionado sobre o que considera características de seus desfiles e que não podem ficar de fora neste ano, o artista destacou a cenografia e a preocupação em que cada alegoria não se pareça com a outra.

“Não sou um carnavalesco de grandes adereços, fitinhas e babadinhos. Meus carros são grandes cenografias, daí me apego justamente nos pequenos detalhes. Eu gosto de criar cenografias dentro de uma grande cenografia que é o carro alegórico. Outra coisa muito importante é que um carro não pode se parecer com outro em nada – não só na técnica, mas no uso de materiais e formas. Ou elejo alguma leitura artística, ou crio uma estética própria com essa preocupação de não me repetir muito. O espectador é a extensão do julgador. Se ele se encanta, certamente consigo chegar no coração do julgador – se não tiver erros técnicos. A minha história se resume a isso: momentos que agradam ao olhar”, afirmou.

Já sobre o tigre – que será o maior levado para a Passarela do Samba pela escola – o carnavalesco conta que foi um pedido feito pelo presidente da agremiação, Fabio Montibelo. De acordo com Quintaes, o mascote faz parte de um conjunto de abertura e estará dentro do contexto da alegoria e do enredo.

“Ele (Fabio Montibelo) ficou 12 anos sob o comando da escola e esperando por este momento. A primeira coisa que me pediu quando assinamos o contrato é que eu fizesse o maior tigre que a Sapucaí já viu. Fizemos um tigre de 22 metros e que também chega nesta altura, porque ele dá um grande bote na Avenida. Ele é o nosso grande mascote e símbolo da Porto da Pedra. A ideia é fincar essa garra no Grupo Especial e não sair mais”, revela.

Conheça o desfile da Porto da Pedra

O Tigre de São Gonçalo vai abrir a primeira noite de desfiles do Grupo Especial, no dia 11 de fevereiro. A escola vai para a Apoteose do Samba com 22 alas, seis alegorias e um tripé. Ao todo, serão 2800 componentes.

Setor 1: “Ele conta sobre Jerónimo Cortés Valenciano. A figura dele surge no abre-alas, daí já vamos ter essa mística dos alquimistas, magos, laboratórios. A gente tem água, fogo, terra e ar. É o grande momento onde teremos a ala das baianas, comissão de frente. A comissão está muito integrada ao primeiro setor e ao abre-alas. Não é uma coisa à parte, porque, às vezes, vemos algumas comissões que não tem muito a ver com o que vem atrás. Eu gosto de fazer com que essa onda estética leve o observador para dentro da história. Cada setor será uma página do Lunário. A gente abrirá com essa criação e escrita medieval do Jerónimo”.

Setor 2: “O Lunário decodifica o comportamento dos insetos. Isso porque ele ensina que se a abelha age de tal forma, a florada será de um jeito; se o cupim segue um caminho, irá chover. Isso é fantástico, estamos falando de 1500”.

Setor 3: “A gente dá uma ‘virada’ mais contemporânea depois dos insetos. Teremos Manoel Caboclo, que foi o nordestino que também utilizou os ensinamentos do Lunário Perpétuo. Ele traz o Lunário em seus conselhos e editou cordéis ligados ao almanaque”.

Setor 4: “Partimos para as benzedeiras. As raízes, ervas e os ensinamentos do Lunário de como curar, como se prevenir. Teremos uma grande benzedeira, que é o ‘xodó’ do barracão. Todos quando passam por ela fazem o sinal da cruz e benzem-se, porque ela está aqui para proteger a Porto da Pedra. É um carro, entre aspas, muito cinematográfico e teatral. Nele vamos homenagear os fundadores da escola. Estarão ali, de alguma maneira representados – as pessoas vão ter que descobrir onde eles estão”.

Setor 5: “Falo do Armorial, do Ariano Suassuna – que também está na trajetória do Lunário. Vamos misturar um pouco essa coisa do medieval com o medieval brasileiro, com as armas, ferros de marcar gado e com as estampas do (Gilvan) Samico, que foi a estética que escolhemos para representar o Armorial. Neste setor teremos o Ariano Suassuna e o Auto da Compadecida”.

Setor 6: “O Armorial de Suassuna (setor 5) abre para o Quinteto Armorial. Surge a figura do Antônio Nóbrega, que foi o inspirador do enredo e virá fechando o desfile. Um grande brincante nordestino, nome fortíssimo da cultura brasileira. Reforçamos a história do Antônio, que é o grande representante contemporâneo do Lunário Perpétuo”.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...