InícioSérie OuroArrancoSérie ‘Barracões’: Arranco fala sobre a importância de reverenciar a própria história...

Série ‘Barracões’: Arranco fala sobre a importância de reverenciar a própria história com um enredo sobre Zé Espinguela

No ano que completa 50 anos, a azul e branco de Engenho de Dentro vai falar de raíz ancestral e legado por meio do homenageado

Em 2023, o Arranco voltará a desfilar na Série Ouro do Carnaval carioca depois de 10 anos afastado da Marquês de Sapucaí. A agremiação vai abrir os desfiles do grupo na sexta-feira, 17 de fevereiro, trazendo uma homenagem a um sambista importantíssimo para sua história e para a história do Carnaval – Zé Espinguela. A narrativa vai passar pela ancestralidade e religiosidade que constituem o homenageado até chegar no legado que ele deixou para os dias atuais.

Segundo o carnavalesco Antônio Gonzaga, no primeiro desfile com sua assinatura, o nome de Zé Espinguela foi resultado do encontro de ideias entre ele e a presidente Tatiana Santos. A intenção era trazer um personagem importante para escola e que fosse de fácil conexão com público.

“Assim que a escola entrou em contato comigo, pediram para eu já ir pensando em algumas ideias para levar à reunião e avançar nesse quesito. Eu já achava desde o início que o Arranco, vindo da Intendente Magalhães, tinha que fazer um enredo que se conectasse com o público e se conectasse com a própria história como um momento de resgate para ela voltar a brilhar na Marquês de Sapucaí depois tantos anos no terceiro grupo. Eu encontrei a história do Zé Espinguela e eu achei incrível.

Carnavalesco Antônio Gonzaga. Fotos: Matheus Vinícius/Site CARNAVALESCO

O Zé Espinguela é a história do Carnaval carioca e foi uma história que aconteceu aqui [na quadra do Arranco]. Eu fui pesquisar se o Arranco já tinha feito esse enredo. Como o Arranco nunca tinha feito isso antes? Não tinha sido. Quando cheguei para apresentar, a presidente perguntou: ‘Gonzaga, você já tem alguma ideia de enredo, porque eu tenho um enredo que eu quero muito fazer. Quero fazer o Zé Espinguela’. Era um desejo da escola, foi o enredo que eu pensei, então tinha que ser”, contou Antônio.

A história que Gonzaga contará narra, curiosamente, o primeiro concurso de samba entre os blocos que deram origem à Mangueira, a qual o protagonista é fundador, Portela, a madrinha que emprestou as cores ao Arranco, e Estácio de Sá, antiga Deixa Falar. Esse evento aconteceu no dia de São Sebastião, 20 de janeiro, onde hoje é a quadra da agremiação do Engenho de Dentro, na Rua Adolfo Bergamini. Além do evidente lado sambista de Zé Espinguela, o carnavalesco vai abordar outras facetas do homenageado: ele foi jornalista, escritor e líder religioso.

O carnavalesco acredita que a abertura, que falará de ancestralidade, e o último carro terão um grande impacto visual para o público pelo significado e estética objetiva. Gonzaga irá apostar em diversas propostas visuais para homenagear Zé Espinguela.

“Vamos começar com o que se entende por um afro mais tradicional. Depois trazemos esse afro para uma estética mais brasileira com estamparia. A gente usa muita fita, chita, fuxico. É uma pegada com cara de feito à mão tanto quando vai para parte mais carnavalesca, com pompom e retalho, quanto quando vai para o afro, com palha, uma costura mais marcada. Não tem muito paetê, é uma estética mais limpa”, revelou Antônio.

De compositor a carnavalesco

Apesar de estrear como carnavalesco em 2023, Gonzaga está no Carnaval há algum tempo. Começou como compositor no Salgueiro, sua dedicação às artes visuais e ao design chamou atenção da dupla de carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad, quando eles assinavam o desfile para o Cubango. A parceria o levou para a Grande Rio, escola que foi vice-campeã e campeã em 2020 e 2022, respectivamente. Este ano, Antônio Gonzaga está mais afastado da Grande Rio, mas continua nessa divisão de tarefas entre o Arranco e a agremiação do Grupo Especial.

“Eu sempre fui muito ligado à produção artística desde criança. Sempre fui do desenho, da arte, da pintura. O samba-enredo foi a maneira que encontrei de entrar no Carnaval que sempre foi um universo que eu sempre fui apaixonado. Comecei a compor no Salgueiro, mas, paralelamente a isso, eu fazia minhas produções como designer, eu sou formado em Design, e postava nas minhas redes. Até que em 2018, para o Carnaval de 2019, o Gabriel e o Leonardo gostaram do meu trabalho e me chamaram para fazer a identidade visual do enredo do Cubango. A partir daí, eu pedia para frequentar o barracão, passei a ir todo dia e participar da produção mesmo da produção daquele Carnaval. No ano seguinte, eles foram para a Grande Rio e me convidaram para integrar a equipe de criação deles”, comentou Gonzaga.

Entre suas inspirações, além de Bora e Haddad, estão Joãozinho Trinta, Rosa Magalhães e Fernando Pinto, de quem comenta ser muito fã. Da experiência na campeã de 2022, ele aponta que leva para si muito mais que o aprendizado estético. Ele aprendeu o funcionamento interno de uma escola de samba, o relacionamento com os profissionais dos ateliês, ferreiros e marceneiros. “Se eu não tivesse passado pela Grande Rio, eu não conseguiria fazer o Arranco dar certo”, afirmou o carnavalesco.

Agora, em trabalho solo no comando do barracão do Arranco, Antônio Gonzaga fala sobre o nervosismo da estreia e o desafio que é defender o pavilhão azul e branco do Engenho de Dentro: “É um grande desafio [estrear na Série Ouro]! É muito desafiador, ainda mais no Arranco que é uma escola que estava há muito tempo afastada da Sapucaí. Ou seja, a escola também está se readaptando a essa nova realidade. Para todo mundo está sendo uma grande experiência e está sendo muito prazeroso”, afirmou Antônio. “Eu aposto muito no desfile. Eu acho que a gente tem um grande enredo, as fantasias estão legais, as nossas propostas de alegoria estão bem legais também; tudo pensado dentro da realidade da escola. E a escola está muito comprometida em fazer um grande Carnaval. Estou muito animado e ansioso, mas trabalhando à beça”, completou.

Conheça o desfile do Arranco

A azul e branco do Engenho de Dentro vai ser a primeira escola da Série Ouro a desfilar este ano. Com a responsabilidade de começar com pé direito os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, o Arranco vem com um tripé na comissão de frente e outro ao longo do desfile, três carros alegóricos, com até 1500 componentes divididos em 17 alas. O carnavalesco Antônio Gonzaga detalhou para o site CARNAVALESCO o desfile.

Setor 1: “A abertura do desfile são as raízes ancestrais do samba carioca e do Zé Espinguela. Trazemos as heranças africanas. O Zé Espinguela era um alufá, era um líder religioso que tinha um culto ao tabuleiro de Ifá. Então, logo na abertura, vêm as raízes, o tabuleiro, a ancestralidade do personagem”.

Setor 2: “A gente traz para uma realidade mais brasileira e para os bastidores do concurso que ele organizou. Trazemos os blocos de rua que ele frequentava no final dos anos 1920, os blocos de sujo e o Bloco do Arengueiros, que originou a Estação Primeira de Mangueira, a Deixa Falar, o Conjunto de Oswaldo Cruz, que deu origem à Portela. E fecha o setor com o dia do concurso, que é dia 20 de janeiro. Tem a ala em homenagem a São Sebastião, padroeiro da cidade, e uma ala que faz referência a Oxóssi. Depois vem o segundo carro sobre o concurso que ele organizou aqui [no espaço onde é hoje a quadra do Arranco de Engenho de Dentro]”.

Setor 3: “No 3º setor, nós partimos para outras vivências do Zé Espinguela. Ele era jornalista, tinha um ateliê de fantasias. Ele tinha uma relação com Villa Lobos, em que ele criava adereços para o Sodade do Cordão, um bloco que ajudou a organizar com Villa Lobos. E a vivência dele no Morro de Mangueira. A relação dele com Cartola e os baluartes da escola, a vivência dele no buraco quente. Todo esse setor é permeado pela vivência musical dele. Então termina o setor com a despedida dele, quando ele morre, e ele tinha escrito a música ‘Adeus, Mangueira’, uma música se despedindo do morro – esse é o tripé”.

Setor 4: “São as heranças que ficaram. É o Arranco completando 50 anos fruto de toda essa vivência, são as escolas de samba seguindo como quilombos de resistência. Nosso último se chama ‘Onde o samba é alforria’, que é uma grande celebração das escolas de samba e da herança delas para os próximos anos e para os nossos frutos”.

- ads-

Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues assumem Comissão de Harmonia no Arranco

Para o Carnaval 2025, o Arranco contará com uma Comissão de Harmonia formada por Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues. Jackson Carvalho começou sua...

Vizinha Faladeira será homenageada com conjunto de Medalhas de Mérito Pedro Ernesto

No próximo dia 23 de abril, a histórica Associação Recreativa Escola de Samba Vizinha Faladeira, uma das pioneiras no cenário do carnaval carioca, terá...

Jorge Silveira exalta preparação da Mocidade Alegre para ganhar duas categorias no Estrela do Carnaval: ‘São Paulo cada vez mais competitivo’

Em 2024, a Mocidade Alegre foi bicampeã do Grupo Especial do carnaval de São Paulo, conseguindo unir beleza e facilidade de leitura para tratar...